COLUNA MOBILIDADE

Estrago das motos só aumenta no trânsito do Brasil. SUS bateu recorde de atendimentos

Dados são de levantamento realizado pela Associação Brasileira de Medicina do Tráfego (Abramet) com base no DataSUS. Custo para a saúde pública é altíssimo

Roberta Soares
Roberta Soares
Publicado em 17/09/2021 às 16:14
Notícia
NE10
Enquanto isso, Pernambuco anistia dívidas de motocicletas de baixa cilindrada - FOTO: NE10
Leitura:

Enquanto Pernambuco anistia dívidas de motocicletas sob o argumento da geração de emprego, os danos provocados pelas motos só aumentam no trânsito brasileiro. Levantamento da Associação Brasileira de Medicina do Tráfego (Abramet) mostra que o Sistema Único de Saúde (SUS) bateu recorde de atendimento às vítimas das duas rodas. De forma geral, o trânsito do Brasil fez mais estragos nesse período, mas foram os motociclistas e passageiros das motos que mais se destacaram.

Não é mais acidente de trânsito. Agora, a definição é outra nas ruas, avenidas e estradas do Brasil

Apesar de a crise sanitária ter retirado grande parte da população das ruas - há sistemas viários que tiveram redução de circulação superior a 60%, como é o caso de corredores do Recife -, o SUS registrou 308 mil internações de pessoas em decorrência de sinistros de trânsito em todo o Brasil entre março de 2020 e julho de 2021. E nada menos que 54%, ou seja, metade das vítimas, eram ocupantes de motocicletas.

Somente no período de janeiro a julho de 2021, o número de internações de motociclistas bateu recorde histórico, alcançando 71.344 casos graves e que exigiram a hospitalização do motociclista. Os dados analisados pela Abramet também revelam um crescimento continuado das internações de motociclistas a partir de 2012. As únicas exceções são o ano de 2017 (quando houve redução de 0,5% em relação ao ano anterior) e 2020 (0,3% a menos que o ano anterior à pandemia). E os homens, como esperado, seguem liderando o perfil das vítimas do SUS: de janeiro a julho de 2021, foram atendidos 59.499 homens e 11.845 mulheres. Em 2020, foram 95.343 e 19.201 respectivamente.

DIVULGAÇÃO
Internações de motociclistas no SUS/Abramet - DIVULGAÇÃO

CUSTO ALTÍSSIMO

Além da perda de vidas e mutilações, os estragos das motos custam caro para a saúde pública. Aliás, caríssimo. Somente entre janeiro e julho de 2021 já foram quase R$ 108 milhões gastos. Em 2020, mesmo com a pandemia, o SUS desembolsou R$ 171 milhões para tratar motociclistas traumatizados. De 2012 até agora, são R$ 1,3 bilhão.

A região Sudeste foi a que registrou maior contingente de motociclistas internados em decorrência de sinistros, com total de 29.218 pessoas – 19% mais que no mesmo período de 2020. Em segundo lugar está a região Nordeste, com 23.370 vítimas – 18% mais que o registrado no primeiro semestre de 2020. Em Pernambuco foram mais de 2 mil motociclistas internados.

CONFIRA OS DETALHES AQUI:

Internações_Motociclistas_SUS_Abramet by Roberta Soares on Scribd

O Centro-Oeste foi a única região brasileira que registrou redução de internação de motociclistas: no primeiro semestre de 2021 foram 5.931 hospitalizações – 5% menos que o registrado no mesmo período de 2020. “Os sinistros de trânsito são a terceira principal causa de morte não natural do País. Em alguns Estados, é a primeira. E no caso das motos, a vulnerabilidade e, consequentemente, o estrago, são maiores. Por isso, conhecer quem são essas vítimas é o primeiro passo para enfrentar o problema. Esse levantamento é uma forma de avançar nesse sentido. Existe uma grande dificuldade de compilação de dados de trânsito. O DataSus, por exemplo, tem um intervalo de um a dois anos”, alerta o presidente da Abramet, Antônio Meira Júnior.

 

DIVULGAÇÃO
Internações de motociclistas no SUS/Abramet - FOTO:DIVULGAÇÃO

Comentários

Últimas notícias