PAIXÃO DE CRISTO

Paixão de Cristo retoma com ampliação de público a partir de 9 de abril

Presidente da Sociedade Teatral de Fazenda Nova comemorou flexibilização dos eventos por parte do Governo de Pernambuco

Bruno Vinicius
Cadastrado por
Bruno Vinicius
Publicado em 29/03/2022 às 11:39
Divulgação
AGRESTE Pandemia da covid-19 interrompeu um ciclo de 53 anos de realização do espetáculo da Paixão de Cristo - FOTO: Divulgação
Leitura:

Em cinco décadas de história, a Paixão de Cristo de Nova Jerusalém nunca ficou tão distante do público. Depois de dois anos por causa da pandemia, o espetáculo de Fazenda Nova, no Agreste Pernambucano, retomará com uma capacidade de 10 mil pessoas por noite da peça teatral a céu aberto com 8 datas entre 9 e 16 de abril. O feito será possível a partir da liberação do Governo de Pernambuco, nesta segunda-feira (28), para aumentar a capacidade dos eventos a céu aberto no Estado.

"Estamos felizes em retomar a Paixão de Cristo depois de tanta dificuldade que todo mundo passou. E também essa ótima notícia do Governo de Pernambuco em liberar 100% a ocupação dos eventos abertos, que é o nosso caso. Temos uma capacidade para atender até 12 mil pessoas por espetáculo e com esse sistema de venda antecipada via internet, vamos limitar por 10 mil pessoas. Isso vai ajudando e agregando valor e facilitando a vida do público que quer vir nos prestigiar de 9 a 16 de abril", disse Robinson Pacheco, presidente da Sociedade Teatral de Fazenda Nova, em entrevista ao Passando a Limpo, da Rádio Jornal.

"Temos uma estrutura muito pesada. A Paixão de Cristo envolve 1,5 mil pessoas trabalhando diretamente e 8 mil indiretamente. Temos vários parceiros e terceirizados, agencias de viagens e operadoras. Mas não é difícil, porque existe um histórico, esse evento acontece há 52 anos. Isso vai nos dando experiência, contatos e parceiros", relatou o presidente.

Robinson acredita que o espetáculo deste ano vai ser um divisor na história da Paixão. "Essa Paixão vai ser um divisor de águas na história da Nova Jerusalém, porque foram dois anos de sofrimento com a paralisação, sem poder trabalhar, gerando desemprego e desestruturando todo o cotidiano das pessoas de Fazenda Nova, em Brejo da Madre de Deus. Com essa nova fase, com essa retomada do evento, não tenho dúvida que o evento seja uma dividir a história do espetáculo, será um antes e depois. Esse evento vai ser acontecer sendo um dos primeiros a voltar a normalidade. Tudo isso vai fomentar e reacender a chama da retomada cultural do Nordeste e do Brasil", disse.

Comentários

Últimas notícias