História das Eleições no Recife

Plano Real, Seleção Brasileira e manguebeat: os anos 90 no Recife

Enquanto Roberto Magalhães e Jarbas assumiam a prefeitura do Recife, fatos marcantes se desenrolavam na capital pernambucana

Marcela Balbino e Paulo Veras
Marcela Balbino e Paulo Veras
Publicado em 18/08/2016 às 22:54
ED FERREIRA/ESTADÃO CONTEÚDO/AE
FOTO: ED FERREIRA/ESTADÃO CONTEÚDO/AE
Leitura:

A década de 1990 é uma daquelas difíceis de esquecer. Em julho de 1994, o Brasil era tetracampeão na Copa do Mundo dos Estados Unidos, após jejum de duas décadas e meia sem título. No Recife, milhares de pessoas foram às ruas da Zona Sul para ver a seleção brasileira desfilar em carro aberto. Nem mesmo a vinda do papa João Paulo II à capital, em 1980, teve público tão grande quanto o cortejo da equipe vitoriosa.

Dois meses antes, em maio daquele mesmo ano, um acidente tirou a vida de um dos maiores ídolos do automobilismo mundial, Ayrton Senna, no Grande Prêmio de Ímola, na Itália. 

No Recife, no dia 2 de fevereiro de 1997, a música e a cultura pernambucana perdiam um dos ícones mais emblemáticos do cenário, que transformou as crônicas das cidades de Recife e Olinda em canções. Francisco de Assis França, o Chico Science, promoveu um verdadeiro renascimento na cena cultural do Estado e tinha 30 anos quando finalizava o segundo álbum de Chico Science & Nação Zumbi. Este ano, ele faria 50 anos, mas um acidente de carro, no Memorial Arcoverde, em Olinda, interrompeu os planos do mangueboy.

ED FERREIRA/ESTADÃO CONTEÚDO/AE
O ministro da Fazenda, Rubens Ricupero, e o Presidente da República, Itamar Franco, mostram Real - ED FERREIRA/ESTADÃO CONTEÚDO/AE
Foto: Arquivo Pessoal/Jarbas Vasconcelos
Jarbas Vasconcelos em campanha no ano de 1992, ao lado do secretário João Braga - Foto: Arquivo Pessoal/Jarbas Vasconcelos
Foto: Estadão Conteúdo
Seleção Brasileira de futebol ganhou o tetracampeonato em 1994 e desfilou pelas ruas do Recife - Foto: Estadão Conteúdo
Foto: Arquivo Pessoal/Jarbas Vasconcelos
Jarbas Vasconcelos na campanha municipal de 1992 - Foto: Arquivo Pessoal/Jarbas Vasconcelos
Reprodudção do JC da época
Braga deixou o PMDB e ingressou no PSDB para disputar a prefeitura do Recife - Reprodudção do JC da época
Reprodudção do JC da época
Eleição de Roberto Magalhães em 1996. - Reprodudção do JC da época
Reprodudção do JC da época
Eleição de Roberto Magalhães em 1996. - Reprodudção do JC da época

 

Em meados da década de 1990, quando o “dragão” da inflação ia carcomendo pouco a pouco o bolso dos brasileiros, com índice superior a 2.400% ao ano, o Plano Real foi criado. Em pleno ano eleitoral, o lançamento da nova moeda, em 1º de julho de 1994, foi essencial para livrar o País do fantasma inflacionário. Desde 1986, o Brasil tinha tentado sete planos econômicos diferentes, em uma média de um a cada 14 meses. Tendo ou não vivenciado o período é impossível não ter ouvido histórias da época.

Nas urnas, Luiz Inácio Lula da Silva tentava, pela segunda vez, chegar à Presidência do Brasil, o que só viria a se concretizar oito anos depois, em 2002. À frente da equipe de técnicos que coordenou a elaboração do Plano Real, o ministro Fernando Henrique Cardoso (PSDB) se cacifou para a disputa presidencial, sendo eleito com 54,27% dos votos. Apesar dos ataques ao Plano Real, FHC conseguiu se reeleger para Presidência em 1998. Nesse período, a moeda sofreu diversos revezes, com a elevação de juros e a recessão econômica – tudo para deixar a inflação controlada.

Últimas notícias