Iphan

Frevo pode perder o título de Patrimônio Cultural do Brasil; saiba como ajudar a evitar que isso aconteça

Manifestação cultural pernambucana vai passar por um processo de revalidação deste título. O Iphan está realizando uma consulta pública sobre o tema e qualquer cidadão pode participar

Renata Monteiro
Renata Monteiro
Publicado em 24/05/2021 às 15:12
Notícia
Foto: Guga Matos / Acervo JC Imagem
Praticado, originalmente, por bandas militares, escravizados recém-libertos, capoeiras e a nova classe operária do Recife do começo do século XX, o Frevo foi registrado como Patrimônio Cultural do Brasil em 2007 - FOTO: Foto: Guga Matos / Acervo JC Imagem
Leitura:

Atualizada às 17h18 do dia 26 de maio de 2021

Patrimônio Cultural do Brasil, o frevo vai passar por um processo de revalidação desse título. Segundo o Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), a população pernambucana tem até o dia 13 de junho de 2021 para se manifestar sobre essa revisão. Quem tiver interesse em participar da consulta pública pode fazer isso através de formulário digital, e-mail ou por via postal.

Conforme o Iphan, a destituição do título de Patrimônio Cultural "só acontecerá, em uma hipótese remota, se os próprios detentores assim desejarem". O instituto ressaltou que esses são convocados a participar de todas as etapas do processo e são envolvidos na elaboração do Parecer de Reavaliação.

Inicialmente, o Iphan havia afirmado que, "caso a revalidação seja negada, será mantido apenas o registro da manifestação como referência cultural do seu tempo". No entanto, nesta quarta-feira (26), enviou nova nota afirmando que, "apesar de estar previsto em lei, não há indicativo de que o Frevo perca o título de Patrimônio Cultural do Brasil", destacando que esse não é o objetivo do processo de revalidação.

>> Coletânea 'O Ano Que Não Teve Carnaval': uma nova forma de ouvir frevo

>> Dia do Frevo é comemorado com exposição e atividades online em museu

>> Paço do Frevo terá projeto para incentivar empreendedorismo jovem na área de economia criativa

>> Wilton de Souza embelezou o frevo com capa criadas para a Rozenblit

"O processo de revalidação do Frevo como Patrimônio Cultural do Brasil tem o objetivo de avaliar as mudanças pelas quais esse bem passou nos últimos dez anos e os impactos gerados pelas políticas de salvaguarda. A revalidação busca também mapear informações para elaborar ações futuras de proteção e valorização desse patrimônio imaterial. Assim, é feito um diagnóstico de seus processos de produção, reprodução e transmissão no contexto social, tendo em vista sua continuidade como referência cultural para seus detentores", ressalta o instituto.

O Iphan explica, ainda, que a revalidação de um bem cultural registrado pelo instituto é feita pelo menos a cada dez anos, de acordo com a legislação em vigor. O Frevo foi registrado como Patrimônio Cultural do Brasil em 2007 e, portanto, deveria ter passado pelo processo de análise da revalidação em 2017. 

A consulta pública está aberta desde o dia 14 de maio, quando os extratos de pareceres técnicos foram publicados no Diário Oficial da União (DOU). Qualquer pessoa pode opinar sobre o tema, por meio de formulário digital, via postal ou e-mail, até o dia 13 de junho.

Para participar, basta encaminhar um e-mail para dpi@iphan.gov.br ou correspondência com a proposta para o Departamento de Patrimônio Imaterial - Diretor - SEPS Quadra 713/913, Bloco D, 4º andar - Asa Sul -Brasília - Distrito Federal - CEP: 70.390-135. Também é possível mandar sua manifestação preenchendo um formulário digital disponível neste link.

Além do frevo, o Círio de Nazaré, do Pará, e a Cachoeira de Iauaretê, do Amazonas, vão passar pelo mesmo processo de reavaliação. 

O FREVO

Conforme informações publicadas pelo Iphan, o frevo tem origem em fins do século XIX e é expressão musical, coreográfica e poética que frutificou em Recife e Olinda, ambas em Pernambuco, reunindo riqueza melódica e criatividade oriundas de outros gêneros. Praticado, originalmente, por bandas militares, escravizados recém-libertos, capoeiras e a nova classe operária do Recife do começo do século XX, o frevo foi registrado como Patrimônio Cultural do Brasil em 2007. A manifestação também foi incluída na lista Representativa do Patrimônio Cultural Imaterial da Humanidade pela Unesco.

Confira a nota do Iphan na íntegra:

O processo de revalidação do Frevo como Patrimônio Cultural do Brasil tem o objetivo de avaliar as mudanças pelas quais esse bem passou nos últimos dez anos e os impactos gerados pelas políticas de salvaguarda. A revalidação busca também mapear informações para elaborar ações futuras de proteção e valorização desse patrimônio imaterial. Assim, é feito um diagnóstico de seus processos de produção, reprodução e transmissão no contexto social, tendo em vista sua continuidade como referência cultural para seus detentores.

A revalidação de bens culturais é realizada a cada dez anos, e segue o estabelecido no Decreto nº 3.551/2000, que institui esse instrumento de proteção. Apesar de estar previsto em lei, não há indicativo de que o Frevo perca o título de Patrimônio Cultural do Brasil. O Frevo foi registrado como Patrimônio Cultural do Brasil em 2007 e, portanto, deveria ter passado pelo processo de análise da revalidação em 2017. O atual processo de revalidação segue o disposto na Resolução nº 05, de 05 de julho de 2019. O Iphan reforça seu compromisso com a salvaguarda do Patrimônio Cultural brasileiro, buscando superar o passivo de bens que não passaram pelo devido processo, que totalizam 21.

Os processos de revalidação não têm o objetivo de destituir o título de Patrimônio Cultural do Brasil de um bem registrado pelo Iphan. Isso só acontecerá, em uma hipótese remota, se os próprios detentores assim desejarem. Em relação ao Frevo, não há nenhum indício de que isso venha a acontecer. Os detentores são convocados a participar de todas as etapas do processo de revalidação e são envolvidos na elaboração do Parecer de Reavaliação, que fica disponível por 30 dias para que os detentores e toda a população possam se manifestar.

O processo de revalidação tem o objetivo principal de atualizar informações sobre os bens titulados, identificando transformações e permanências, a fim de qualificar a gestão do bem, uma década após o seu registro. Os detentores são mobilizados em todas as etapas do processo e colaboram com informações na redação do Parecer de Reavaliação.

Dessa forma, em 14 de maio de 2021 foi aberto o prazo de 30 dias para que a população possa de manifestar sobre a revalidação do Frevo e de outros bens culturais. Qualquer pessoa pode opinar sobre o tema, por meio de formulário digital, via postal ou e-mail, até o dia 13 de junho.

Após esse período, as manifestações enviadas pela sociedade serão avaliadas pelo Conselho Consultivo do Patrimônio Cultural, que delibera sobre a revalidação dos títulos de Patrimônio Cultural do Brasil dos bens registrados.

Reiteramos o nosso pedido de participação de toda a população para que se manifeste acerca da revalidação desse importante patrimônio cultural brasileiro, por meio do correio eletrônico dpi@iphan.gov.br ou via correspondência, enviando propostas para o Departamento de Patrimônio Imaterial - Diretor - SEPS Quadra 713/913, Bloco D, 4º andar - Asa Sul -Brasília - Distrito Federal - CEP: 70.390-135.

Comentários

Últimas notícias