Mídia

Regressão brutal da liberdade de imprensa em 2014

Grupos islamitas radicais como o Estado Islâmico ou o Boko Haram tiveram grande participação no fato

Da AFP
Da AFP
Publicado em 12/02/2015 às 8:46
Foto: AFP
Grupos islamitas radicais como o Estado Islâmico ou o Boko Haram tiveram grande participação no fato - FOTO: Foto: AFP
Leitura:

A liberdade de imprensa registrou uma "regressão brutal" em 2014, principalmente pela ação de grupos islamitas radicais como o Estado Islâmico ou o Boko Haram, destaca a classificação anual da organização Repórteres Sem Fronteiras (RSF) divulgada nesta quinta-feira.

"Ocorreu uma deterioração global, relacionada com fatores muito diferentes, com a existência de guerras de informação e com a ação de grupos não estatais que se comportam como déspotas da informação", disse à  AFP Christophe Deloire, secretário-geral da RSF.

"2014 foi o ano de uma regressão brutal para a liberdade de informação. Dois terços dos 180 países (no ranking da RSF) têm resultados piores que na edição anterior", explica a RSF, que também registra os ataques à liberdade de imprensa.

A Síria, o país considerado pela ONG como o mais perigoso do mundo para os jornalistas, permanece na posição 177 de um total de 180, atrás da China (176), mas à frente de Turcomenistão (178), Coreia do Norte (179) e Eritreia (180). Os quatro últimos países da lista são os mesmos do ano passado.

O Brasil ocupa a nada honrosa 99ª posição e é um dos países citados pela RSF pela "intensificação da violência contra os repórteres e os web-cidadãos que cobrem as manifestações.

Outros países em situação similar são Venezuela (137), Ucrânia (129) e Hong Kong (70).

Entre os países latino-americanos, o relatório destaca que o México (148) teve um ano extremamente violento. O documento da RSF também cita os riscos para a profissão na Colômbia (128).

A classificação é baseada em sete indicadores: o nível dos abusos contra a liberdade de imprensa, o pluralismo, a independência dos meios de comunicação, o ambiente e a autocensura, o marco legal, a transparência e as infraestruturas.

- Conflitos de interesses na Europa -

"Do Boko Haram ao grupo Estado Islâmico, passando pelos narcotraficantes latinos ou a máfia siciliana, as motivações mudam mas o 'modus operandi' é o mesmo: reduzir ao silêncio através do medo ou das represálias", destaca a ONG.

Pelo quinto ano consecutivo a Finlândia ocupa o primeiro lugar no ranking, seguida por Noruega e Dinamarca.

O Iraque está na posição 156 e a Nigéria no 111º lugar. No caso do Iraque e da Síria, presença do grupo Estado Islâmico "provocou a fuga dos jornalistas".

Na África, apesar do avanço da Costa do Marfim (86º, +15 lugares), muitos países permanecem entre os piores da lista. O Congo perdeu 25 posições (107) e a Líbia 17 (154).

Na Europa, alguns pequenos países caíram na classificação: Luxemburgo passou do 4º ao 19º lugar, Liechtenstein do 6º ao 27º e Andorra do 5ª para o 32º, a queda mais expressiva.

"Todas são situações comparáveis, com uma proximidade entre o poder político, econômico e midiático que gera conflitos de interesses muito frequentes e que são cada vez mais importantes", explica a ONG.

A Bulgária (106º, -6 posições) permanece como o país de pior ranking dentro da União Europeia. A Grécia ganhou oito posições, mas aparece como o número 91, atrás do Kuwait.

A França subiu uma posição e está em 38º lugar. A classificação não leva em consideração o atentado de 7 de janeiro contra a revista satírica Charlie Hebdo, indica a RSF. Os Estados Unidos aparecem na posição de número 49 e o Reino Unido no 34º lugar.

A seguir a classificação de 180 países e territórios avaliados pela ONG Repórteres Sem Fronteiras (RSF) sobre a liberdade de imprensa em 2014::

1. Finlândia

2. Noruega

3. Dinamarca

4. Holanda

5. Suécia

6. Nova Zelândia

7. Áustria

8. Canadá

9. Jamaica

10. Estônia

11. Irlanda

12. Alemanha

13. República Tcheca

14. Eslováquia

15. Bélgica

16. Costa Rica

17. Namíbia

18. Polônia

19. Luxemburgo

20. Suíça

21. Islândia

22. Gana

23. Uruguai

24. Chipre

25. Austrália

26. Portugal

27. Liechtenstein

28. Letônia

29. Suriname

30. Belize

31. Lituânia

32. Andorra

33. Espanha

34. Reino Unido

35. Eslovênia

36. Cabo Verde

37. Organization of Eastern Caribbean States (OECS)

38. França

39. África do Sul

40. Samoa

41. Trinidad e Tobago

42. Botswana

43. Chile

44. Tonga

45. El Salvador

46. Burkina Faso

47. Níger

48. Malta

49. Estados Unidos

50. Comores

51. Taiwan

52. Romênia

53. Haiti

54. Mongólia

55. Mauritânia

56. Papua Nova Guiné

57. Argentina

58. Croácia

59. Malauí

60. Coreia do Sul

61. Japão

62. Guiana

63. República Dominicana

64. Madagascar

65. Hungria

66. Bósnia Herzegovina

67. Sérvia

68. Maurício

69. Geórgia

70. Hong Kong

71. Senegal

72. Moldávia

73. Itália

74. Nicarágua

75. Tanzânia

76. Chipre do Norte

77. Lesoto

78. Armênia

79. Serra Leoa

80. Togo

81. Guiné-Bissau

82. Albânia

83. Panamá

84. Benin

85. Moçambique

86. Costa do Marfim

87. Kosovo

88. Quirguistão

89. Libéria

90. Kuwait

91. Grécia

92. Peru

93. Fiji

94. Bolívia

95. Gabão

96. Seychelles

97. Uganda

98. Líbano

99. Brasil

100. Quênia

101. Israel

102. Guinea

103. Timor Leste

104. Butão

105. Nepal

106. Bulgária

107. República do Congo

108. Equador

109. Paraguai

110. República Centro-Africana

111. Nigéria

112. Maldivas

113. Zâmbia

114. Montenegro

115. Catar

116. Tadjiquistão

117. Macedônia

118. Mali

119. Argélia

120. Emirados Árabes Unidos

121. Brunei

122. Afeganistão

123. Angola

124. Guatemala

125. Sudão do Sul

126. Tunísia

127. Omã

128. Colômbia

129. Ucrânia

130. Marrocos

131. Zimbábue

132. Honduras

133. Camarões

134. Tailândia

135. Chade

136. Índia

137. Venezuela

138. Indonésia

139. Camboja

140. Territórios Palestinos

141. Filipinas

142. Etiópia

143. Jordânia

144. Mianmar

145. Burundi

146. Bangladesh

147. Malásia

148. México

149. Turquia

150. República Democrática do Congo

151. Gâmbia

152. Rússia

153. Cingapura

154. Líbia

155. Suazilândia

156. Iraque

157. Belarus

158. Egito

159. Paquistão

160. Cazaquistão

161. Ruanda

162. Azerbaijão

163. Bahrein

164. Arábia Saudita

165. Sri Lanka

166. Uzbequistão

167. Guiné Equatorial

168. Iêmen

169. Cuba

170. Djibuti

171. Laos

172. Somália

173. Irã

174. Sudão

175. Vietnã

176. China

177. Síria

178. Turcomenistão

179. Coreia do Norte

180. Eritreia

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias