Opinião

Cláudio Humberto: Elite política criou crise para tentar emplacar 'impeachment da vingança' contra Bolsonaro

O destaque desproporcional para o compartilhamento, por Bolsonaro, de um vídeo que o bajula sem citar o Congresso, atende à conveniência da elite política. Leia o comentário de Cláudio Humberto

Cláudio Humberto
Cláudio Humberto
Publicado em 27/02/2020 às 8:55
Artigo
Foto: Marcos Corrêa/PR
O destaque desproporcional para o compartilhamento, por Bolsonaro, de um vídeo que o bajula sem citar o Congresso, atende à conveniência da elite política. Leia o comentário de Cláudio Humberto - FOTO: Foto: Marcos Corrêa/PR
Leitura:

Cláudio Humberto*

O destaque desproporcional para o compartilhamento, pelo presidente Jair Bolsonaro, de um vídeo que o bajula e que nem sequer menciona o Congresso, atende à conveniência da elite política de Brasília de não apurar as razões de importante ministro ao revelar que o governo tem sido chantageado por parlamentares. De quebra, ainda tenta emplacar algo como o “impeachment da vingança”. Em conversa vazada, o general Augusto Heleno disse que não dava para aceitar “esses caras chantagearem a gente o tempo todo”. Ninguém se interessou pela gravíssima revelação sobre as “insaciáveis reivindicações de parlamentares por fatias do orçamento impositivo”. Em vez de apurar a denúncia, aplaudiram o ataque de Rodrigo Maia a Heleno. De Roberto “é dando que se recebe” Cardoso Alves aos dias atuais, o Congresso tem histórico de emparedar governos para obter vantagens.

Congresso vazio

Em um dia cheio de problemas graves, como a confirmação do primeiro caso de coronavírus no País, e a tentativa de caracterizar um suposto “ataque” de Bolsonaro ao Congresso, os deputados – a começar pelo presidente da Câmara, Rodrigo Maia – gazetearam o trabalho. O presidente do Senado, Davi Alcolumbre, também não deu as caras. Ele e Maia costumam chamar de “ataque à democracia” qualquer crítica à agenda malandra, desde 2016, com a semana de dois dias de trabalho. Somente dois deputados apareceram para trabalhar na quarta-feira de cinzas: Marcel Van Hattem (Novo-RS) e general Peternelli (PSL-SP). Como os parlamentares, a maioria dos servidores do Congresso não foi vista trabalhando. Foram contaminados pela malandragem da chefia. As dependências da Câmara estavam tomadas, mas não de deputados ou de servidores: eram turistas usando bermudas e chinelos.

As investigações contra servidores “fantasma” dão esperança de moralização a quem trabalha na Câmara. “Será que vai mudar alguma coisa?”, perguntou um servidor esperançoso, coitado.

*Cláudio Humberto assina coluna diária no Jornal do Commercio

Leia mais comentários de Cláudio Humberto

A derrocada no PSB de Pernambuco no comando nacional do partido

Prefeitos querem inscrever novas pessoas no Bolsa Família para conseguir votos

Governo Bolsonaro mantém esquema com empresas aéreas que foi alvo da PF no governo Dilma

Paulo Guedes vai de Gol; Rodrigo Maia de avião da FAB

Temendo Anderson Ferreira, Paulo Câmara pode não disputar Senado em 2022

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias