CUSTO

Energia: proposta de Bolsonaro para suspender bandeira vermelha pode triplicar alta em 2022

Atualmente, País enfrenta escassez hídrica, que pode se agravar, e paga bandeira vermelha "Escassez Hídrica"

JC
JC
Publicado em 16/10/2021 às 10:10
Marcello Casal Jr/Agência Brasil
Linhas de transmissão de energia, energia elétrica - FOTO: Marcello Casal Jr/Agência Brasil
Leitura:

A crise hídrica que atinge o País não será resolvida com a suspensão da bandeira tarifária vermelha. Isso é o que aponta um levantamento da consultoria PSR, tradicional no setor elétrico. De acordo com a consultoria, caso a "bandeira de escassez hídrica" seja cancelada, o reajuste esperado para 2022 pode, na verdade, até triplicar. Na última quinta-feira (14), o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) afirmou que iria determinar a volta "á bandeira normal" a partir de novembro, após o País começar a pagar no mês de outubro uma bandeira mais cara na conta de energia. 

Os dados foram do estudo foram elencados pelo jornal O Globo. Num conta considerada conservadora, a PSR estima que uma volta ao patamar mínimo da bandeira tarifária neste momento pode representar um aumento de 5% na energia elétrica no próximo ano.

As simulações feitas pela PSR indicam que, sem a bandeira atual, a conta poderia subir até 17,3%, se não houver qualquer tipo de cobrança extra até abril, previsão para manutenção em caráter excepcional da “bandeira escassez hídrica”, no valor de R$ 14,20 por 100 kWh. 

Caso o governo passe a adotar a bandeira vermelha nível 2 (R$ 9,49 a mais na conta), o reajuste do próximo ano ficaria, em média, em 9%, ainda de acordo com a PSR. 

CRISE

A situação de armazenamento de água dos reservatórios das hidrelétricas do Sudeste/Centro-Oeste continua preocupante. Os reservatórios estavam com 16,7% da sua capacidade de armazenamento no último dia 30. A expectativa do governo federal era de que eles chegassem a outubro com 20% da sua capacidade, segundo previsões feitas em maio último. Quer dizer: a situação já está pior do que a prevista. E cerca de 70% de toda a água que pode ser acumulada para gerar energia no Brasil estão nos reservatórios das duas regiões.

A última vez que o Brasil teve apagão e racionamento foi em 2001 pelo mesma razão que ocorre agora: pouca quantidade de água armazenada nos reservatórios das hidrelétricas do Sudeste/Centro-Oeste e Nordeste. 

Atualmente, as hidrelétricas têm em torno de 64% da capacidade instalada total de produzir energia elétrica no País. Em 2001, cerca de 90% da energia do País vinha das hidrelétricas. Com a crise hídrica, é preciso adicionar ao sistema energia produzida por outros meios, como as usinas termelétricas, que são bem mais caras. 

O presidente Jair Bolsonaro afirmou na última quinta-feira (14) que determinará ao Ministério de Minas e Energia (MME) que altere a bandeira tarifária de energia elétrica para rebaixá-la a um valor menor a partir do mês que vem. A declaração foi feita durante discurso na Conferência Global Millenium, um evento que reúne igrejas evangélicas.

"Estávamos na iminência de um colapso. Não podíamos transmitir pânico à sociedade. Dói a gente autorizar o ministro Bento [Albuquerque], das Minas e Energia, a decretar a bandeira vermelha. Dói no coração, sabemos da dificuldade da energia elétrica. Vou determinar que ele volte à bandeira normal a partir do mês que vem", disse o presidente, sem entrar em detalhes sobre qual seria a redução pretendida.

O País enfrenta a maior crise hídrica em 91 anos, o que tem afetado os reservatórios das usinas hidrelétricas.

Bandeiras

Criada em 2015 pela Aneel, as bandeiras tarifárias refletem os custos variáveis da geração de energia elétrica e é dividida em níveis. Elas indicam quanto está custando para o Sistema Interligado Nacional (SIN) gerar a energia usada nas casas, em estabelecimentos comerciais e nas indústrias. Quando a conta de luz é calculada pela bandeira verde, significa que a conta não sofre nenhum acréscimo.

A bandeira amarela significa que as condições de geração de energia não estão favoráveis e a conta sofre acréscimo de R$ 1,874 por 100 kWh consumido. A bandeira vermelha mostra que está mais caro gerar energia naquele período. A bandeira vermelha é dividida em dois patamares. No primeiro patamar, o valor adicional cobrado passa a ser proporcional ao consumo na razão de R$ 3,971 por 100 kWh; o patamar 2 aplica a razão de R$ 9,492 por 100 kWh. Acima da bandeira vermelha, está a bandeira escassez hídrica, atualmente em vigor.

 

 

 

Comentários

Últimas notícias