CONDOLÊNCIAS

Papa se diz ''profundamente entristecido'' com ataques na Nova Zelândia

Em um telegrama, assinado pelo secretário de Estado, o pontífice afirmou estar ''consciente dos esforços das forças de segurança e da emergência nesta situação difícil''

Rute Arruda
Rute Arruda
Publicado em 15/03/2019 às 21:37
Foto: Tessa BURROWS / AFP
Em um telegrama, assinado pelo secretário de Estado, o pontífice afirmou estar ''consciente dos esforços das forças de segurança e da emergência nesta situação difícil'' - FOTO: Foto: Tessa BURROWS / AFP
Leitura:

O papa Francisco disse nesta sexta-feira (15) ter ficado “profundamente entristecido” com os ataques duplos às mesquitas na cidade de Christchurch, na Nova Zelândia, deixando 49 mortos e 48 feridos. Em um telegrama, assinado pelo secretário de Estado, cardeal Pietro Parolin, o pontífice afirmou estar “consciente dos esforços das forças de segurança e da emergência nesta situação difícil”.

Segundo Parolin, o papa reza pela cura dos feridos, pelo consolo daqueles que sofrem a perda de seus parentes e amigos e pede pede a Deus o conforto de todos.

Bispos católicos

Logo depois dos dois ataques, os bispos católicos da Nova Zelândia enviaram uma mensagem “aos queridos membros da comunidade muçulmana” neozelandesa de Christchurch, manifestando sua solidariedade diante dessa violência.

“Estamos conscientes das boas relações que temos com os muçulmanos nessa terra e estamos abalados pelo fato que tenha acontecido num lugar e num momento de oração. Estamos profundamente tristes pelas pessoas mortas e feridas, e os nossos corações se voltam para eles, suas famílias e a comunidade em geral. Paz, Salaam”, informa a mensagem.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias