Opinião

Sem partido desde 2019, Bolsonaro revela estar "namorando" o Patriota

Leia a opinião de Romoaldo de Souza

JC
JC
Publicado em 09/02/2021 às 8:07
Notícia
Luis Macedo/Câmara dos Deputados
Bolsonaro - FOTO: Luis Macedo/Câmara dos Deputados
Leitura:

Com o fracasso na tentativa de criar o Aliança pelo Brasil, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) disse estar “namorando” o Patriota, legenda conservadora, criada nove anos atrás. O presidente ficou sem partido desde 2019, quando brigou com o deputado Luciano Bivar (PE) e deixou o PSL. “O partido que eu estou namorando, não estou noivo ainda, o tal do Patriota, tem 10 segundos de TV, fundo partidário quase inexiste. Não quero recurso para fazer campanha”, afirmou Bolsonaro.

Do jeito como ele comentou o assunto ontem, durante entrevista ao jornalista José Luiz Datena, da TV Bandeirantes, “tem que ser um partido onde eu tenha autoridade”, confirmou o presidente da República.

Mas por que esse tema agora, em meio a um número cada vez maior de pessoas infectadas pela Covid-19, quando a média de mortos ultrapassa mil casos por dia? Porque com Bolsonaro não há prioridade. Não há planejamento. “O homem é de veneta”, como costuma dizer um general que bate continência diariamente para o presidente. “É de Lua”.

O escritor russo León Tolstói (1828 — 1910), em uma de suas mais importantes obras “Guerra e Paz” (1867), escreve que “Os mais fortes de todos os guerreiros são dois tipos: tempo e paciência”. Pelas intempestivas recentes decisões políticas em busca de um partido, Bolsonaro pode apenas “congelar” o Aliança pelo Brasil, se filiar a uma legenda de aluguel, uma espécie de guarda-chuva partidário, para cumprir a legislação eleitoral e, no futuro voltar a coletar as assinaturas que os militantes e apoiadores lhes negaram no momento.

Pense nisso!

Comentários

Últimas notícias