Terrorismo

Itália adverte para risco de fusão do Estado Islâmico com milícias na Líbia

País espera que a reunião do Conselho de Segurança da ONU proporcione a consciência da necessidade de redobrar os esforços para favorecer o diálogo político

Da AFP
Da AFP
Publicado em 18/02/2015 às 9:09
Leitura:

O governo da Itália advertiu nesta quarta-feira que o tempo está acabando para resolver a situação na Líbia, onde o risco de fusão entre o grupo jihadista Estado Islâmico (EI) e outras milícias locais é "evidente".

"A deterioração da situação requer uma mudança de ritmo pela comunidade internacional antes que seja muito tarde", declarou o ministro italiano das Relações Exteriores, Paolo Gentiloni.

"O tempo não é infinito", disse o ministro, que advertiu para o risco "evidente" de fusão entre o EI e milícias locais.

"Nos encontramos diante de um país com um território imenso e instituições deficientes e isto tem consequências potencialmente graves, não apenas para nós, mas também para a estabilidade e a continuidade dos processos de transição nos Estados africanos vizinhos", explicou.

"A única solução para a crise líbia é política", disse, antes de destacar que a Itália não quer "aventuras e ainda menos cruzadas".

A Itália espera que a reunião do Conselho de Segurança da ONU, prevista para esta quarta-feira em Nova Iorque, proporcione a consciência da necessidade de "redobrar os esforços para favorecer o diálogo político" na Líbia.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias