Streaming

'Sex/Life': Por qual motivo a série picante da Netflix faz tanto sucesso no Brasil?

Escrita e dirigida por mulheres, produção original é a mais vista na plataforma em apenas 1 semana

Robson Gomes
Robson Gomes
Publicado em 01/07/2021 às 21:51
Notícia
SOPHIE GIRAUD/NETFLIX
Série 'Sex/Life' faz o público refletir no dilema sobre o que é mais importante numa vida a dois - FOTO: SOPHIE GIRAUD/NETFLIX
Leitura:

Ocupando o primeiro lugar entre os 10 títulos mais vistos na Netflix Brasil nos últimos dias, a série original Sex/Life tem mexido com o público da plataforma de streaming desde que estreou na última quinta-feira (25). Tudo porque a produção norte-americana leva o espectador a embarcar no dilema vivido por Billie Connelly (Sarah Shahi): O que mais vale a pena numa relação a dois? O amor ou o sexo?

>> Conheça Thuany Raquel: a pernambucana que estará no 'Brincando com Fogo Brasil', da Netflix

>> Comparado a '50 Tons', '365 Dias' abusa de cenas de sexo para fazer sucesso

>> Série 'Special' faz doce despedida em última temporada na Netflix

Inspirado no livro 44 Chapters About 4 Men de B.B. Easton (2016), e apresentada em oito episódios, Sex/Life traz a história de um inusitado triângulo amoroso entre uma mulher, seu passado e seu marido, lançando um novo olhar sobre o desejo feminino, principalmente em seu bastidor, já que a série é criada, escrita e dirigida por mulheres, o que afeta positivamente em todo o seu desenvolvimento.

Nos primeiros episódios, já percebemos que a protagonista está longe de ser apenas uma mulher "bela, recatada e do lar". Antes de se envolver com o carinhoso Cooper (Mike Vogel) e viver em Connecticut, Billie morava em Nova York com a melhor amiga Sasha (Margaret Odette), trabalhando muito e se divertindo mais ainda. Porém, cansada de tomar conta dos filhos pequenos e movida pela nostalgia, Billie escreve um diário e fantasia sobre a tórrida paixão que viveu com o ex-namorado Brad (Adam Demos), que ela nunca superou.

Para os mais afobados que se deixam levar pelo título, e apesar da classificação indicativa ser 18 anos, é bom deixar claro que Sex/Life não se apresenta como uma série "depravada", com cenas tórridas e gratuitas de sexo a la Cinquenta Tons de Cinza ou o recente filme 365 Dias, também da Netflix. Há um drama em volta de cada cena íntima e explícita, e às vezes, sequências até que beiram a comédia.

No material de divulgação, a criadora de Sex/Life, Stacy Rukeyser, deu mais detalhes sobre a gênese da produção: "O motivo principal pelo qual criei a série foi para mergulhar na complexidade de ser mulher. Eu sinto a história da Billie como algo muito pessoal. Por muito tempo, fui uma mulher solteira que curtia baladas. Então, quando me casei e tive filhos, também passei noites acordada em uma poltrona de amamentação, como a Billie, pensando: 'Quem eu sou agora?'. A série é também um estudo dos relacionamentos, especialmente o casamento".

Sarah Shahi, que interpreta a protagonista na medida certa de drama, comédia e tesão — junto com a ótima Margaret Odette, na pele da amiga Sasha Snow — destaca sua afinidade com os dilemas de sua personagem. "Passei os últimos dez anos me preparando para este papel. Eu me casei e tive filhos razoavelmente cedo, então realmente senti essa tensão entre quem eu era e quem sou agora. Tendo filhos ou não, quando nós, mulheres, chegamos a uma certa idade, é como se tivéssemos que esquecer como éramos. Temos que esquecer o passado e amadurecer", declara a atriz.

VEJA O TRAILER DE 'SEX/LIFE':

Comentários

Últimas notícias