Música

Simone e Simaria levam sofrência para dentro de casa em novo álbum

Primeira parte do DVD 'Debaixo do Meu Telhado' foi lançado nesta sexta-feira (27) nas plataformas digitais

Robson Gomes
Robson Gomes
Publicado em 27/11/2020 às 19:30
Notícia
UNIVERSAL MUSIC/DIVULGAÇÃO
INTIMIDADE.A dupla Simone & Simaria lança o EP Debaixo do Meu Telhado, gravado na casa de Simone - FOTO: UNIVERSAL MUSIC/DIVULGAÇÃO
Leitura:

O que há "debaixo do telhado" da dupla Simone & Simaria? A pergunta pode ser respondida em forma de música desde esta sexta-feira (27), quando as "Coleguinhas" lançaram nas plataformas digitais a primeira parte do projeto audiovisual Debaixo do Meu Telhado (Universal Music, 2020). O EP traz quatro faixas inéditas e participações especiais de Bruno & Marrone e o cantor Dilsinho.

>> Simone e Simaria reabrem 'Bar das Coleguinhas' em live

>> Pernambucano no 'The Voice Kids' é 'carregado' por Simone e Simaria

>> Dilsinho lança CD e DVD ao vivo 'Open House', gravado no Recife

As irmãs reuniram a imprensa no dia anterior ao lançamento para conversar remotamente sobre este novo trabalho, que foi gravado na casa de Simone localizada em Alphaville, na Grande São Paulo, com direção de Anselmo Troncoso. Com a espontaneidade que é característico das baianas, a anfitriã da residência - que, inclusive, está grávida pela segunda vez - brincou sobre o projeto: "Esse projeto é mais um daqueles que a Simaria diz: 'Vamos gravar um DVD amanhã', do nada. [...] Mas foi uma experiência muito bacana. É claro que dá uma certa preocupação em fazer algo corrido, e principalmente, encontrar músicas legais assim em cima da hora como foi. Mas eu acredito que Deus tem sempre algo especial esperando por nós e nesse DVD não foi diferente. Acho que muita gente vai se identificar com esse projeto novo".

Simaria Mendes, que assina a produção musical do disco junto com Hudson Hostins e Rafinha RSQ, define a sonoridade do álbum, que foi gerado em apenas 15 dias: "Nós fizemos uma coisa mais ou menos numa pegada Bar das Coleguinhas, seguindo numa linhagem do que está rolando agora, com os piseiros misturados com sertanejo. A essência da dupla é a mesma, mas não dá para deixar de acompanhar a atualidade. Então é uma coisa bem popular, bem povão, que o público gosta de ouvir".

O single escolhido para divulgar o Debaixo do Meu Telhado é a divertida Foi Pá Pum, escrita por Daniel Caon e Juan Marcus. "Foi Pá Pum, por exemplo, é uma música que começa mais romântica, mas a história é forte, e no refrão vem a batida do sertanejo derrubando tudo, super suingada. Boa para dançar, dá para fazer coreografia... É o máximo!", comenta Simaria.

Apesar de ter um trabalho gravado ao vivo e pronto para ser lançado - o Bar das Coleguinhas 2, que fica para 2021 junto com uma nova turnê, se o fim da pandemia permitir - este novo compacto de Simone & Simaria mantém a temperatura do que é essa dupla nos palcos: com bastante sofrência e descontração nas letras e interpretação. "Eu acho que se fóssemos iguais, dificilmente daria certo. Mas pelo fato de cada uma ter a sua essência, acabamos nos encaixando como tampa e panela. Por isso estamos aí há mais de 28 anos cantando juntas", define Simone Mendes. A segunda parte de Debaixo do Meu Telhado, com mais quatro faixas inéditas e a participação do cantor Tierry, está previsto para janeiro.

DEBAIXO DA PANDEMIA

Nesta mesma coletiva, Simaria comentou que este novo projeto das Coleguinhas surgiu após os planos iniciais terem se modificado por conta da pandemia. “No começo, a gente tinha um projeto mais voltado para os sertanejos antigos, onde eles cantariam um sucesso e uma inédita. Mas as coisas foram andando para outro rumo, e eu tinha dificuldades para falar com alguns artistas”, diz a cantora, que completa: “Ali percebemos que Deus tinha outro projeto. E foi muito por conta da pandemia, porque alguns artistas preferiram ficar mais reclusos, não queriam se locomover. Mas deu tudo certo [com os novos convidados], a galera foi maravilhosa, e tudo foi feito com muito amor e carinho”.

Todavia, no aspecto pessoal, Simaria confessa que encontrou um lado bom dessa situação que ainda parece longe de terminar. “Eu nunca tive tempo para os meus filhos. Essa pandemia, para mim, foi uma benção do céu, entre aspas. Porque por um lado está sendo muito sofrido para todos nós, inclusive nós duas, para a nossa equipe, não está fácil para ninguém. Mas por outro lado, que nunca tivemos tempo de cuidar dos nossos filhos, é outra coisa. Estou sentindo prazer de pentear a minha filha. E isso é mágico, é incrível! Tão maravilhoso ver meus filhos grudados comigo... Estou até com medo porque quando voltarmos a viajar, vou sofrer muito”, desabafou a artista.

Comentários

Últimas notícias