Tratamento

No mundo, há 153 drogas e vacinas contra o coronavírus em teste

Alguns dos trabalhos que mais avançaram foram com os antimaláricos cloroquina e a hidroxicloroquina, mas os resultados são pouco animadores

Estadão Conteúdo
Estadão Conteúdo
Publicado em 17/06/2020 às 8:29
Notícia
KARIM SAHIB/AFP
No momento, o mundo inteiro corre contra o tempo para desenvolver a vacina do novo coronavírus - FOTO: KARIM SAHIB/AFP
Leitura:

Atualmente, não existem tratamentos ou vacinas aprovados para a covid-19, doença causada pelo novo coronavírus que matou mais de 440 mil pessoas em todo o mundo. No Brasil já são mais de 45 mil vítimas.

>>Coronavírus: veja vacinas já liberadas para teste

>>Dexametasona: "Finalmente uma boa-nova", diz infectologista sobre medicamento que aumenta chance de sobreviver ao coronavírus

>>Laboratório chinês anuncia 90% de sucesso em testes de vacina contra coronavírus

>>São Paulo produzirá vacina contra coronavírus em parceria com a China até junho de 2021

Mas, até o início de junho, havia 153 drogas e vacinas sendo testadas em 1.765 estudos com pacientes que contraíram covid-19. A maioria dos remédios, porém, ainda está em fase muito inicial dos estudos. Alguns dos trabalhos que mais avançaram foram com os antimaláricos cloroquina e a hidroxicloroquina, mas os resultados são pouco animadores. As drogas têm se mostrado pouco eficazes para tratar a doença.

>>Sociedade de Pediatria não recomenda cloroquina para crianças

>>Projeto Comprova: OMS não se desculpou por reviravoltas com hidroxicloroquina>>USP desenvolve vacina por spray nasal contra o coronavírus

>>Estudo no Reino Unido não viu benefício em hidroxicloroquina na covid-19

>>OMS diz que vai continuar com pesquisas sobre hidroxicloroquina para tratamento de coronavírus

>>Pesquisa sobre injeção de anticorpos contra coronavírus avança em Oxford

>>Vacina de Oxford contra coronavírus será testada no Brasil; veja quem pode ser voluntário

"Diferentemente da cloroquina, a dexametasona é um medicamento com plausibilidade biológica para que seja adjuvante no tratamento da covid-19. Os resultados anunciados mostram diferença expressiva de mortalidade. No entanto, para que essa medicação seja realmente tão efetiva na vida real quanto foi no estudo científico, os cuidados intensivos oferecidos em nossas UTIs precisam ser de alta qualidade. O básico precisa ser bem feito para que a dexametasona possa realmente salvar um terço dos tratados", afirma o médico e pesquisador Ricardo Schnekenberg, que tem acompanhado os estudos clínicos contra a doença.

>>Equipe da Fiocruz trabalha em vacina brasileira para covid-19

>>Vacina contra o coronavírus deve ficar disponível em setembro, preveem cientistas de Oxford

Outra droga que chama atenção é o antiviral remdesivir, usado originalmente contra o ebola. Estudo preliminar publicado em 22 de maio no New England Journal mostrou que o tempo de recuperação em pacientes hospitalizados por coronavírus foi menor (11 dias) para aqueles que tomaram o medicamento em comparação com os pacientes que receberam placebo (15 dias). A mortalidade foi menor, mas não significativamente.

>>Pesquisador brasileiro ganha bolsa para auxiliar no desenvolvimento de vacina contra coronavírus

Também se destaca o tocilizumabe, que impede a chamada tempestade inflamatória, mas o estudo feito com o remédio até agora teve poucos pacientes. O Brasil também está testando o medicamento. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte.

Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Comentários

Últimas notícias