Iêmen

ONU teme que o Iêmen caia na anarquia

O Iêmen, aliado-chace dos Estados Unidos no combate contra a Al-Qaeda, está mergulhado em revoltas desde que os huthis assumiram o controle da capital Sana

Da AFP
Da AFP
Publicado em 12/02/2015 às 16:56
Foto: MOHAMMED HUWAIS / AFP
O Iêmen, aliado-chace dos Estados Unidos no combate contra a Al-Qaeda, está mergulhado em revoltas desde que os huthis assumiram o controle da capital Sana - FOTO: Foto: MOHAMMED HUWAIS / AFP
Leitura:

"O Iêmen colapsa ante nossos olhos", declarou o secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, ante o Conselho de Segurança nesta quinta-feira, ao pedir que sejam tomadas iniciativas pasra evitar que o país caia na anarquia.

Ban Ki-moon falou aos 15 membros do conselho depois de sua visita à Arábia Saudita e aos Emirados Árabes para discutir uma maneira de prevenir uma guerra civil no Iêmen.

O chefe da ONU pediu que se garanta a liberdade de movimento do presidente Abd Rabbo Mansour Hadi e seu primeiro-ministro depois que a milícia xiita - conhecida como huthis - tomou o poder e os colocou em prisão domiciliar.

O Iêmen, aliado-chace dos Estados Unidos no combate contra a Al-Qaeda, está mergulhado em revoltas desde que os huthis assumiram o controle da capital Sana em setembro e afastaram o governo na semana passada.

Estados Unidos, Reino Unido e França anunciaram o fechamento de suas embaixadas em Sana e começaram a retirar os funcionários diplomáticos em consequência da crise no Iêmen.

O governo americano foi o primeiro a anunciar a medida, na terça-feira à noite, devido à "deterioração da segurança" na capital. O Departamento de Estado anunciou que os funcionários diplomáticos foram "levados para fora do país".

Os fechamentos das embaixadas foram anunciados após o fracasso, no início da semana, das negociações mediadas pela ONU para encontrar uma solução à crise. Uma nova reunião promovida pelo enviado da ONU Jamal Benomar aconteceu na terça, enquanto outra era realizada nesta quarta, em Sana.

Os huthis insistem na dissolução do Parlamento. Outros partidos políticos desejam que continuem funcionando, alegando que são a última instituição legítima do Iêmen.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias