Música

Anavitória convoca Rita Lee e Lenine para o álbum 'COR'

Quarto disco de estúdio de Ana Caetano e Vitória Falcão demonstra um dos trabalhos mais maduros e consistentes do duo

Robson Gomes
Robson Gomes
Publicado em 05/01/2021 às 19:08
UNIVERSAL MUSIC/DIVULGAÇÃO
Vitória Falcão e Ana Caetano formam o duo que lançou 1º EP em 2015 - FOTO: UNIVERSAL MUSIC/DIVULGAÇÃO
Leitura:

Os primeiros minutos de 2021 começaram com novidades para os fãs de Ana Caetano e Vitória Falcão, as cantoras e compositoras que formam o duo Anavitória. No dia 1 de janeiro, as jovens artistas lançaram nas plataformas digitais o disco COR (Universal Music, 2021), o quarto álbum de estúdio da dupla.

>> Anavitória homenageia Nando Reis na medida certa com o disco 'N'

>> 'O Tempo é Agora' e a discreta evolução do Anavitória

>> Sandy vive catarse da pandemia no EP '10:39'

Com 14 faixas, o trabalho - que também tem desdobramento audiovisual no canal do YouTube das artistas - tem a produção musical de Ana Caetano e Tó Brandileone, repetindo a parceria que produziu o disco anterior N (Universal Music, 2019), que homenageou o repertório de Nando Reis.

COR apresenta seu "canto de chegada" com Amarelo, Azul e Branco. A faixa autoral ritmada de Ana e Vitória ainda traz a cantora Rita Lee recitando uma poesia ao longo da canção.

Te Amar É Massa Demais vem logo em seguida. A composição romântica de Ana Caetano ganha um arranjo mais baiano, com batidas bem próximas do ijexá. "Se for pra descobrir o mistério das coisas, que seja com você", diz um trecho da letra.

O ápice do disco chega na quarta faixa. Explodir, composta por Ana Caetano, repete uma fórmula bem certeira do Anavitória: uma balada romântica que começa ao violão, cresce com vozes docemente harmoniosas, traz uma ponte que ganha mais instrumentos e evolui para explodir, tal como o título. Sem dúvida, a melhor canção do álbum.

CONSISTÊNCIA

A graciosa Cigarra vem logo em seguida. A letra e arranjo solares trazem uma bonita alegoria sobre alguém que vive da música. Universo esse que se repete em Eu Sei Quem É Você, que, no contraponto, é uma balada triste, de decepção. A letra ilustra alguém que seria amado pelo público, mas que por trás, se revela uma pessoa fria. “É triste ver o povo te aplaudir, mas você nem se conhece”, diz um dos versos. Mas este é outro ponto alto de COR.

Uma certa dependência do outro numa relação é a temática de faixas como Abril e Te Procuro, mas o destaque maior é nesta última, que tem um arranjo calmo e vocais mais harmônicos. 

O disco se encerra com a envolvente Lisboa, que traz o pernambucano Lenine como participação especial. Nesta canção, as vozes dos três artistas se encontram organicamente, num arranjo calmo e sedutor. Ao fim do álbum de 48 minutos, a conclusão que se tira é de que acabamos de ouvir um dos trabalhos mais bem elaborados e consistentes do Anavitória.

Comentários

Últimas notícias