COLUNA MOBILIDADE

Proposta de alargamento da BR-232 na saída do Recife recebe elogios e alertas

Desafio de minimizar os impactos das obras é um dos principais pontos colocados. Uso do concreto nas pistas centrais e de asfalto nas locais também foi elogiado

Roberta Soares
Cadastrado por
Roberta Soares
Publicado em 30/10/2021 às 8:00
FELIPE RIBEIRO/JC IMAGEM
Projeto está orçado em R$ 93 milhões - recursos do Estado -, deverá começar em janeiro de 2022 e durar 12 meses - FOTO: FELIPE RIBEIRO/JC IMAGEM
Leitura:

O projeto de alargamento de quase sete quilômetros da BR-232 na saída do Recife em direção ao interior do Estado, que teve o edital de licitação lançado nesta sexta-feira (29/10) pelo governo de Pernambuco, recebeu elogios e alertas de engenheiros e especialistas em transporte e rodovias. De forma geral, a proposta foi comemorada e elogiada, principalmente pela urgência que a cerca - já que, devido ao alto volume de veículos que circulam no trecho (67 mil veículos/dia), o percurso dos 6,7 km é feito atualmente em uma hora.

FELIPE RIBEIRO/JC IMAGEM
A promessa do Estado é que, com o alargamento da rodovia - que ganhará um faixa em cada sentido -, esse tempo de viagem tenha uma redução de 58%, caindo de 60 minutos para 25 minutos - FELIPE RIBEIRO/JC IMAGEM

A promessa do Estado, inclusive, é que, com o alargamento da rodovia - que ganhará um faixa em cada sentido -, esse tempo de viagem tenha uma redução de 58%, caindo de 60 minutos para 25 minutos. “É uma obra muito importante e necessária para o Recife e a Região Metropolitana. E, ainda mais, para o transporte público. Temos ali 13 linhas de ônibus que transportam 28 mil pessoas diariamente e que perdem muito tempo com as retenções. Esse alargamento é fundamental”, pontua Maurício Pina, professor de engenharia da UFPE e da Unicap, especialista em transporte, rodovias e planejamento.

Pina lembra que, do jeito que está, o trecho da BR-232 entre a bifurcação com a BR-101 e com a BR-408 funciona como um grande gargalo viário. “Por ser a continuidade da Avenida Abdias de Carvalho, a rodovia precisa ser alargada. Analisando por sentido, temos tr~es faixas da Abdias e outras duas da BR-101 que se afunilam em apenas duas da BR-232. Por isso tantas retenções. O alargamento vai resolver essa questão”, pontuou o professor.

Divulgação/Seinfra
Projeto de triplicação (alargamento) da BR-232 na saída do Recife - Divulgação/Seinfra
Divulgação/Seinfra
Projeto de triplicação (alargamento) da BR-232 na saída do Recife - Divulgação/Seinfra
Divulgação/Seinfra
Projeto de triplicação (alargamento) da BR-232 na saída do Recife - Divulgação/Seinfra
Divulgação/Seinfra
Pina lembra que, do jeito que está, o trecho da BR-232 entre a bifurcação com a BR-101 e com a BR-408 funciona como um grande gargalo viário - Divulgação/Seinfra

DESAFIO TEMPORAL

O presidente do Conselho Regional de Engenharia e Agronomia de Pernambuco (Crea-PE), Adriano Lucena, acompanhou a apresentação do projeto de readequação da capacidade viária do trecho da BR-232 na saída do Recife e apontou como principal desafio a questão do impacto que as obras irão trazer para a cidade.

“O grande desafio desse projeto é temporal. Talvez essa obra possa ser feita em até menos tempo do que os 12 meses estipulados pelo Estado, mas é preciso conversar com a futura construtora. Também é fundamental que os trabalhos tenham um ritmo constante e que sejam executados diuturnamente. Não é recomendado que aconteça somente das 8h às 18h, como foi com a restauração da BR-101”, afirmou.

O uso do concreto nas pistas centrais - onde o tráfego é mais pesado - e de asfalto nas locais - que recebem menos peso - também foi elogiado pelo engenheiro civil.

FELIPE RIBEIRO/JC IMAGEM
O alargamento será realizado entre o Km 4,70 (entroncamento com a BR-101), no fim da Avenida Abdias de Carvalho, no início do bairro do Curado, na Zona Oeste do Recife, e o KM 11,50, (entroncamento com a BR-408), na mesma região da capital - FELIPE RIBEIRO/JC IMAGEM

Comentários

Últimas notícias