ARQUIPÉLAGO

Coronavírus deve acelerar mudanças na vida e no turismo de Fernando de Noronha

Pandemia da covid-19 expõe problemas de infraestrutura, informalidade e falhas no controle migratório, que prejudicam moradores e empresas

Mona Lisa Dourado
Mona Lisa Dourado
Publicado em 17/04/2020 às 8:00
Notícia
HEUDES REGIS/ACERVO JC IMAGEM
Fernando de Noronha ficará em quarentena entre 20 e 30 de abril - FOTO: HEUDES REGIS/ACERVO JC IMAGEM
Leitura:

POR MONA LISA DOURADO, DA COLUNA TURISMO DE VALOR

Com o aeroporto fechado desde o dia 21 de março, quase sem dinheiro circulando e longe do glamour estampado em redes sociais de gente famosa, Fernando de Noronha expõe neste período de pandemia as dificuldades do distanciamento social para quem já vive isolado pela geografia. No arquipélago, que já contabiliza 24 casos de covid-19 confirmados, as praias estão interditadas, quem tem parentes em outros lugares foi embora e os 3.500 moradores que ficaram se recolheram às suas residências. Na quinta-feira (16), o governo de Pernambuco endureceu as medidas, decretando quarentena entre 20 e 30 de abril, quando só será possível sair de casa para aquisição de itens essenciais e atendimento médico.

A 545 km do Recife e protegida por uma rigorosa legislação ambiental, a ilha tem no turismo a única atividade econômica viável, da qual dependem 95% da população.

>> Recife terá voos para 11 destinos nacionais em maio, entre eles uma frequência para Noronha

ALEXANDRE GONDIM/JC IMAGEM
Atividades turísticas no Porto de Santo Antônio estão proibidas - ALEXANDRE GONDIM/JC IMAGEM

Em tempos "normais", a receita gira em torno de R$ 42 milhões - sendo R$ 36 milhões vindos da Taxa de Preservação Ambiental e R$ 6 milhões, do Imposto sobre Serviços (ISS). Agora, à parte o comércio essencial de mercadinhos, quitandas e farmácias, resta quase nada.

>> Aeroporto de Fernando de Noronha será fechado para turistas após caso suspeito na ilha

>> Sustentabilidade é o desafio do turismo em Fernando de Noronha

>> Trabalhador do turismo reflete imagem da desolação causada por coronavírus

>> Governo Bolsonaro demonstra falta de diálogo em anúncio sobre Fernando de Noronha


É quando vem à tona a falta de quase tudo: faltam abastecimento de água e saneamento apropriados, falta segurança alimentar independente do que chega do continente, faltam moradias com condições dignas para boa parte dos ilhéus. Falta o turismo de um dos destinos mais famosos do Estado proporcionar mais qualidade de vida e desenvolvimento socioeconômico para quem faz com que ele aconteça desde a base da cadeia produtiva.

CORTESIA
Solidariedade toma conta da ilha em tempos de pandemia - CORTESIA

Que o diga a recepcionista Benilza do Nascimento, 40 anos. Ela está na ilha desde 1996, quando chegou para trabalhar como camareira. Em 2012, casou-se com um nativo, o motorista José João do Nascimento, que dirige um táxi arrendado. Até hoje, ambos ainda não conseguiram casa própria. Vivem em um quarto alugado no bairro de Floresta Velha, cujo aluguel custa R$ 1.700 por mês. "Essa é minha maior preocupação no momento. Como vou conseguir pagar, porque antes a gente fazia outras atividades para conseguir dinheiro extra", angustia-se Benilza, que teve o contrato de trabalho suspenso. "Meu salário será o que o governo vai pagar, o valor do seguro-desemprego, muito pouco", ressalta, dizendo-se ainda privilegiada por ter renda fixa. "Muita gente está mesmo sem nada, porque é difícil ter reserva financeira quando você trabalha para sobreviver", vaticina.

