ESTADOS UNIDOS

Twitter e Facebook bloqueiam contas de Donald Trump temporariamente

O bloqueio ocorre após apoiadores do presidente invadirem o Capitólio

JC AFP
JC
AFP
Publicado em 06/01/2021 às 23:33
Notícia

AFP
Donald Trump, presidente dos Estados Unidos da América - FOTO: AFP
Leitura:

O Twitter ameaçou nesta quarta-feira (06) suspender permanentemente de sua plataforma o presidente americano Donald Trump, que teve sua conta na rede social bloqueada por 12 horas por incitação à violência e um vídeo com apoiadores removido, além de ter recebido uma ordem para apagar três tuítes que violavam as normas da rede. Pouco tempo depois, o Facebook decidiu suspender a conta do republicano por um dia, após os episódios de violência na sede do Congresso.

"Determinamos duas violações de nossas regras na página do presidente Donald Trump que resultam em uma suspensão de 24 horas, o que significa que ele perdeu a capacidade de postar na plataforma durante este período", explicou o Facebook.

>> Twitter bloqueia interação com mensagens de Trump por 'risco de violência'

"Como resultado da situação violenta sem precedentes e em curso em Washington, DC, pedimos a remoção de três tuítes de @realDonaldTrump publicados hoje, por repetidas e graves violações da nossa política de integridade cívica", fundamentou o Twitter em uma publicação. "Se as postagens não forem apagadas, a conta permanecerá bloqueada."

Em uma das publicações no Twitter, Trump volta a comentar que houve fraude nas eleições presidenciais dos Estados Unidos. "Foi uma eleição fraudulenta, mas nós não podemos brincar com essas pessoas. Nós precisamos ter paz. Portanto, vão para casa. Nós amamos vocês. Vocês são especiais", pediu o presidente aos manifestantes que invadiram o Congresso. "Nós não queremos ninguém ferido", completou.

>> Vice-presidente Mike Pence pede fim de violência no Capitólio, invadido por apoiadores de Trump

>> Trump pede que apoiadores se 'mantenham pacíficos' em protestos no Capitólio

>> Washington decreta toque de recolher por causa de caos em protesto pró-Trump

>> Veja imagens da invasão ao Congresso dos Estados Unidos por apoiadores de Trump

Outra publicação que recebeu o aviso é uma crítica de Trump ao vice-presidente Mike Pence, sugerindo que houve fraude no processo eleitoral. "Mike Pence não teve a coragem de fazer o que deveria ter sido feito para proteger nosso País e nossa Constituição, dando aos estados a chance de certificar um conjunto corrigido de fatos, e não os fraudulentos ou imprecisos que foram solicitados a certificar previamente. Os Estados Unidos exigem a verdade!", disse Trump

Na rede social, a empresa se manifestou a respeito da situação em Washington. "Com relação à situação atual em Washington, estamos trabalhando de forma proativa para proteger a saúde dos diálogos públicos que ocorrem no serviço e tomaremos medidas em relação a qualquer conteúdo que viole as Regras do Twitter", disse. 

Manifestantes pró-Trump invadem Congresso dos EUA

Vários prédios de escritórios do Congresso americano foram evacuados, nesta quarta-feira (6), enquanto apoiadores do presidente Donald Trump cercavam o Capitólio em protesto contra sua derrota na eleição presidencial, que aconteceu em novembro passado. Segundo a CNN americana, as portas do Congresso foram seladas e um alerta de emergência foi acionado no local.

A polícia ordenou que os funcionários esvaziassem o edifício Cannon e outros escritórios vizinhos ao Capitólio, depois que Trump pediu a seus seguidores que se manifestassem contra a certificação da vitória de Joe Biden nas eleições de 3 de novembro, o que ocorre esta tarde em uma sessão conjunta do Congresso.

"Acabo de evacuar meu escritório no Cannon", disse a legisladora republicana Nancy Mace em um tuíte. "Agora, estávamos vendo manifestantes agredindo a polícia do Capitólio". "Isso está mal. Isto não é o que somos", acrescentou.

De acordo com a TV americana, teriam sido encontrados, vários pacotes suspeitos em volta do Cannon House Office e da Madison Library of Congress Building.

No Twitter, momentos antes, Donald Trump havia solicitado que seus seguidores que se manifestassem contra a certificação da vitória de Joe Biden nas eleições realizadas em novembro de 2020. "Por favor, apoiem nossa polícia. Eles estão verdadeiramente do lado do nosso país", escreveu.

Comentários

Últimas notícias