covid-19

Vacina russa contra coronavírus pode começar a ser distribuída em agosto

Parte dos testes clínicos necessários para comprovar a eficácia do imunizante já foi concluída

Bruna Oliveira AFP
Bruna Oliveira
AFP
Publicado em 13/07/2020 às 14:56
Notícia
DAY SANTOS/JC IMAGEM
Vacina russa contra novo coronavírus pode começar a ser distribuída em agosto - FOTO: DAY SANTOS/JC IMAGEM
Leitura:

A Rússia anunciou nesta segunda-feira (13) que concluiu parte dos testes clínicos necessários para comprovar a eficácia da vacina desenvolvida por parte do governo para combater o novo coronavírus. Com isso, o país pode se tornar o primeiro a iniciar a distribuição de um imunizante contra o vírus, já imunizando a população em agosto.

"A pesquisa foi concluída e provou que a vacina é segura", disse Yelena Smolyarchuk, chefe do centro de pesquisas clínicas da Universidade Sechenov, à agência de notícias estatal TASS.

>> O que se sabe sobre as vacinas mais avançadas contra o novo coronavírus

>> Saiba tudo sobre a corrida pela criação da vacina contra o coronavírus

>> Universidade de Oxford testará vacina contra o coronavírus em 500 voluntários de Salvador

Desenvolvida pelo Centro Nacional de Pesquisa para Epidemiologia Microbiologia Gamalei, a vacina, segundo a instituição, deve entrar em circulação entre os dias 12 e 24 de agosto. O imunizante foi testado em 38 voluntários com idades de 18 a 65 anos.

>> Testes com a vacina contra novo coronavírus em São Paulo têm início a partir do dia 20, diz Doria

>> Combinar diferentes vacinas poderia ampliar a proteção contra o coronavírus, avaliam cientistas

>> Anvisa libera testes de vacina chinesa contra o novo coronavírus

O Ministério da Saúde russo ainda irá realizar testes bioquímicos da vacina, porém espera finalizar o processo até setembro, mesmo mês para o qual o Centro Nacional de Pesquisa para Epidemiologia Microbiologia Gamalei prevê o início da produção do medicamento em massa por laboratórios privados.

Corrida pela criação da vacina contra o coronavírus

A busca de uma vacina contra a covid-19 é uma intensa corrida de obstáculos planetária marcada por desafios financeiros, expectativas frustradas e problemas de segurança, de acordo com os especialistas.

Em seu último comunicado a respeito, em 6 de julho, a Organização Mundial da Saúde (OMS) registrou 21 vacinas candidatas que estão em testes clínicos com seres humanos em todo o mundo (contra 11 em meados de junho).

Um terço dos testes acontece na China. O país, onde surgiu o SARS-CoV-2, vírus responsável pela pandemia, deseja ser o primeiro a oferecer uma vacina e não hesita em multiplicar as pesquisas.

Muitos testes estão em fase 1, ou seja, quando a segurança do produto é avaliada, ou em fase 2, quando a eficácia começa a ser analisada.

>> De acordo com laboratório, vacina do coronavírus não terá fins lucrativos durante a pandemia

>> Vacina produzida pela Pfizer e BioNTech apresenta resultados positivos contra o coronavírus

Dois estudos estão em fase mais avançada, a 3, quando a eficácia é medida em larga escala. São o projeto europeu da Universidade de Oxford, em cooperação com a empresa farmacêutica AstraZeneca, e o projeto chinês do laboratório Sinovac, em associação com o instituto de pesquisas brasileiro Butantan.

Neste último, o governo do estado de São Paulo começará a testar em 20 de julho a vacina do laboratório chinês em 9.000 voluntários.

Além dos testes já iniciados, a OMS registra 139 projetos de vacinas candidatas que estão em fase pré-clínica.

Quais técnicas são utilizadas?

Algumas equipes trabalham com vacinas clássicas, ou seja, as inativadas, que utilizam a versão morta do germe que provoca a doença, ou as chamadas 'vivas', que usam uma forma debilitada (ou atenuada) do germe que provoca uma enfermidade.

Também existem as vacinas de subunidades, que utilizam partes específicas do germe, como sua proteína, para oferecer uma resposta imune.

Há também as que utilizam outros vírus como suporte, o transformam e o usam para combater o que provoca a covid-19.

E por fim, outros métodos novos promissores são explorados, que usam DNA ou RNA, as moléculas portadoras de instruções genéticas, para fabricar uma vacina.

Vacina desenvolvida em Oxford será testada no Brasil

A Universidade de Oxford, na Inglaterra, irá testar a vacina contra o novo coronavírus em 500 voluntários de Salvador, na Bahia. Um outro grupo, também formado por 500 voluntários, receberá uma dose com efeito placebo. A informação foi divulgada pelo Instituto D'Or de Pesquisa e Ensino nesta sexta-feira (10). Além de Salvador, há voluntários para receber a vacina em São Paulo e no Rio de Janeiro. Nesta etapa do estudo, participarão 3 mil pessoas.

>> Vacina contra coronavírus com testes no Brasil pode ser distribuída este ano, diz farmacêutica

Para participar dos testes, é necessário ser um profissional de saúde adulto, com idade entre 18 e 55 anos, que não tenha sido contaminado com o novo coronavírus e que apresente risco aumentado de infecção. Os voluntários são funcionários da Rede D'Or São Luiz.

Os que desejam participar dos testes devem preencher um formulário no site do Instituto D'Or de Pesquisa e Ensino. Para participar é necessário se enquadrar nos critérios de elegibilidade. No questionário, é necessário relatar algumas informações, como, por exemplo, se tem contato com materiais colhidos de pacientes com suspeitas ou diagnóstico confirmado da covid-19. A seleção e acompanhamento dos voluntários acontecerão nas instalações do Hospital São Rafael.

Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), a vacina que está sendo desenvolvida pela Universidade de Oxford é a mais avançada no mundo.

 

O jornalismo profissional precisa do seu suporte.

Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Comentários

Últimas notícias