CORTESIA
Benilza do Nascimento, 40, teve o contrato de trabalho suspenso e não sabe como vai conseguir pagar o aluguel - CORTESIA

Uma das infectadas pelo novo coronavírus na ilha, a vendedora Jandcleia Silva, 25, também revela insegurança quanto ao futuro. "Preocupa, porque não sabemos o que vai acontecer. É viver um dia atrás do outro", diz Jandcleia, que divide a casa onde mora, na Vila do Trinta, com o marido, o condutor de turismo Kelves Silva, 28, além de outros sete adultos e duas crianças da família, todos postos em quarentena. Ela acredita que pegou o novo coronavírus através do contato com turistas na loja onde trabalha, no aeroporto. Os primeiros sintomas - "como uma gripe muito forte, com enxaqueca e vômito" - começaram no dia 24 de março e agora Jandcleia espera o resultado do exame para saber se está curada. "Não me desesperei, porque tínhamos alguma provisão de comida e recebemos apoio, mas o problema é daqui pra frente. A loja colocou os empregados de férias, mas meu marido e os outros parentes estão sem renda", conta.

CORTESIA
Jandcleia Silva , 25, é uma das infectadas na ilha. Família está de quarentena - CORTESIA

SOLIDARIEDADE REACENDE ESPERANÇA EM NORONHA

Tanto Benilza quanto Jandcleia destacam que a corrente de solidariedade formada em Fernando de Noronha são o principal alento nestes tempos difíceis.

>> ONG de Porto de Galinhas distribui 10 toneladas de alimentos para trabalhadores do turismo sem renda por causa do coronavírus

Em cerca de 10 mercados da ilha, montaram-se mesas solidárias, nas quais as pessoas depositam o que têm em excesso e retiram o que precisam. "Quem pesca está compartilhando os peixes, quem planta divide as hortaliças, o Núcleo de empresários do trade doou alimentos e materiais de limpeza, fazemos 'vaquinha' para remédios e a Casa Neuronha comprou dois mil garrafões de água", resume Pedrinho Noronha, como é conhecido o concierge autônomo nativo da ilha e um dos responsáveis por mapear quem necessita de ajuda. Estima-se que haja 900 famílias na ilha nessa condição.

CORTESIA
Comunidade se ajuda pela sobrevivência de todos - CORTESIA

Na terça-feira (14), a Administração de Fernando de Noronha também iniciou a distribuição de 525 das duas mil cestas básicas adquiridas pelo Estado. "Cada cesta tem 30 quilos, com 46 itens, que servem a uma família de cinco pessoas por 40 dias", diz o administrador, Guilherme Rocha. Entre os produtos, estão macarrão, arroz, feijão, bolachas, mortadelas, água mineral, carne, leite e café. Na próxima semana, será fornecido, ainda, um vale-gás e água mineral no valor de R$ 200.

SEGURANÇA ALIMENTAR

A pandemia e a consequente falta de renda acabaram por acelerar outro projeto que prevê a segurança alimentar dos ilhéus de forma sustentável. Trata-se de uma parceria com o Instituto Agronômico de Pernambuco (IPA) para estimular a agricultura familiar. Três técnicos desembarcaram no arquipélago no último sábado (11) para iniciar os trabalhos da cooperação técnica firmada em dezembro. O objetivo é que os moradores produzam os próprios alimentos com um custo mais baixo, reduzindo o risco de desabastecimento.

Foto: Roberto Soares /Alepe
Guilherme Rocha diz que Estado já iniciou distribuição de cestas e iniciará programa de agricultura familiar - Foto: Roberto Soares /Alepe

Inicialmente, os profissionais do IPA vão analisar as possibilidades de cultivo para elaborar um plano de ação. Na fase seguinte, será feita a distribuição de sementes e mudas. Guilherme Rocha conta que a administração vai investir R$ 15 mil para comprar uma parte dos insumos "com mais celeridade nessa primeira etapa". Em paralelo, está previsto o cadastro dos interessados através da Assistência Social do arquipélago. "Lançamos na segunda (13) e pretendemos dar uma publicidade maior nisso. Vamos disparar por SMS para todos os moradores da ilha", revela. Segundo o administrador, mesmo quem não tiver espaço para plantio, poderá usar áreas públicas, como a da Associação Noronha Terra.

E OS NEGÓCIOS?

Para a presidente do Conselho de Turismo (Contur) de Noronha e proprietária de uma pousada na ilha, Dora Martins, todas as medidas são relevantes, mas ainda insuficientes para atenuar os prejuízos trazidos pela pandemia. Segundo Dora, a maioria dos trabalhadores da ilha é autônoma ou informal. A administração não soube informar quantos profissionais têm carteira assinada em Noronha. Já as pousadas e hotéis tiveram que arcar com perdas decorrentes de cancelamentos e da paralisação da atividade.

