COLUNA JC SAÚDE E BEM-ESTAR

Veja quais cirurgias eletivas já podem ser feitas em Pernambuco

Procedimentos eletivos são aqueles que não são considerados de emergência, como cirurgias estéticas

Cinthya Leite
Cinthya Leite
Publicado em 20/07/2021 às 21:41
Notícia
HANNAH MCKAY/POOL/AFP
Queda de internações por covid-19 leva à retomada de cirurgias eletivas no SUS e na rede privada de Pernambuco - FOTO: HANNAH MCKAY/POOL/AFP
Leitura:

Faz 20 dias que Pernambuco voltou a realizar cirurgias e procedimentos eletivos (aqueles que podem ser adiados e/ou reprogramados sem prejuízo à saúde do paciente), e esse tempo é o suficiente para médicos já perceberem um aumento no volume de intervenções que estavam suspensas desde março deste ano, mês em que se iniciou a segunda onda de covid-19 no Estado. A liberação para as operações teve início no último dia 1º, quando o governo de Pernambuco avançou no plano de convivência, devido à continuidade na queda de casos do coronavírus e de taxa de ocupação de leitos de terapia intensiva (UTI). Antes disso, estavam permitidos apenas os procedimentos com anestesia local, sem necessidade de intubação e internação hospitalar. 

Basicamente uma cirurgia eletiva é aquela planejada com antecedência, diferentemente dos procedimentos feitos em situação de emergência. Ou seja, os eletivos são marcados e, dessa maneira, os pacientes podem ser preparados para a cirurgia apropriadamente. Em alguns casos, são cirurgias que devem ser feita para preservar a vida, mas não precisam ser realizadas imediatamente. 

Confira algumas intervenções cirúrgicas que podem ser consideradas eletivas e estão liberadas em Pernambuco desde 1º de julho:

  • Cirurgias plásticas, como a colocação de implantes de silicone, lipoaspiração, abdominoplastia e rinoplastia
  • Cirurgias dermatológicas
  • Cirurgias cardiovasculares não emergenciais
  • Cirurgias ginecológicas, como histerectomia 
  • Cirurgias oncológicas 
  • Transplantes não emergenciais, como os de córneas e o de rim com doador vivo
  • Cirurgias que ocorrem na coluna vertebral
  • Cirurgias de hérnia abdominal
  • Cirurgia de retirada de vesícula

Cirurgias plásticas 

Entre as especialidades que mais tiveram cirurgias suspensas, está a cirurgia plástica, que somou uma série de cancelamentos de procedimentos não emergenciais de março deste ano até junho. "Foram quase 80 dias sem cirurgias, somados aos 90 dias do ano passado. Na nossa área, de 95% a 98% dos procedimentos, são eletivos, adiáveis, sem pressa para serem realizados. Mas agora, com a queda dos casos de covid, temos retomado as cirurgias. Tenho feito pelo menos uma por dia", diz o cirurgião plástico Pedro Pita.

Ao longo do período de suspensão das cirurgias eletivas, o médico conta que fez apenas de cinco a dez procedimentos em pacientes que foram internados por terem complicado em decorrência do coronavírus e que, após a recuperação da fase aguda da doença, permaneceram com úlcera por pressão (ferida que aparece quando a pessoa fica muito tempo deitada na mesma posição). "Nesses casos, havia uma necessidade médica que não poderia ser adiada. Mas agora, neste momento de retomada, já voltamos a realizar cirurgias plásticas nas mamas e lipoaspiração, entre outras", destaca Pita.

A assistente social Jéssica Alline de Melo e Silva, 32 anos, é uma das pacientes que aguardaram a queda dos indicadores da pandemia no Estado para se submeter a um procedimento cirúrgico. Ela foi operada no último dia 15. "Coloquei uma prótese mamária. Fiz uma consulta no começo do ano e fiz todos os exames. Mas foi preciso aguardar a liberação para fazer a cirurgia com segurança. Aguardei tranquilamente, pois sabia que isso era necessário para evitar o risco de contaminação", relata Jéssica, que já recebeu as duas doses da vacina contra a covid-19. "Minha cirurgia foi bem tranquila. Só passei um dia no hospital. Estou feliz e satisfeita porque fiz um procedimento que queria há muito tempo."

Urológicas 

Na cirurgia urológica, os procedimentos emergenciais e essenciais não foram suspensos. Mas atualmente os cirurgiões dessa especialidade percebem que os blocos cirúrgicos voltaram a ficar lotados. "Há um grande movimento nos hospitais. Por vezes, temos até dificuldade para fazer o internamento imediato e precisamos aguardar liberação", diz o médico urologista Misael Wanderley Junior.

Bariáticas 

Outro tipo de procedimento cuja realização caiu durante a pandemia foram as cirurgias bariátricas, indicada no tratamento da obesidade. Houve uma queda em 70% no número de procedimentos desse tipo realizados pelo Sistema Único de Saúde (SUS) no último ano, segundo a Sociedade Brasileira de Cirurgia Bariátrica e Metabólica (SBCBM). Alguns hospitais, mesmo com a suspensão das eletivas, continuaram a realizar esse tipo de intervenção, já que o Conselho Federal de Medicina (CFM) publicou recomendação que dispõe sobre a continuidade das cirurgias bariátricas e metabólicas eletivas no período da pandemia da covid-19.

"A obesidade é uma doença grave que, por si só, pode agravar os quadros de covid-19, inclusive em pacientes jovens. Então, a bariátrica não deve ser vista como uma cirurgia estética", frisa o presidente da SBCBM/Regional Pernambuco, Guilhermino Nogueira.

O médico destaca ainda que a cirurgia bariátrica foi classificada este mês, pelo Ministério da Saúde, como um dos procedimentos eletivos essenciais e que deverá ser priorizada na saúde pública e suplementar com retomada dos procedimentos em até 12 semanas. A recomendação integra as Diretrizes da Atenção Especializada no Contexto da Pandemia de Covid-19, publicada pela pasta no último dia 7. A inclusão da cirurgia para o tratamento da obesidade no documento veio dos esforços da SBCBM, pois milhares pacientes precisam ser operados devido ao agravamento de comorbidades associadas ao excesso de peso.

Orientações 

Apesar de as cirurgias eletivas terem sido retomadas, o governo de Pernambuco frisa que a realização delas fica condicionada à disponibilidade de leitos, insumos e medicamentos utilizados para intubação dos pacientes na unidade onde será feita a intervenção cirúrgica. "Dessa forma, as unidades devem estabelecer medidas de gestão que possibilitem a organização dos fluxos e garantam a retomada dos serviços assistenciais eletivos de forma gradativa, com cronograma estabelecido adequado ao contexto e a especificidade de cada unidade", informa a Secretaria Estadual de Saúde (SES). Segundo o órgão, não é possível quantificar quantas cirurgias eletivas já foram realizadas desde 1º julho, pois os dados só são consolidados em dois meses no sistema.

A SES ainda acrescenta que, nas unidades que precisarem manter medidas restritivas devido aos atendimentos relacionados à covid-19, os servidores públicos poderão ser mantidos em outras atividades no âmbito da assistência hospitalar ou teletrabalho. 

Comentários

Últimas notícias