Covid-19

Suspensão das feiras do polo de confecções no Agreste impacta toda cadeia produtiva

O setor têxtil e confeccionista gera cerca de 51,3 mil empregos no Agreste de Pernambuco

Marília Banholzer
Cadastrado por
Marília Banholzer
Publicado em 18/03/2020 às 19:33 | Atualizado em 18/03/2020 às 19:39
FILIPE JORDÃO/JC IMAGEM
MOVIMENTAÇÃO Atividades na Feira da Sulanca, em Caruaru, Agreste do Estado, estão suspensas desde o dia 18 de março devido à pandemia - FOTO: FILIPE JORDÃO/JC IMAGEM
Leitura:

As tradicionais feiras realizadas na principais cidades do polo de confecções do Agreste de Pernambuco estão suspensas por tempo indeterminado. A decisão é válida para a Feira da Sulanca de Caruaru, o Moda Center Santa Cruz, o Calçadão Miguel Arraes e a Feira do Jeans de Toritama.

A medida anunciada ontem está de acordo com as orientações de decreto do Governo de Pernambuco para o enfrentamento ao coronavírus no Estado. A paralisação, no entanto, preocupa quem depende do setor, já que não se sabe por quanto tempo a medida será necessária.

» Pernambuco tem 22 casos confirmados do novo coronavírus

» Aeroporto de Fernando de Noronha será fechado para turistas após caso suspeito na ilha

» Porto de Galinhas restringe passeio às piscinas naturais

» Procon quer que viagens canceladas por conta do coronavírus não tenham cobrança de multas

Os empresários do setor alertam que a paralisação dos negócios feitos na feira tem um efeito cascata em toda cadeia. Fábricas deixam de produzir, atacadistas param de vender e até os trabalhadores informais ficam sem ter onde trabalhar.

O vice-presidente da Associação Comercial e Empresarial de Caruaru (Acic), Pedro Miranda, reconhece que suspensão das feiras trará um impacto financeiro muito forte para o Agreste do Estado. Ele conta que os empresários até tentaram evitar a medida, mas após orientações de autoridades sanitárias a necessidade de evitar as aglomerações foi compreendida.

No entanto, Pedro Miranda ressalta sua preocupação com a manutenção dos empregos e dos micro e pequenos negócios da região. “Para os pequenos empreendedores o fluxo de caixa é semanal e depende da feira. Se não tem feira, não tem dinheiro para sua subsistência”, pontua. Ele ainda completa: “As grandes empresas têm procurado a Acic para saber como proceder com os empregados que não vão trabalhar porque não têm para quem produzir. O ciclo está quebrado e a cadeia toda fica prejudicada”, lamenta Pedro Miranda.

FILIPE JORDÃO/JC IMAGEM
Santa Cruz do Capibaribe cidade que foca sua economia na Indústria Textil. Apesar de movimentarem milhões de reais no ramo, o governo do estado não dão o devido apoio a essa cidade. Palavras chave: Santa Cruz do Capibaribe - Moda - Shopping - Sulanca - Feira - Roupas - Venda - Moda Center - Jeans ## - FILIPE JORDÃO/JC IMAGEM

De acordo com dados da Secretaria de Desenvolvimento Econômico do Estado, o setor têxtil e confeccionista gera cerca de 51,3 mil empregos. Ao todo, são fabricadas 43 mil toneladas de têxteis por ano, ou 225 milhões de peças de confecções. O valor da produção anual gira em torno de R$ 5,6 milhões. Outro dado preocupante é que 98% das empresas no polo de confecções do Estado são de micro ou pequeno porte.

A suspensão das feiras acontece às vésperas da alta temporada para o setor. Entre os meses de maio/junho e novembro/dezembro, o movimento chega a ser 60% maior do que nos outros meses quando, por semana, cerca de 150 mil pessoas circulam nas três principais feiras da região.

Para o presidente da Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL) de Santa Cruz do Capibaribe, Bruno Bezerra, a medida de suspender as feiras foi uma decisão que visa o bem público, mas deve repercutir para além das divisas pernambucanas. “Somente no Moda Center é escoada a produção de mais de 54 municípios, inclusive de outros Estados do Nordeste. Não fosse uma crise como essa, ninguém em boa consciência cancelaria as feiras”, defende Bezerra.

DIVULGAÇÃO
Imagem aérea do Moda Center Santa Cruz, em Santa Cruz do Capibaribe, no Agreste de Pernambuco - DIVULGAÇÃO

Por causa de tamanho prejuízo, os empresários do setor esperam a publicação do decreto do Governo Estadual para solicitar um encontro e debater flexibilização de medidas fiscais, como a prorrogação do pagamento de tributos.

Antes da suspensão das feiras do polo de confecções em Pernambuco, a Associação Brasileira da Indústria Têxtil e de Confecção (Abit) realizou uma pesquisa com 110 empresas da sua base do setor têxtil e de confecção, nos dias 16 e 17 de março. O estudo mostrou que 51% dos pesquisados ainda não sentiram impacto direto em seu processo produtivo em relação ao novo coronavírus. Apesar disso, dentro deste percentual, 91% dos entrevistados têm expectativa de que haverá algum efeito nos próximos meses.

Entre os 49% que já sentem a influência do vírus em sua produção, 63% já tiveram seus pedidos cancelados ou adiados, e 56% contaram com alteração nos custos dos insumos. Ainda no contexto do combate ao coronavírus, A maior parte das empresas (93%) já têm tomado medidas de prevenção, como: adoção de home office por parte da equipe, distribuição de álcool em gel, luvas e máscaras, horário flexível, informativos, cancelamento de viagens ao exterior, entre outras.

FILIPE JORDÃO/JC IMAGEM
Juntas, as três feiras canceladas têm mais de 25 mil pontos de comércio - FOTO:FILIPE JORDÃO/JC IMAGEM
DIVULGAÇÃO
Imagem aérea do Moda Center Santa Cruz, em Santa Cruz do Capibaribe, no Agreste de Pernambuco - FOTO:DIVULGAÇÃO

Comentários

Últimas notícias