Coluna do Estadão

Bancada evangélica deve fazer "força-tarefa" para tentar barrar jogos de azar

Integrantes da bancada se reúnem com Rodrigo Pacheco nesta semana para tentar convencê-lo a segurar a matéria, aprovada pela Câmara debaixo de muita polêmica e críticas dos evangélicos

Alberto Bombig
Cadastrado por
Alberto Bombig
Publicado em 07/03/2022 às 9:00
Fotos Públicas
Projeto de liberação dos jogos de azar foi aprovado pela Câmara sob protestos da bancada evangélica - FOTO: Fotos Públicas
Leitura:

A bancada evangélica se prepara para reproduzir a "força-tarefa" usada em dezembro do ano passado na aprovação, pelo Congresso, do nome de André Mendonça para o Supremo. Esta saída é uma possibilidade para o caso de o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco, levar para o plenário o projeto de liberação dos jogos de azar. Integrantes da bancada se reúnem com o senador nesta semana para tentar convencê-lo a segurar a matéria, aprovada pela Câmara debaixo de muita polêmica e críticas dos evangélicos. Como última cartada, a bancada, agora liderada pelo deputado Sóstenes Cavalcante (União-RJ), pode inclusive negociar o apoio à reeleição de Pacheco para o comando do Senado.

União faz a força

Os parlamentares evangélicos tiveram papel decisivo na votação que aprovou o ministro "terrivelmente
evangélico" para o Supremo Tribunal Federal em dezembro do ano passado, com o apoio da primeira-dama Michelle Bolsonaro.

Acertos

A bancada evangélica também se prepara para conversar com o presidente Jair Bolsonaro para pedir um "ajuste fino na política". O ruído de que o presidente só irá apoiar evangélicos que se filiarem ao PL causou irritação no grupo, principalmente entre filiados do Republicanos e do Progressistas.

Para onde...

Pré-candidato ao governo do Paraná, Roberto Requião tem deixado militantes do PT confusos. Em negociação para se filiar à sigla e após receber o apoio de Lula, o ex-senador tem publicado e interagido com propagandas do PDT de Ciro Gomes.

...vou?

Apesar de marcar presença em eventos do PT ao lado de Gleisi Hoffmann, Requião dialoga com Antônio Neto, do PDT paulistano, e faz suspense: avisou que decisão sobre seu novo partido será divulgada só no fim de março.

Silêncio

Quase não se fala mais sobre a possibilidade de o ex-juiz Sergio Moro migrar do Podemos para o União
Brasil. As conversas esfriaram entre os dois partidos. Entusiastas de Moro, no entanto, ainda contam com o apoio do União.

Juntos

Quinze deputados estaduais de São Paulo, de cinco partidos diferentes, assinam representação contra
Arthur do Val que será entregue hoje ao Conselho de Ética da Alesp. Eles acusam o colega de quebrar decoro no caso dos áudios com comentários machistas sobre refugiadas ucranianas.

Nova...

O ministro da Ciência, Tecnologia e Inovações, Marcos Pontes, confirmou que vai deixar o comando da
pasta neste mês. O astronauta vai mirar em uma nova missão, agora voltada a tentar conseguir uma vaga de deputado federal pelo Estado de São Paulo.

...missão

Marcos Pontes vai disputar pelo partido de Bolsonaro, o PL. Ele já concorreu ao cargo de deputado em 2014 pelo PSB, hoje oposição ao governo federal, e conseguiu a suplência com 43 mil votos.

Pronto, falei!

"Imunidade parlamentar não é sinal verde para o desrespeito da legislação", diz senador Humberto
Costa (PT-PE) sobre falas com teor machista de Arthur do Val a respeito de refugiadas ucranianas.

Comentários

Últimas notícias