opinião

Black Friday evidencia fracasso dos Procons

Nos Estados Unidos, onde surgiu a promoção, multidões invadem lojas por produtos vendidos a 10% (ou menos) do valor original. No Brasil, a frase "tudo pela metade do dobro" resume a enganação ao cidadão. Leia a opinião de Cláudio Humberto

Cláudio Humberto
Cláudio Humberto
Publicado em 22/11/2021 às 6:33
PIXABAY
Black Friday surgiu nos Estados Unidos - FOTO: PIXABAY
Leitura:

Fracasso dos Procons

A propaganda enganosa prevalece na "black friday", instituição norte-americana que o Brasil conseguiu desmoralizar. Nos Estados Unidos, onde surgiu a promoção, multidões invadem lojas por produtos vendidos a 10% (ou menos) do valor original. No Brasil, a frase "tudo pela metade do dobro" resume a enganação ao cidadão. E evidencia a falência dos Procon, que, incapazes de impedir a "black fraude", deveriam ser extintos até para nos poupar do custo que representam. As atividades do Procon se resumem a divulgar dicas abestadas, como "pesquisar preços", e promessas de "fiscalização" sempre insuficiente. Como o consumidor virou gato escaldado, inventaram no Brasil a "ultra friday", "golden friday", "bank friday", "black das blacks" e outros logros. Nos EUA, uma loja que tentasse enganar o consumidor desapareceria do mercado, com a reputação destruída, e o dono devidamente preso. No Brasil, gastam-se fortunas em propaganda enganosa, em vez de investir em ofertas atraentes, consolidando seu espaço no mercado.

Na retomada, desvalorização

A gigante do varejo Magalu está entre as empresas que mais desvalorizaram na bolsa de valores durante 2021, ano marcado pela flexibilização e a volta do comércio físico. A informação da plataforma FinDocs Inteligência Financeira foi vazada pela corretora Modal para clientes. A Magalu, que cresceu muito até 2020, incorporando outras empresas, desvalorizou 64,65%. Mas não apresenta a pior situação. A Enjoei, brechó virtual de sucesso, foi a que mais desvalorizou: 82,54%. O levantamento mostra também desvalorização da imobiliária Viver (-82,47%) e da plataforma de comércio eletrônico Mosaico (-78,41%). A FinDocs aponta ainda, entre as desvalorizadas a Méliuz, plataforma de cash back (69,83%), e a Via, outra gigante do varejo (65,72%). A Magalu está em 6º lugar, entre as que mais desvalorizaram, seguida da imobiliária Gafisa (64,58%) e da operadora de telefonia Oi (63,23%).

Melhor estatal

Registrando recorde de lucros, apesar de haver reduzido juros, a Caixa foi escolhida a melhor entre 378 estatais, incluindo os bancos federais. Pudera. Alem de haver distribuído R$ 1 trilhão em benefícios sociais do governo, só em julho e agosto atendeu 90 milhões de pessoas.

Decepção

O deputado Nilson Leitão (PSDB-MT) diz não acreditar que Alckmin, "político de rara credibilidade", esteja cotado para vice do ex-presidiário Lula. "Seria uma decepção enorme. Geraldo não se sujeitará a isso".

Falta substância

O Conselho de Ética da Câmara deve votar terça (23) a ação contra Ricardo Barros (PP-PR), líder do governo. Ele foi citado por Luis Miranda (DEM-DF), que continua lutando contra o ostracismo.

Útil e agradável

A segurança alimentar foi um dos grandes temas das conversas entre Bolsonaro e autoridades árabes. Segundo o presidente, Barein, Catar e Emirados Árabes chegam a importar 90% do alimento consumido e o Brasil assinou protocolos de intenção para garantir esse mercado.

MPF alega respeito à cultura para não denunciar à Justiça crime hediondo que teve pajé e cacique como mandantes

Frase

Pouca gente sabe quantos leilões o governo realizou de 2019 até aqui. E eu respondo, foram 121" - Ministro Tarcísio Freitas (Infraestrutura) comemora os leilões do governo federal

Caso pensado

A gasolina subiu 21% desde abril, a pretexto da alta do petróleo ou do dólar, mas o etanol, 100% nacional, teve alta de 27% no período. Além de explorar os consumidores, a política de preços da Petrobras impede que o etanol se transforme no combustível preferido dos brasileiros.

 

Comentários

Últimas notícias