Plano tático

Mudanças táticas deixam Náutico otimista na volta do futebol

Alterações feitas pelo Timbu visam maior consistência ofensiva na equipe nesta retomada do Estadual e da Copa do Nordeste

Klisman Gama
Klisman Gama
Publicado em 10/07/2020 às 19:35
Notícia
Léo Lemos/Náutico
Auxiliar técnico Luciano Borges comentou a implementação dessas mudanças no Náutico - FOTO: Léo Lemos/Náutico
Leitura:

O Náutico tem vivido a expectativa do retorno que acontecerá no dia 19 de julho, contra o Salgueiro, pelo Campeonato Pernambucano, com mais de quatro meses sem jogar por causa da pandemia do novo coronavírus. Tendo passado por oscilações no começo do ano, mesclando momentos bons e outros de pressão, a comissão técnica acrescentou novas ideias ao modelo de jogo. Saiu do tradicional sistema 4-2-3-1 utilizado por Gilmar Dal Pozzo desde que chegou em 2019, e implementou o 4-1-4-1 com mudanças também nas funções de alguns jogadores. Depois de quase um mês preparando essa nova formatação, a vontade agora é de vê-la em prática nos jogos oficiais.

"Ao modelo de jogo, onde foi construída uma nova ideia de construção, principalmente na parte ofensiva da equipe, acreditamos e sentimos nesses trabalhos que foram feitos, que os atletas tiveram uma aceitação muito boa, em virtude de toda essas características que esses atletas, dentro desse modelo, conseguiram desenvolver. E nessa ideia tem movimentos e uma dinâmica diferente no 4-1-4-1. Estamos muito satisfeitos com isso, porque o entendimento foi muito rápido. Teve um tempo hábil para que os atletas conseguissem desenvolver esse sistema, então estamos muito satisfeitos. Agora é a ansiedade que fica na esperança de que esse jogo possa vir o quanto antes e que a gente possa desenvolver tudo siso que foi planejado e o resultado possa vir com boas vitórias", comentou o auxiliar técnico do Náutico, Luciano Borges, conhecido como Lucianinho.

Com isso, o Náutico busca melhorar seu aproveitamento ofensivo. Nas 17 partidas disputadas até então, foram 24 gols marcados. A ideia é crescer esse número, dado pelo potencial que as peças ofensivas do Timbu têm. O ídolo Kieza, os pontas Erick e Thiago - que participam bastante da construção de jogadas -, os centroavantes Salatiel e Paiva, além dos que vem de trás, como o meia Jean Carlos. Ficou a sensação de que o aproveitamento poderia ser melhor do que vinha apresentando. Então com este tempo de trabalho, aliado às mudanças feitas na estruturação da equipe, a esperança é de que o encaixe seja melhor, assim como o aproveitamento.

"Foi um tempo que está sendo bem aproveitado. Em todas as mudanças que houveram na equipe, a gente teve um tempo com uma aceitação muito boa, equilíbrio de todas as fases do jogo, todos os comportamentos. Acredito muito que nesse tempo que estivemos trabalhando, os atletas tiveram uma boa aceitação, principalmente na parte ofensiva, onde tivemos algumas mudanças em cima de algumas características de alguns atletas. Em cima disso, a gente teve alguns movimentos que foram necessários que a gente fizesse. Esse tempo, com certeza, foi muito bem aproveitado. Agora é esperar que nos jogos a gente possa desenvolver tudo isso que foi programado e colocado em prática nos trabalhos da semana", finalizou.

 

O jornalismo profissional precisa do seu suporte.

Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Comentários

Últimas notícias