Conflito

Grécia condena bombardeio de petroleiro por Força Aérea líbia

Ataque foi considerando um ato covarde contra uma embarcação que mantinha um serviço regular entre dois portos líbios

Da AFP
Da AFP
Publicado em 05/01/2015 às 12:28
Leitura:

O governo grego condenou nesta segunda-feira o bombardeio por parte do governo líbio de um petroleiro suspeito no porto de Derna, um reduto islamita no leste do país, no qual um marinheiro grego e outro romeno morreram.

Atenas condenou o ataque, considerando-o um ato covarde e não provocado contra uma embarcação que mantinha um serviço regular entre dois portos líbios, segundo um comunicado.

"De acordo com a companhia de navegação, o barco operava contratado pela companhia petrolífera líbia e havia realizado a rota entre Marsa al-Brega e Derna por muitos anos sem nenhum problema", afirma o governo grego.

Um porta-voz das autoridades líbias admitiu anteriormente que a embarcação foi bombardeada no domingo pelas forças aéreas líbias, argumentando que ela se negou a parar para comprovar seu carregamento.

Segundo o porta-voz militar líbio Ahmed Mesmari, o petroleiro havia apagado suas luzes "como preparação para entrar no porto (...) e, por isso, o barco foi considerado suspeito".

Mas esta versão não convence o governo grego. Segundo a guarda-costeira da Grécia, o navio, com bandeira líbia, estava ancorado com 1.600 toneladas de petróleo em seus depósitos quando foi atacado.

O bombardeio também deixou dois feridos entre os 26 membros da tripulação, 21 deles filipinos. O governo grego "tomará as medidas necessárias com as autoridades líbias, apesar da situação instável, para ajudar a investigar as circunstâncias deste trágico evento, e identificar e punir os responsáveis pelo ataque". 

A Líbia está afundada no caos desde a queda de Muanmar Kadhafi, em 2011, ao término de oito meses de conflito. O país está dirigido por dois parlamentos e dois governos rivais, um próximo aos milicianos islamitas do Fajr Libya e o outro, reconhecido pela comunidade internacional, com sede em Tobruk, perto da fronteira com o Egito.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias