REPATRIAÇÃO

Pernambucanos vindos de Portugal em voo da TAP-CVC não passarão por triagem da Anvisa para coronavírus

Agência Nacional de Vigilância Sanitária diz que segue protocolo padrão: órgão só entra em ação se tripulação identificar passageiro com sintomas suspeitos

Mona Lisa Dourado
Mona Lisa Dourado
Publicado em 24/03/2020 às 20:14
Notícia
DIVULGAÇÃO
Aeroporto do Recife registra filas de passageiros obrigados a remarcar passagens. Companhias aéreas foram notificadas por falta de apoio aos clientes - FOTO: DIVULGAÇÃO
Leitura:

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) não montará nenhum procedimento especial para receber os quase 300 passageiros que aterrissam logo mais às 21h30 no Aeroporto Internacional do Recife vindos de Lisboa em avião da companhia aérea portuguesa TAP fretado pela operadora de turismo CVC.

>> Com 46 mortes, Brasil passa dos dois mil casos confirmados de coronavírus

>> Pernambuco tem cinco pessoas curadas do novo coronavírus

>> Governo de Pernambuco proíbe aglomeração em ônibus e terminais por conta do coronavírus

>> Veja quais são os bairros do Recife com maior índice de isolamento social no combate ao coronavírus

De acordo com a assessoria de imprensa da entidade, será seguido o protocolo padrão que tem sido adotado em todo o País tanto para voos domésticos quanto internacionais.

Ou seja, não haverá nenhuma barreira sanitária ou de inspeção específica, apesar de Portugal ter oficialmente 2.362 casos confirmados de infecção pelo novo coronavírus e 33 mortes causadas pela covid-19 até a noite desta terça-feira (24).

Somente se a tripulação identifica algum passageiro com sintomas é que se faz uma triagem. “A torre de controle é avisada e a Anvisa é, então, acionada para entrar no avião com uma equipe médica que irá avaliar o caso e encaminhar o suspeito para o hospital de referência. A partir daí, a responsabilidade é da Secretaria de Saúde local, que também passa a monitorar os acompanhantes e demais passageiros localizados nas duas fileiras de poltronas à frente, atrás e ao lado de onde o passageiro suspeito estava sentado”, explica a assessoria.

O órgão alega que segue padrões internacionais, inclusive os definidos pela Organização Mundial de Saúde, e que “não há indicação, por exemplo, de fazer qualquer tipo de controle de temperatura nos viajantes”. “Este procedimento é pouco efetivo para a detecção de casos, tendo em vista as particularidades da doença e de cada pessoa", pontua.

A Secretaria de Saúde do Estado também foi acionada, mas disse que o controle sanitário aeroportuário não era de competência do órgão e que, portanto, não iria se pronunciar sobre o voo vindo de Portugal.

Comentários

Últimas notícias