Crise na Bolívia

Bolsonaro, Lula e outros políticos comentam a renúncia do presidente boliviano Evo Morales

Morales anunciou que deixaria o cargo em transmissão ao vivo

Felipe Amorim
Felipe Amorim
Publicado em 10/11/2019 às 19:42
HO / Bolivia TV / AF
FOTO: HO / Bolivia TV / AF
Leitura:

O presidente boliviano Evo Morales renunciou ao cargo neste domingo (10), de seu berço político na região central de Cochabamba, após perder o apoio das Forças Armadas e da Polícia, depois de três semanas protestos contra sua polêmica reeleição. Assim que anunciou que deixou o cargo, líderes de vários países comentaram a notícia.

"Renuncio a meu cargo de presidente para que (Carlos) Mesa e (Luis Fernando) Camacho não continuem perseguindo dirigentes sociais", disse Morales em discurso televisionado, referindo-se a líderes opositores que convocaram protestos ele, desde o dia seguinte às eleições de 20 de outubro.

"Denúncias de fraudes culminaram na renúncia", disse Bolsonaro

O presidente do Brasil, Jair Bolsonaro (PSL), 

Denúncias de fraudes nas eleições culminaram na renúncia do Presidente Evo Morales. A lição que fica para nós é a necessidade, em nome da democracia e transparência, contagem de votos que possam ser auditados. O VOTO IMPRESSO é sinal de clareza para o Brasil!

DANIEL WALKER / AFP
A renúncia do presidente boliviano, Evo Morales, foi comemorada nas ruas do país - DANIEL WALKER / AFP
HO / Bolivia TV / AF
O presidente boliviano Evo Morales após anunciar sua renúncia em um canal de TV - HO / Bolivia TV / AF
DANIEL WALKER / AFP
A renúncia do presidente boliviano, Evo Morales, foi comemorada nas ruas do país - DANIEL WALKER / AFP
DANIEL WALKER / AFP
Policial segura crucifixo em celebração à renúncia do presidente boliviano, Evo Morales - DANIEL WALKER / AFP
DANIEL WALKER / AFP
Civis acompanhados pela polícia celebram a renúncia do presidente boliviano, Evo Morales - DANIEL WALKER / AFP
DANIEL WALKER / AFP
Policial segura crucifixo em celebração à renúncia do presidente boliviano, Evo Morales - DANIEL WALKER / AFP
DANIEL WALKER / AFP
Freiras celebram a renúncia do presidente boliviano, Evo Morales, nesse domingo (10) - DANIEL WALKER / AFP
DANIEL WALKER / AFP
A renúncia do presidente boliviano, Evo Morales, foi comemorada nas ruas do país - DANIEL WALKER / AFP

'Golpe de Estado', diz Lula

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) afirmou neste domingo, 10, no Twitter que houve um "golpe de Estado" na Bolívia. Lula afirmou que o presidente Evo Morales foi obrigado a renunciar. O ex-presidente disse que é "lamentável" que a América Latina tenha uma elite econômica que "não saiba conviver com a democracia e com a inclusão social dos mais pobres".

O que disse o líder cubano

Atual presidente do Conselho de Estado de Cuba, Miguel Mario Díaz-Canel Bermúdez também foi ao Twitter para se manifestar sobre a renúncia de Evo Morales. "O direito com golpes violentos e covardes de golpe de Estado contra a democracia na #Bolivia. Nossa forte condenação do golpe e nossa solidariedade com o irmão Pdte @evoespueblo. O mundo deve ser mobilizado para a vida e a liberdade de Evo. #EvoNoEstasSolo#SomosCuba", escreveu o cubano.

Candidato opositor de Evo Morales

O candidato opositor e ex-presidente Carlos Mesa disse neste domingo que os bolivianos "deram uma lição ao mundo" ao protagonizarem três semanas de protestos nas ruas que levaram à renúncia como presidente de Evo Morales.

"Demos uma lição ao mundo. Amanhã a Bolívia será um país novo", declarou Mesa à imprensa na praça Murillo, em frente à sede do governo.

A renúncia de Evo Morales

O presidente da Bolívia, Evo Morales, anunciou neste domingo sua renúncia ao cargo, depois de três semanas de protestos contra sua polêmica reeleição e depois de perder o apoio das Forças Armadas e da Polícia.

“Renuncio a meu cargo de presidente para que (Carlos) Mesa e (Luis Fernando) Camacho não continuem perseguindo dirigentes sociais”, disse Morales em discurso televisionado, referindo-se a líderes opositores que convocaram protestos ele, desde o dia seguinte às eleições de 20 de outubro.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias