Vaticano

Francisco pede que comunidade internacional busque soluções pacíficas para Líbia

Egito convocou a ONU a intervir na Líbia, um país dividido em diferentes redutos das milícias, algumas jihadistas

Do JC Online
Do JC Online
Publicado em 18/02/2015 às 13:00
Foto: AFP
Egito convocou a ONU a intervir na Líbia, um país dividido em diferentes redutos das milícias, algumas jihadistas - FOTO: Foto: AFP
Leitura:

O papa Francisco convocou nesta quarta-feira a comunidade internacional a buscar soluções pacíficas para a grave situação na Líbia diante da reunião extraordinária do Conselho de Segurança da ONU convocada ante o avanço do grupo jihadista Estado Islâmico (EI).

"Oremos pela paz no Oriente Médio e no Norte da África, lembremos os mortos, os feridos e os refugiados", pediu o Papa diante de 9.000 peregrinos que acompanhavam a saudação do pontífice na Praça de São Pedro sob um sol forte.

"Espero que a comunidade internacional possa encontrar soluções pacíficas para a difícil situação na Líbia", disse Francisco, que voltou a pedir orações por "nossos irmãos egípcios assassinados há três dias na Líbia apenas pelo fato de serem cristãos", reiterou.

Após a decapitação na Líbia de 21 coptas por parte do EI, o Egito convocou a ONU a intervir na Líbia, um país dividido em diferentes redutos das milícias, algumas jihadistas.

A Santa Sé apoia uma intervenção na Líbia, "mas sob a égide da ONU", disse nesta quarta-feira o secretário de Estado vaticano, Pietro Parolin, em declarações à Rádio Vaticana.

Parolin se reuniu na terça-feira com o presidente da Itália, Sergio Mattarella, e com o chefe de governo Matteo Renzi, com quem analisou a grave situação na Líbia.

França e Itália exigem novas medidas para a Líbia e o governo italiano não descarta participar militarmente, mas apenas no âmbito da ONU e dentro de uma operação para manter a paz, disse Renzi na segunda-feira.

"O avanço do Estado Islâmico na Líbia deve ser contido", disse o cardeal Parolin, depois de garantir que "é preciso intervir em breve, mas sob a égide da ONU".

"É necessário um amplo consenso internacional", acrescentou. A proposta de intervir militarmente na Líbia divide a Itália, que fechou sua embaixada em Trípoli e repatriou os italianos residentes no país, que foi colônia italiana.

Possíveis atentados contra a Santa Sé geram preocupação em alguns setores, mas o ministro do Interior italiano, Angelino Alfano, negou que existissem ameaças particulares contra o Vaticano.

O cardeal Parolin convidou a vigiar, mas sem cair no alarmismo diante da propaganda dos jihadistas, que dizem ter abandonado as colinas da Síria e estar ao sul de Roma.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias