IMUNIZAÇÃO

Vacina de Oxford dá bons resultados, mas há 'longo caminho a percorrer', diz OMS

A candidata à vacina da Universidade de Oxford se mostrou segura e produziu resposta imune em ensaios clínicos iniciais em voluntários saudáveis

Estadão Conteúdo
Estadão Conteúdo
Publicado em 20/07/2020 às 15:58
Notícia
PAUL ELLIS / AFP
A vacina produzida pelo laboratório AstraZeneca foi testada em mil pessoas com idades entre 18 e 55 anos. - FOTO: PAUL ELLIS / AFP
Leitura:

O diretor de emergência da Organização Mundial da Saúde (OMS), Michael Ryan, comemorou nesta segunda-feira, 20, estudo sobre vacina contra coronavírus do laboratório AstraZeneca desenvolvido pela Universidade de Oxford, mas ponderou que ainda há etapas até a imunização chegar ao público.

>> O que se sabe sobre as vacinas mais avançadas contra o novo coronavírus

>> Terceira fase de testes da CoronaVac com voluntários brasileiros começa nesta segunda-feira (20)

>> Vacina da Universidade de Oxford pode ter registro aprovado em junho de 2021

"Estes são os estudos da fase um, agora precisamos avançar para testes em larga escala no mundo real. Mas é bom ver mais produtos avançando até essa fase importante na descoberta da vacina", afirmou Ryan.

>> Vacina de Oxford para coronavírus é segura e induz resposta imune, dizem cientistas

>> Vacina russa contra coronavírus pode começar a ser distribuída em agosto

A candidata à vacina da Universidade de Oxford se mostrou segura e produziu resposta imune em ensaios clínicos iniciais em voluntários saudáveis, informaram cientistas da instituição nesta segunda-feira, 20. Os testes foram realizados com mil voluntários saudáveis, entre 18 e 55 anos.

Ryan também apontou que, após as candidatas à vacina passarem por todas as fases do sistema de aprovação, existirá um grande desafio para escalar a produção e tornar o produto disponível ao público.

Indígenas e covid-19

A OMS também informou nesta segunda-feira, 20, que entre os povos vulneráveis, indígenas que vivem nas Américas são o maior motivo de preocupação durante a pandemia de covid-19.

Embora existam mais de 500 milhões de indígenas vivendo em mais de 90 países, a OMS chama atenção para aqueles que vivem nas Américas, por ser o atual epicentro da doença. Segundo a organização, a região registrava mais de 70 mil casos e 2 mil mortes de indígenas até 6 de julho.

Fatores como falta de representatividade política e acesso à saúde colocam esses povos entre os grupos de maior vulnerabilidade social. "Taxas de pobreza, desemprego, desnutrição e de doenças transmissíveis ou não frequentemente são altas entre indígenas, o que os deixa mais exposto à covid-19 e suas consequências", explicou o diretor-geral da agência, Tedros Adhanom Ghebreyesus.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte.

Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Comentários

Últimas notícias