Catedral

Líderes mundiais lamentam incêndio da Catedral de Notre-Dame

O incêndio que começou na tarde desta segunda feira (15) repercutiu no mundo todo

Eduardo Rolemberg
Eduardo Rolemberg
Publicado em 15/04/2019 às 18:00
Foto: Pierre Galey/AFP
FOTO: Foto: Pierre Galey/AFP
Leitura:

Atualizada às 20h46

O mundo lamentava, impotente, o incêndio que destruía, nesta segunda-feira (15), a catedral de Notre-Dame, em Paris, "símbolo da França" e da cultura europeia, segundo a chanceler alemã, Angela Merkel, enquanto o presidente americano, Donald Trump, qualificou o ocorrido como algo "horrível de se ver".

Trump foi um dos primeiros chefes de Estado a se manifestar, pedindo em um tuíte uma ação imediata, quando as imagens de TV mostravam ao vivo o episódio dantesco.

"É tão horrível ver o enorme incêndio na catedral de Notre-Dame, em Paris. Talvez possam usar aviões-tanque para apagá-lo. Deve-se agir rapidamente!", tuitou Trump.

Os principais canais de notícias americanos alteraram sua programação para transmitir imagens ao vivo do incêndio. Melania Trump, primeira-dama dos Estados Unidos, disse estar com o "coração partido" pelos parisienses, ao ver as chamas devorando a catedral.

Profundo pesar de Bolsonaro

Por meio do seu perfil no Twitter, o presidente Jair Bolsonaro lamentou o incêndio na catedral. "Em nome dos brasileiros, manifesto profundo pesar pelo terrível incêndio que assola um dos maiores símbolos da cultura e da espiritualidade cristã e ocidental, a catedral de Notre-Dame, em Paris. Neste momento sombrio, as nossas orações estão com o povo francês", escreveu. 

A dor de Merkel 

"Estas imagens horríveis de Notre-Dame em chamas doem. Notre-Dame é um símbolo da França e da nossa cultura europeia. Nossos pensamentos estão com os amigos franceses", tuitou o porta-voz de Merkel, Steffen Seibert.

O ministro das Relações Exteriores alemão, Heiko Maas, considerou pouco antes, por sua vez, que o incêndio atingia "também o coração" dos alemães.

Os principais canais de informação contínua alemães também transmitiram imagens ao vivo do ocorrido.

O mesmo ocorreu na Itália, onde o chefe de governo, Guiseppe Conte, lamentou o que chamou de "golpe no coração dos franceses e dos europeus".

Inglaterra

O prefeito de Londres, Sadiq Khan, afirmou que a capital britânica está unida em grande tristeza com os amigos parisienses. "Cenas de partir o coração na Catedral de Notre-Dame em chamas. Londres se une à tristeza com Paris hoje, e sempre em amizade. #OurDame", escreveu no Twitter.

Itália

O primeiro-ministro italiano, Giuseppe Conte, publicou em francês no seu Twitter afirmando que incêndio foi "um golpe no coração dos franceses e todos os europeus". 

Uma história de 850 anos em chamas 

O chefe de governo espanhol também destacou o golpe na civilização europeia. "O incêndio de Notre-Dame é uma catástrofe para a França. É também para a Espanha e para a Europa. As chamas estão arrasando 850 anos de história, de arquitetura, de pintura, de escultura. Será difícil esquecer. A França pode contar conosco para recuperar a grandeza de seu patrimônio".

A Unesco também ofereceu de imediato sua disposição para ajudar a restaurar este patrimônio inestimável, segundo sua diretora-geral, Andrey Azoulay. A catedral foi declarada Patrimônio da Humanidade em 1991 pelo organismo com sede em Paris.

Em Nova York, o secretário-geral da ONU, António Guterres, disse estar "horrorizado" pela destruição de uma "joia única do patrimônio mundial, que reina em Paris desde o século XIV".

Notre-Dame é de todos 

Também dos Estados Unidos, onde está em visita, o presidente do Equador, Lenin Moreno, disse que viu com "tristeza infinita" as imagens do incêndio "de um monumento patrimônio da humanidade".

"A catedral de Notre-Dame pertence a todos. Devemos ajudar a cuidar da memória e da história do mundo. Estamos perdendo um tesouro, uma página da cultura mundial".

Igreja Católica

"Um importante lugar da fé católica está queimando"  foi o que disse o porta-voz da Conferência dos Bispos da França, Vincent Neymon. Ainda segundo ele, O incêndio atingiu um "símbolo vivo da fé católica".

Unesco

A Organização das Nações Unidas para a Cultura (Unesco), através de seus  diretor-genera, Audrey Azoulay, se colocou ao "lado da França para salvaguardar e reabilitar este patrimônio inestimável".

Foto: AFP
Um incêndio atingiu a catedral de Notre-Dame, em Paris, nesta segunda-feira (15) - Foto: AFP
Foto: AFP
Uma multidão de parisienses e turistas chocados, alguns chorando, outros rezando, olhavam com horror - Foto: AFP
Foto: AFP
As chamas devoraram a emblemática catedral de Notre-Dame, no centro de Paris - Foto: AFP
Foto: AFP
Todos viram, perplexos, o maior monumento visitado da Europa se destruir em meio ao fogo - Foto: AFP
Foto: AFP
As chamas começaram por volta das 19h50 local (14h50 no horário de Brasília - Foto: AFP
Foto: AFP
Rapidamente, vários bombeiros foram chamados para conter o incêndio - Foto: AFP
Foto: AFP
Bombeiros indicaram que uma reforma pode ter começado o incêndio - Foto: AFP
Foto: AFP
Mas ainda não há uma confirmação oficial. Só uma perícia no local dirá o que, de fato, aconteceu - Foto: AFP
Foto: AFP
A estrutura principal da Notre-Dame foi salva e preservada - Foto: AFP
Foto: AFP
Um dos profissionais ficou gravemente ferido e é a única vítima relatada - Foto: AFP
Foto: AFP
Muita coisa foi destruída no incêndio - Foto: AFP
Foto: AFP
A polícia tentava afastar transeuntes das duas ilhas do Sena - Foto: AFP
Foto: AFP
O vento espalhou, rapidamente, as cinzas pelo centro de Paris - Foto: AFP
Foto: Pierre Galey/AFP
De longe era possível ver toda a destruição - Foto: Pierre Galey/AFP
Foto: AFP
A comoção foi grande em todo lugar do planeta - Foto: AFP
Foto: AFP
Vários líderes mundiais se solidarizaram com a tragédia - Foto: AFP
Foto: AFP
A Catedral de Notre-Dame de Paris foi construída entre 1163 e 1245 na Île de la Cité - Foto: AFP
Foto: AFP
Ela é uma das catedrais góticas mais antigas do mundo - Foto: AFP
Foto: AFP
Apesar da destruição, o presidente francês garantiu: "vamos reconstruir a Notre-Dame" - Foto: AFP

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias