ESTADO

Comércio varejista de Pernambuco registra maior volume de vendas dos últimos dez anos em fevereiro

Dados foram divulgados pela Pesquisa Mensal do Comércio (PMC), feita pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE)

JC
JC
Publicado em 13/04/2021 às 14:19
Notícia
BOBBY FABISAK/JC IMAGEM
Estado teve o sexto melhor resultado do país, superior inclusive à média nacional (0,6%) - FOTO: BOBBY FABISAK/JC IMAGEM
Leitura:

O volume de vendas do varejo em Pernambuco teve em fevereiro de 2021 o melhor índice para o mês na última década. Segundo a Pesquisa Mensal do Comércio (PMC), divulgada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) nesta terça-feira (13). Com avanço de 3,2% no período, o Estado teve o sexto melhor resultado do País, superando inclusive à média nacional (0,6%) para o período. 

Na comparação entre fevereiro de 2021 e o mesmo período do ano passado, Pernambuco também teve desempenho acima da média brasileira no varejo: enquanto as vendas recuaram 3,6% no País, avançaram 2% no Estado.

No acumulado do primeiro bimestre, a tendência se repete, com queda de 2,1% no País e avanço de 1,7% no Estado. Já a variação acumulada nos últimos 12 meses apresentou números muito semelhantes, um aumento de 0,4% no Brasil, e de 0,5% no comércio varejista pernambucano.

No comércio varejista ampliado, que inclui as atividades de veículos, motos, partes e peças e de material de construção, Pernambuco registrou alta de 7,7% no volume de vendas em fevereiro, a quarta maior do país e mais acentuada do que a média nacional, de 4,1%. Quando se compara a variação no segundo mês de 2021 com o mesmo período de 2020, a diferença é ainda maior, já que o Brasil teve retração de 1,9%, enquanto o estado teve alta de 9,5%.

Quando se considera a variação acumulada dos dois primeiros meses do ano, o comércio do país recuou 2,5%, enquanto PE avançou 5,2%. Já na variação acumulada dos últimos 12 meses, houve queda de 2,3% no Brasil e aumento de 0,1%, próximo à estabilidade, em Pernambuco.

Das 13 atividades varejistas pesquisadas pela PMC, cinco tiveram alta entre fevereiro de 2020 e fevereiro de 2021: artigos farmacêuticos, médicos, ortopédicos, de perfumaria e cosméticos (36,3%), que ocupam a primeira posição pelo segundo mês seguido, veículos, motocicletas, partes e peças (29,6%), outros artigos de uso pessoal e doméstico (25,5%) que englobam lojas de departamentos, óticas, joalherias, artigos esportivos, brinquedos e similares, material de construção (12,8%) e livros, jornais, revistas e papelaria (5,6%).

Por outro lado, o setor do varejo que teve a maior queda entre fevereiro deste ano e o mesmo período do ano passado foi o setor de equipamentos e materiais para escritório, informática e comunicação (-42,3%), seguido pelos móveis, cujo recuo foi de 10,8%.

No acumulado do primeiro bimestre de 2021, frente ao mesmo período do ano passado, a maior alta, de 36,1%, também ficou com os artigos farmacêuticos, mas os outros artigos de uso pessoal e domésticos passaram para a segunda posição, com aumento de 21,5% nas vendas, deixando os veículos, motocicletas, partes e peças em terceiro, com 14,4% de avanço. A maior queda ficou com os setor de equipamentos e materiais para escritório, informática e comunicação (-40,3%).

No acumulado dos últimos 12 meses, os eletrodomésticos tomaram a dianteira, com aumento de 20,4% nas vendas, seguidos pelos artigos farmacêuticos, médicos, ortopédicos, de perfumaria e cosméticos (18,6%) e pelos móveis e eletrodomésticos (14,6%). Os livros, jornais, revistas e papelaria tiveram o maior recuo (49,7%), seguido pela categoria de equipamentos e materiais para escritório, informática e comunicação (-22,4%) e tecidos, vestuário e calçados (-19,7%).

Vendas crescem em 19 unidades da federação na comparação com janeiro

De janeiro para fevereiro de 2021, na série com ajuste sazonal, a taxa média nacional de vendas do comércio varejista cresceu 0,6%, com predomínio de resultados positivos em 19 das 27 unidades da federação, com destaque para Amazonas (14,2%), Rondônia (11,5%) e Piauí (8,3%). Por outro lado, influenciando negativamente, estão oito UFs, sendo as principais, em termos de magnitude Acre (-12,9%), Tocantins (-4,4%) e Distrito Federal (-2,1%).

Na mesma comparação, o comércio varejista ampliado avançou 4,1%, puxado por 22 UFs, sendo as mais intensas registradas no Amazonas (20,2%), em Rondônia (9,9%) e no Piauí (9,5%). Já pressionando negativamente, figuram cinco unidades da federação, com destaque para Acre (-5,3%), Tocantins (-2,1%) e Amapá (-1,6%).

Frente a fevereiro de 2020, as vendas do comércio varejista caíram 3,8%, com predomínio de resultados negativos, que atingiram 18 UFs, principalmente Rio de Janeiro (-8,5%), Rio Grande do Sul (-12,0%) e São Paulo (-1,8%). Pressionando positivamente, no entanto, estão nove UFs, destacando-se Piauí (14,1%), Pará (4,1%) e Pernambuco (2,0%).

No comércio varejista ampliado, ante janeiro de 2020, houve quedas em 14 unidades da federação. Os destaques no campo negativo ficaram por conta de São Paulo (-2,9%), Rio de Janeiro (-7,3%) e Rio Grande do Sul (-9,0%). Das 13 UFs que registraram variações positivas, destacam-se, além de Pernambuco (9,5%), Minas Gerais (2,7%) e Espírito Santo (8,2%).

Comentários

Últimas notícias