América do Sul

Líder opositor se declara presidente interino da Venezuela

"Ninguém tem dúvidas de que Maduro é um usurpador", escreveu Juan Guaidó no Twitter

Thiago Wagner Thiago Wagner
Thiago Wagner
Thiago Wagner
Publicado em 11/01/2019 às 19:52
AFP
"Ninguém tem dúvidas de que Maduro é um usurpador", escreveu Juan Guaidó no Twitter - FOTO: AFP
Leitura:

Em um pronunciamento em Caracas transmitido pelo Twitter, o presidente da Assembleia Nacional da Venezuela, Juan Guaidó, se declarou presidente interino do país nesta sexta-feira. "Ninguém tem dúvidas de que Maduro é um usurpador. Por isso, assumo minha responsabilidade com o povo da Venezuela, me dirijo a vocês para plantar a rota da AN pela liberdade (#ANRutaPorLaLibertad)", escreveu.

Guaidó disse estar se respaldando nos artigos 233, 333 e 350 da Constituição para "convocar eleições livres" em 23 de janeiro e pediu apoio do povo venezuelano, dos militares e da comunidade internacional. "A Constituição me dá legitimidade para exercer o cargo da Presidência da República, para convocar eleições, mas preciso do apoio dos cidadãos para tornar isso uma realidade", disse o deputado a algumas centenas de pessoas que se concentraram no leste de Caracas para denunciar a "ilegitimidade" de Nicolás Maduro.

O secretário-geral da Organização dos Estados Americanos (OEA), Luis Almagro, apoiou nesta sexta-feira a decisão do deputado opositor. Guaidó é presidente da Assembleia Nacional, eleita em 2016, controlada pela oposição e não reconhecida pelo chavismo

"Celebramos a posse de Juan Guaidó como presidente interino da Venezuela, conforme o artigo 233 da Constituição. Tem o nosso apoio, o da comunidade internacional e do povo da Venezuela", disse Almagro em uma postagem no Twitter, em que reproduzia o post da Assembleia Nacional venezuelana.

As duas manifestações provocaram uma nova crise no país e despertaram o temor de que o presidente eleito, Nicolás Maduro, cumpra sua promessa de dissolver o Parlamento. No dia em que foi empossado, o líder chavista ameaçou dissolver a Assembleia Nacional caso ela promova "um golpe de Estado". Segundo ele, a Assembleia Nacional Constituinte (ANC) "atuará contra a Assembleia Nacional se eles tentarem um golpe de estado".

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias