ásia

Polícia prende 2 pessoas que pegaram dinheiro na rua em Hong Kong

Cerca de 15 milhões de dólares de Hong Kong (equivalente a R$ 5 milhões) caíram de um carro-forta

Da Folhapress
Da Folhapress
Publicado em 26/12/2014 às 10:44
Foto: PHILIPPE LOPEZ / AFP
Cerca de 15 milhões de dólares de Hong Kong (equivalente a R$ 5 milhões) caíram de um carro-forta - FOTO: Foto: PHILIPPE LOPEZ / AFP
Leitura:

Duas pessoas foram presas, acusadas de roubo, por terem recolhido parte do dinheiro que caiu de um carro-forte em uma rua de Hong Kong na noite de Natal (25 de dezembro).

No incidente, cerca de 15 milhões de dólares de Hong Kong (equivalente a R$ 5 milhões) caíram do furgão e foram rapidamente recolhidos por motoristas e pedestres que passavam no local.

A polícia informou nesta sexta (26) que as duas pessoas, um homem de 43 anos e uma mulher de 36, foram detidas na quinta por não devolver o dinheiro que haviam pego.

Na casa do homem detido, os policiais encontraram 160 mil dólares de Hong Kong (R$ 57 mil) debaixo de um colchão.

Os dois detidos eram passageiros de um táxi que passava pela rua Gloucester quando o carro-forte se abriu e começou a espalhar dinheiro pelo asfalto. Eles foram identificados mediante imagens de câmeras de segurança.

Até esta sexta (26), 9 milhões de dólares locais (cerca de R$ 3 milhões) seguiam desaparecidos. Mais de 30 pessoas procuraram a polícia para devolver o dinheiro.

Quem ficou com as notas e não devolvê-las pode ser acusado de roubo, de acordo com a polícia. "Vamos prender assim que possível todas as pessoas que forem identificadas", disse Addy Li Chi-kin, chefe da polícia.

O Banco da China, que era o dono do dinheiro, informou que a transportadora G4S pediu desculpas pelo incidente e se comprometeu a arcar com o prejuízo.

No momento do incidente, três vigilantes estavam no carro-forte. Eles não perceberam que a porta se abriu e seguiram viagem por 14 km até perceber o ocorrido.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias