GOVERNO

Marcos Pontes manda 'abraços espaciais' a Ricardo Galvão

O ministro da Ciência e Tecnologia usou o Twitter para agradecer o trabalho do diretor do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), que será exonerado

Amanda Azevedo
Amanda Azevedo
Publicado em 02/08/2019 às 16:21
Notícia
Foto: Isac Nóbrega/PR
O ministro da Ciência e Tecnologia usou o Twitter para agradecer o trabalho do diretor do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), que será exonerado - FOTO: Foto: Isac Nóbrega/PR
Leitura:

O ministro da Ciência e Tecnologia, Marcos Pontes, usou o Twitter nesta sexta-feira (2) para agradecer o trabalho de Ricardo Galvão, diretor do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), que será exonerado do cargo.

"Agradeço, pela dedicação e empenho do Ricardo Galvão à frente do Inpe. Tenho certeza que sua dedicação deixa um grande legado para a instituição e para o País. Abraços espaciais", escreveu.

Polêmica envolvendo Bolsonaro

Galvão esteve no centro da polêmica com o presidente Jair Bolsonaro sobre os dados que mostram alta do desmatamento da Amazônia.

O pesquisador estava no Inpe desde 1970 e cumpria mandato à frente do órgão até 2020. Ele deixa a direção do instituto após duas semanas de intenso bombardeio por parte do governo às informações do instituto que mostram que desde maio os alertas de desmatamento da Amazônia dispararam, atingindo em julho o valor mais alto desde 2015 para um único mês. O desmatamento observado pelos alertas entre agosto do ano passado até 31 de julho é 40% maior do que o período anterior.

A decisão, que já era esperada, foi anunciada por ele mesmo após reunião que teve com o ministro da Ciência e Tecnologia, Marcos Pontes. "Diante da maneira como eu me manifestei com relação ao presidente, criou um constrangimento, ficou insustentável e eu serei exonerado", afirmou Galvão a jornalistas que estavam em frente ao ministério após a reunião.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias