EUA

Em Nova Iorque, Dilma diz que quer economia mais aberta e competitiva

Presidente também defendeu o ajuste fiscal como "fundamental" e explicou o seu plano de concessões de infraestrutura, que transfere rodovias, aeroportos, portos e ferrovias à administração privada

Da Folhapress
Da Folhapress
Publicado em 29/06/2015 às 20:15
Foto: KENA BETANCUR / AFP
Presidente também defendeu o ajuste fiscal como "fundamental" e explicou o seu plano de concessões de infraestrutura, que transfere rodovias, aeroportos, portos e ferrovias à administração privada - FOTO: Foto: KENA BETANCUR / AFP
Leitura:

A presidente Dilma Rousseff disse que quer o Brasil "com economia mais aberta e competitiva" e que a burocracia brasileira é "infernal" durante uma reunião fechada com banqueiros e investidores em Nova Iorque.

Também defendeu o ajuste fiscal como "fundamental" e explicou o seu plano de concessões de infraestrutura, que transfere rodovias, aeroportos, portos e ferrovias à administração privada.

A reportagem ouviu dois dos presentes à reunião, que pediram anonimato. Ambos ressaltaram que Dilma e o ministro da Fazenda, Joaquim Levy, estavam "totalmente coordenados, em sintonia, pareciam ensaiados".

Dilma explicou as mudanças de rumo na política econômica brasileira ao grupo reunido no hotel St Regis, em Nova Iorque, na manhã desta segunda (29). Foi pouco interrompida por perguntas, no encontro que durou pouco mais de uma hora.

Diante da reclamação de um empresário sobre como era difícil fazer negócios no Brasil, Dilma disse que a burocracia no Brasil "ainda é infernal".

Ainda segundo os presentes, Dilma falou da importância da credibilidade fiscal e de que o Banco Central "na prática, já é independente".

Repetiu que quer aprofundar a relação com os Estados Unidos e que o país precisa de novos investimentos americanos. Falou de semelhanças entre os dois países, "ambos democracias plurais, com liberdade de expressão e transparência". Não falou nada sobre seus encontros com o presidente Barack Obama, um jantar na noite desta segunda e uma reunião de trabalho na terça (30) pela manhã.

"Ela parecia muito relaxada, nada agressiva", disse um investidor, que já participou de várias reuniões com a presidente. "Não culpou crise global, mídia, Justiça, ninguém, apenas falou do que estava disposta a fazer".

Dilma falou duas vezes que quer construir "um país de classe média" e que os avanços sociais seriam mantidos.

Últimas notícias