Para quem trabalha, o auxílio de R$ 600 minimiza, mas é pouco. Os pequenos empresários também precisam de linhas de crédito com juros baixos, que não está fácil de conseguir, e da liberação do ISS
Dora Martins

Ela lembra que os pleitos já foram levados ao governo de Pernambuco, mas permanecem sem resposta.

Via nota encaminhada pela assessoria de Imprensa, o secretário estadual de Turismo, Rodrigo Novaes, afirma à Coluna que a solicitação foi encaminhada ao secretário da Fazenda. "Aguardamos as medidas que podem ser tomadas, dentro da realidade atual do Estado."

>> Empetur e Setur lançam serviço de orientação via Whatsapp para empresários e profissionais de turismo afetados pelo coronavírus

>> Empresas de turismo e cultura não serão obrigadas a reembolsar consumidor por cancelamentos causados pelo coronavírus

>> Prorrogação do pagamento de ISS é bem-vinda, mas ajuda pouco o turismo do Recife a atravessar crise do coronavírus

Presidente da Associação de Condutores de Visitantes em Noronha e dono de uma pousada que costumava contar com 85% de ocupação, Ailton Flor acredita que o cenário de agora demonstra a necessidade de maior planejamento na ilha. "Precisamos seguir um plano diretor que nos respalde em situações de crise", sugere.

CORTESIA
Ailton Flor destaca necessidade de maior planejamento e de seguir um plano diretor - CORTESIA

OPORTUNIDADE DE MUDAR

Há quem defenda que o momento será propício a mudanças ainda mais profundas em Fernando de Noronha.

Vivemos em um pedaço de terra no meio do mar em que infelizmente não há serviços básicos adequados para quantidade de pessoas, muitas irregulares, que não trabalham nem são ilhéus. O abastecimento e o sistema sanitário não comportam
Fabiana Falcão de Sanctis, diretora comercial do Dolphin Hotel Noronha

Com a necessidade de evacuar a ilha, Fabiana destaca que a pandemia fez o controle migratório funcionar como há muito tempo não se via. "Esperamos que continue depois também. Se não controlarmos a quantidade de pessoas ao mesmo tempo na ilha, corremos o risco de nos tornar qualquer outro destino, com capacidade maior do que comporta e danos à natureza, que é o nosso maior bem", sentencia.

Independentemente do modelo adotado na ilha, na conjuntura atual, o turismo não poderá dar resposta para as demandas que se apresentam. É o que pondera o professor do Departamento de Hotelaria e Turismo e do Programa de Pós Graduação em Desenvolvimento e Meio Ambiente (Prodema) da UFPE, Itamar Cordeiro. "O covid-19 afetou a atividade em todo o mundo. Destinos de turismo de base comunitária estão sofrendo tanto quanto destinos de massa. Só resta ao governo estadual e federal viabilizarem os meios para apoiar economicamente os pequenos empreendedores (como guias, bugueiros, pousadeiros, pequenos negócios de alimentação, barqueiros, empresas de mergulho, etc.) para que eles possam atravessar esse momento delicado", analisa.

CORTESIA
Para o professor Itamar Cordeiro, governos precisam apoiar economicamente os pequenos empreendedores - CORTESIA

O administrador da ilha, Guilherme Rocha, admite que é imperativa "uma infraestrutura adequada à disposição dos moradores". "Não podemos ter um modelo onde reina a informalidade e que afeta a oferta de água, energia e esgotamento sanitário. Esse turismo assoberbado que vinha sendo praticado termina prejudicando os próprios ilhéus. Está na hora de refletir e de corrigir isso, com uma fiscalização maior da informalidade, de irregularidades e um controle migratório mais rigoroso", diz, sem detalhar como as melhorias serão implementadas.

Em 2019, o número total de visitantes em Fernando de Noronha foi de 106.130, dos quais 9.162 foram estrangeiros (9,06%), em sua maioria (47%) vindos da Europa e América do Sul (32%). Entre os 95.918 (90,38%) de turistas nacionais, 45% vêm do Sudeste e 34% do Nordeste. Já o tempo de permanência média costuma ser de cinco dias. Os dados são do governo do Estado, contabilizados a partir do Controle Migratório do Aeroporto Governador Carlos Wilson Campos.

