OPINIÃO

Bolsonaro tem recebido a recomendação de não comemorar eleições da Câmara e do Senado

Leia a opinião de Romoaldo de Souza

Romoaldo de Souza
Romoaldo de Souza
Publicado em 29/01/2021 às 8:11
Notícia

FABIO RODRIGUES POZZEBOM/AGÊNCIA BRASIL
O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) - FOTO: FABIO RODRIGUES POZZEBOM/AGÊNCIA BRASIL
Leitura:

Raposas mais espertas na política têm recomendado ao presidente Jair Bolsonaro (sem partido) não soltar foguetes na noite de segunda-feira, ou na madrugada da terça, quando saírem os resultados das disputadas na Câmara dos Deputados e no Senado Federal.

Bolsonaro deve guardar os fogos de artificio primeiro porque soltar fogos é de uma idiotice sem tamanho, principalmente, ali onde mora o presidente, que é uma área ambiental sensível e pode espantar os animais do Cerrado, alguns em extinção.

Mas o motivo mais robusto para que o chefe do [Poder] Executivo não se assanhe nas comemorações, é que o “Centrão”, esse ajuntamento de partidos, é feito um caixeiro viajante, tem muita conversa para a qualidade do produto que entrega.

Em “Cem Anos de Solidão” Gabriel García Márquez (1927 — 2014) conta a história do cigano Melquíades que toda vez que passava na comunidade de Macondo, trazia uma novidade capaz de “revolucionar” o povoado: “[o cigano] fez uma truculenta demonstração pública daquilo que ele mesmo chamava de a oitava maravilha dos sábios alquimistas da Macedônia. Foi de casa em casa arrastando dois lingotes metálicos, e todo o mundo se espantou ao ver que os caldeirões, os tachos, as tenazes e os fogareiros caíam do lugar”. A oitava maravilha de Melquíades não passava de dois ímãs que a todos assustava.

O sábio conselheiro lembra que o “Centrão” é uma espécie de mercador que promete entregar mundos e fundos, mas que na hora das principais votações poderá deixar o presidente Bolsonaro sem um tostão furado para fazer cantar um cego na esquina.

Pense nisso!

MAIS DE ROMOALDO DE SOUZA

Comentários

Últimas notícias