ARTES VISUAIS

Oficina Brennand celebra 50 anos com exposição imersiva no legado de Francisco; confira imagens

"Devolver a Terra à Pedra que Era: 50 anos da Oficina Brennand" reúne mais de 200 itens, alguns inéditos, e ficará em cartaz na Várzea até outubro de 2022

Emannuel Bento
Emannuel Bento
Publicado em 19/11/2021 às 19:28
FILIPE JORDÃO/JC IMAGEM
Exposição de 50 Anos da Oficina de Cerâmica de Francisco Brennand. - FOTO: FILIPE JORDÃO/JC IMAGEM
Leitura:

Há meio século, Francisco Brennand atravessou a mata atlântica do bairro da Várzea, Zona Oeste do Recife, para voltar às ruínas da antiga fábrica de sua família e ali criar um dos espaços mais singulares das artes visuais no Brasil. Para marcar a data, celebrada em 11 de novembro, será realizada a exposição "Devolver a Terra à Pedra que Era: 50 anos da Oficina Brennand", com curadoria de Julieta González e Júlia Rebouças. A abertura ao público ocorre neste domingo (21).

Montada no galpão de exposições do território de 15 km², chamado Accademia, a exposição fica em cartaz até 12 de outubro de 2022 para pincelar um retrospecto da trajetória do artista, que faleceu em dezembro de 2019. São 200 itens, entre pinturas, esculturas, gravuras, serigrafias e documentos, muitos deles inéditos e resgatados do acervo permanente do local, de colecionadores e de museus do país.

Pilares conceituais

FILIPE JORDÃO/JC IMAGEM
Exposição de 50 Anos da Oficina de Cerâmica de Francisco Brennand. - FILIPE JORDÃO/JC IMAGEM
FILIPE JORDÃO/JC IMAGEM
Exposição de 50 Anos da Oficina de Cerâmica de Francisco Brennand. - FILIPE JORDÃO/JC IMAGEM
FILIPE JORDÃO/JC IMAGEM
Exposição de 50 Anos da Oficina de Cerâmica de Francisco Brennand. - FILIPE JORDÃO/JC IMAGEM

Como Francisco nunca parou de produzir em vida, o que é nítido pela dimensão da oficina, a curadoria buscou obras pensando em três pilares conceituais: natureza, território e cosmologias. Esses mesmos conceitos guiam o programa institucional da oficina, que virou um instituto sem fins lucrativos no final de 2019, meses antes do falecimento do artista.

"Esses três conceitos estariam indissociáveis da sua obra. Pela ideia de natureza vemos a importância da mata da Várzea, do Rio Capibaribe e a maneira como ele entendia isso tudo, como um criador que estava muito próximo e não distinguia a natureza da cultura", diz a curadora Júlia Rebouças, sergipana que passou parte da infância na Várzea e construiu uma relação afetiva com a obra do artista.

Ainda no âmbito da natureza, a exposição traz esculturas de animais e experimentações do início da carreira, como uma tela de cesta de frutas, além de um dos destaques: a série "Amazônia", que pela primeira vez reuniu 13 telas inspiradas na grande mata latino-americana. Já no âmbito do território, telas, esculturas e fotografias traduzem a experiência da chegada às ruínas da Várzea, sua transformação na oficina e relação com o local.

A cosmologia, por sua vez, traz a aura de mistério da sua obra, a exemplo de esculturas de seres mitológicos e arquétipos femininos e masculinos, muitas vezes associados à origem da terra ou da vida - uma percepção evocada no título da exposição. É interessante pensar como essas três linhas se entrelaçam o tempo todo, sendo indissociáveis umas das outras.

Uma obra singular e produzida no Nordeste

FILIPE JORDÃO/JC IMAGEM
Exposição de 50 Anos da Oficina de Cerâmica de Francisco Brennand. - FILIPE JORDÃO/JC IMAGEM
FILIPE JORDÃO/JC IMAGEM
Exposição de 50 Anos da Oficina de Cerâmica de Francisco Brennand. - FILIPE JORDÃO/JC IMAGEM
FILIPE JORDÃO/JC IMAGEM
Exposição de 50 Anos da Oficina de Cerâmica de Francisco Brennand. - FILIPE JORDÃO/JC IMAGEM

"Francisco nunca esteve alinhado com nenhum movimento artístico pré-determinado, sendo esse um dos elementos mais importantes da sua trajetória", diz Lucas Pessôa, ex-diretor do MASP, em São Paulo, e atual diretor geral da Oficina Brennand.

"Ele tinha relações estabelecidas em Pernambuco, como com Ariano Suassuna, Zé Cláudio e Cícero Dias, mas sempre atuou de forma mais isolada. A partir do contexto único da oficina, conseguiu sincretizar uma série de traduções, saberes, narrativas e ficções em sua obra. São mitologias dionisíacas, que trazem olhares pro sagrado e pro profano."

Foi Lucas Pessôa que convidou Julieta González, que é venezuelana, para a curadoria. "Conheci a obra de Brennand por investigações que fiz sobre a cultura do Nordeste do Brasil nos âmbitos culturais e artísticos. Estados como Pernambuco e Bahia, separados do eixo Rio-São Paulo, construíram uma outra visão sobre o Brasil, uma visão muito distinta, diz a curadora.

"O Brasil sempre foi foco de interesse, por isso senti que poderia encarar o desafio dessa exposição. A visão estrangeira talvez me dê um contexto mais amplo latino-americano. Isso me dá um entendimento de certas coisas que estavam se passando pelo continente, uma vez que Brennand se conciliou muito ao Recife e ao contexto do Nordeste."

O homem público e os bastidores

FILIPE JORDÃO/JC IMAGEM
Exposição de 50 Anos da Oficina de Cerâmica de Francisco Brennand. - FILIPE JORDÃO/JC IMAGEM
FILIPE JORDÃO/JC IMAGEM
Exposição de 50 Anos da Oficina de Cerâmica de Francisco Brennand. - FILIPE JORDÃO/JC IMAGEM
FILIPE JORDÃO/JC IMAGEM
Exposição de 50 Anos da Oficina de Cerâmica de Francisco Brennand. - FILIPE JORDÃO/JC IMAGEM

Para além do estilo do artista, que já é conhecido pelas inúmeras obras espalhadas pelo Recife, é possível acompanhar os bastidores: desenhos e projetos de obras famosas (como o mural da Batalha dos Guararapes, situado na Rua das Flores, recente alvo de polêmica por possível mudança para Boa Viagem), estudos e listas de projetos, quase todos concluídos.

Também é possível conhecer mais do homem público que Francisco foi. Documentos e recortes de jornais trazem registros de seus trabalhos como chefe da Casa Civil do governo de Miguel Arraes, época em que foi o grande incentivador da criação da Casa da Cultura.

O futuro da oficina

A mostra "Devolver a terra à pedra que era" também aponta para os próximos caminhos da oficina, que deseja receber residências artísticas e educativas, workshops, além de plataforma crítica com seminários, podcasts, ensaios críticos e trabalhos fotográficos comissionados.

"Desde que foi transformada pelo artista em uma instituição sem fins lucrativos, a Oficina assume seu caráter público e o nosso desejo é de aproximar cada vez mais as pessoas desse espaço e da obra do Brennand”, diz Marianna Brennand, sobrinha-neta do artista e presidente da Oficina Brennand.

"E vamos fazer isso, por exemplo, ampliando nossa programação, implantando um programa perene de educação e ação no território da Várzea, fazendo a sua obra dialogar com outros artistas e linguagens, através de exposições, residências artísticas e educativas, dentre outros programa público."

Comentários

Últimas notícias