COVID-19 EM NORONHA

De acordo com boletim do governo do Estado, Fernando de Noronha tem 24 casos confirmados de coronavírus, com um paciente recuperado e nenhum em estado grave. Os outros 23 ainda infectados são 15 homens e 8 mulheres, com idades entre 25 e 59 anos. Todos permanecem em isolamento domiciliar.

Foto: Alexandre Gondim/JC Imagem
População e trade pedem melhorias na infraestrutura e no modelo de turismo da ilha - Foto: Alexandre Gondim/JC Imagem

Por causa da dificuldade de acesso e da limitação de recursos de saúde existentes no arquipélago, o governo do Estado decidiu decretar quarentena em Noronha e enviará uma equipe com seis sanitaristas, com o apoio do Ministério da Saúde, para um estudo epidemiológico completo na ilha.

Moradora de Noronha há dois anos e meio, a jornalista Karla Oliveira, que trabalha como atendente no aeroporto, acredita que a população de Noronha já vinha cumprindo o distanciamento social de maneira exemplar. "Nunca vi a ilha tão vazia. A maioria só sai para supermercado e farmácia", atesta Karla, que passou a trabalhar apenas uma vez por semana, quando chega o único voo da Azul ainda em operação na ilha para atividades essenciais.  

Como medida preventiva, também esta sendo montado um hospital de campanha na Escola Arquipélago, com seis leitos para atender possíveis casos de covid-19 que necessitem de isolamento. Atualmente, são 12 leitos no hospital local, com duas salas vermelhas (semi-intensivas). Conforme o protocolo, em casos graves é acionada a transferência por UTI aérea para o continente. "Um avião fica de prontidão para Noronha", informa Guilherme Rocha. Na última remoção, de uma paciente com princípio de infarto na terça-feira (14), diz ele, a solicitação foi feita às 10h e o avião chegou às 15h.

Segundo Dora Martins, desde a semana passada, o Contur promove uma campanha para que o Estado teste a população inteira da ilha para identificar e controlar os casos de contaminação pelo novo coronavírus.

HEUDES REGIS/ACERVO JC IMAGEM
Desde 21 de março está proibida entrada na ilha. Só há um voo semanal de transporte de carga e profissionais autorizados - HEUDES REGIS/ACERVO JC IMAGEM

A proibição do acesso às praias continua, mas as atividades de pesca artesanal e profissional estão liberadas.
Desde o domingo (5/4), está proibido também o desembarque de moradores no aeroporto por um período de 15 dias.

Continuam suspensas, ainda, as atividades turísticas e passeios de barco no Porto de Santo Antônio, que segue um rigoroso protocolo de vigilância de saúde na chegada dos barcos de cabotagem, para a investigação epidemiológica dos tripulantes.

LEIA MAIS CONTEÚDO DA COLUNA TURISMO DE VALOR

HEUDES REGIS/ACERVO JC IMAGEM
Desde 21 de março está proibida entrada na ilha. Só há um voo semanal de transporte de carga e profissionais autorizados - FOTO:HEUDES REGIS/ACERVO JC IMAGEM
ALEXANDRE GONDIM/JC IMAGEM
Atividades turísticas no Porto de Santo Antônio estão proibidas - FOTO:ALEXANDRE GONDIM/JC IMAGEM
CORTESIA
Solidariedade toma conta da ilha em tempos de pandemia - FOTO:CORTESIA
CORTESIA
Moradores recebem doação de água e alimentos - FOTO:CORTESIA
CORTESIA
Ailton Flor destaca necessidade de maior planejamento e de seguir um plano diretor - FOTO:CORTESIA
CORTESIA
Benilza do Nascimento, 40, teve o contrato de trabalho suspenso e não sabe como vai conseguir pagar o aluguel - FOTO:CORTESIA
CORTESIA
Jandcleia Silva , 25, é uma das infectadas na ilha. Família está de quarentena - FOTO:CORTESIA
CORTESIA
Pescados, hortaliças e itens básicos estão no pacote de doações - FOTO:CORTESIA
CORTESIA
Comunidade se ajuda pela sobrevivência de todos - FOTO:CORTESIA
CORTESIA
Pedrinho Noronha é uma dos responsáveis por mapear famílias em dificuldades - FOTO:CORTESIA
CORTESIA
Para o professor Itamar Cordeiro, governos precisam apoiar economicamente os pequenos empreendedores - FOTO:CORTESIA

O jornalismo profissional precisa do seu suporte.

Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Comentários

Últimas notícias