Previdência

Raul Henry diz que foi uma surpresa a retirada de PMs e bombeiros da reforma

O presidente do MDB em Pernambuco ainda lamentou a retirada de estados e municípios da matéria

Maria Eduarda Bravo
Maria Eduarda Bravo
Publicado em 05/07/2019 às 10:01
Foto: Bobby Fabisak/ JC Imagem
O presidente do MDB em Pernambuco ainda lamentou a retirada de estados e municípios da matéria - FOTO: Foto: Bobby Fabisak/ JC Imagem
Leitura:

Na madrugada desta sexta-feira (05), a Comissão Especial da reforma da Previdência aprovou, em votação simbólica, um destaque da bancada do DEM que retira policiais militares (PMs) e bombeiros do parecer do relator, Samuel Moreira (PSDB-SP). Para o presidente estadual do MDB, deputado Raul Henry, a decisão "foi uma surpresa". "Para mim foi uma surpresa, porque ela tava incluída ao que diz direito as forças armadas", disse o parlamentar em entrevista à Rádio Jornal, nesta sexta. 

Questionado sobre parlamentares do PSL, partido do presidente Jair Bolsonaro, terem sido chamados de 'traidores' por parte da categoria de PMs e bombeiros, Raul afirmou que a sigla é 'desarticulada' e que o presidente neste momento precisa pensar em todos os brasileiros. "O PSL é muito desarticulado internamente. Há muitos conflitos. Eu acho que é uma regra bastante razoável. Me pareceu que o presidente se sensibilizou quando foi chamado de traidor. Eles (PSL) olham que a categoria policial como a base do partido. Eu acho isso muito ruim porque o presidente tem que olhar para todo o País", cravou. 

O texto do relator determinava que, até a aprovação de uma lei complementar, esses profissionais deveriam seguir as mesmas regras de integrantes das Forças Armadas.

Sobre a PEC da Previdência que segue para o plenário da Câmara dos Deputados, o deputado pernambucano acredita que o placar irá se repetir na Casa. "Eu acho que a tendência é repetir a votação da Comissão Especial", completou. A votação terminou em 36 a 13. 

Estados e municípios

Ex-vice-governador de Paulo Câmara (PSB), Raul Henry lamentou que a reinclusão de estados e municípios ficou para que seja votada na Câmara Federal. Segundo ele, ainda será difícil que a Casa agregue o pedido a reforma. "Eu pessoalmente sou favor da reinclusão dos estados e municípios. Os governadores erraram, mas também acho que isso não passa no plenário", ressaltou.

Sobre o apoio contrário do socialista à reforma da Previdência, Raul disse que Paulo tem o direito de discordar, mas que agora precisará se preparar para fazer a própria reforma ou esperar que uma nova PEC seja aplicada sobre o tema excluído. 

"Eu acho que os governadores na hora de apresentarem os votos, não apresentarem. É uma reforma da País. Todos os estados estão quebrados. O Brasil chegou a um nível que é preciso fazer a reforma. Agora só tem dois caminhos: ou a gente vota uma outra PEC, porque acho que essa que vem é muito difícil incluir. Ou cada Estado precisará fazer a sua reforma, do que jeito que acha que deveria ser feito", explicou o emedebista.

O presidente estadual do MDB continuou e disse que continua respeitando Câmara e que de maneira nenhum as opiniões diferentes o afastaram. 

Próximos passos

Agora, a PEC da Previdência segue para votação no plenário da Câmara e, em seguida, para análise dos senadores. 

- Discussão e votação da proposta no plenário da Câmara

- Após, o texto é encaminhado para o Senado e analisado na CCJ da Casa

- Em seguida, plenário do Senado discute e vota a PEC

- E caso seja aprovada sem mudanças, a PEC é promulgada pelo presidente do Congresso

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias