COVID-19

Escolas particulares do Recife tem presença reduzida de alunos nesta segunda por causa do coronavírus

A Prefeitura do Recife ordenou a suspensão das aulas a partir da próxima quarta-feira (18)

Katarina Moraes Rute Arruda
Katarina Moraes
Rute Arruda
Publicado em 16/03/2020 às 13:26
Notícia
BOBBY FABISAK/JC IMAGEM
Com a nova decisão da Justiça, por ora, os colégios estão desobrigados a reduzir as mensalidades enquanto durar o isolamento social - FOTO: BOBBY FABISAK/JC IMAGEM
Leitura:

As escolas particulares do Recife tiveram presença reduzida de alunos nesta segunda-feira (16) por causa do avanço do coronavírus no Estado. Nesse domingo (15), a Prefeitura do Recife ordenou a suspensão das aulas das escolas públicas, municipais, e das faculdades particulares da cidade a partir de quarta-feira (18), mas o medo de contrair a Covid-19 já afetou as instituições nesta segunda.

No Colégio GGE, localizado no bairro do Paissandu, área central do Recife, a frequência de alunos baixou de 35 a 40 alunos para 10 a 15 nesta segunda-feira. De acordo com a supervisora pedagógica da instituição, Carol Costa, o GGE irá seguir a determinação da Prefeitura do Recife e suspenderá as atividades a partir de quarta.

"Reunimos todo corpo diretivo e foi colocado e divulgado como iria funcionar. A gente tem aula normal hoje e amanhã (segunda e terça-feira), mas a gente não vai fazer nada que vá prejudicar o aluno pedagogicamente. Vão ser preparadas revisões, preparações de exercícios, retomadas de conteúdo, de forma que ninguém tenha prejuízo pedagógico", explicou.

Já no Colégio CBV, que fica no bairro da Tamarineira, Zona Norte do Recife, a previsão é de que o quadro de funcionários também seja mantida em casa.

"Hoje teremos mais uma reunião. Estamos muito preocupados. Só que a gente tem que cumprir o que é para todos, porque não vamos fazer diferente do que ficar combinado com as outras escolas. Estamos passando as orientações para as famílias. A gente já vem com as ações desde a semana passada, em relação à higiene na escola, estamos fazendo tudo que é necessário. A frequência reduziu bastante", informou a diretora da institução, Valéria Lima.

Alguns que chegaram a levar os filhos ao colégio decidiram buscá-los antes do término das aulas, como foi o caso do técnico em TI Alexandre Maranhão, de 65 anos. Ele tem duas filhas gêmeas, de 13 anos. "Estamos muito preocupados com o coronavírus. Eu quase não trazia elas para a aula. Quando chegarem em casa, vão tomar banho e estamos evitando ficar muito tempo na rua. Não está tendo aula hoje, agora vamos aguardar quando terá", contou.

Antecipação das férias do mês de julho na rede municipal

As escolas públicas do Recife também contaram com a presença de poucos alunos nesta segunda-feira (16). De acordo com o que foi anunciado pela prefeitura nesse domingo (15), o fechamento das escolas a partir de quarta-feira (18) ocorrerá com a antecipação das férias escolares que acontecem no mês de julho. A merenda escolar será garantida por meio de kits de alimentação que os pais poderão buscar na escola uma vez por semana. No entanto, a logística de entrega, segundo a prefeitura, não foi definida.

Universidades e institutos federais 

Universidades e institutos federais de Pernambuco decidiram paralisar as atividades curriculares a partir desta segunda-feira (16). A decisão foi tomada em reunião realizada pelo Consórcio Pernambuco Universitas na tarde deste domingo (15), na reitoria da Universidade de Pernambuco, como forma de prevenção para evitar o contágio do novo coronavírus (Covid-19). A suspensão vale para todos os campi, e deve perdurar, inicialmente, até o dia 31 de março.

Entre as instituições, estão a Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), a Universidade Federal Rural de Pernambuco (UFRPE), a Universidade de Pernambuco (UPE), a Universidade Federal do Vale do São Francisco (Univasp), a Universidade Católica de Pernambuco (Unicap), a Universidade Federal do Agreste (Ufape) e o Instituto Federal de Pernambuco (IFPE).

A presidente do Consórcio e reitora da UFRPE, Maria José de Sena, explica que veredito é um esforço conjunto e uma contribuição das universidades e institutos em favor da vida dos pernambucos. "Todos nós temos obrigação de dar nosso apoio e sim, tirar as pessoas de circulação, para que tenha o mínimo de casos possíveis, e para que o Estado possa atender aqueles que vão precisar de internamento", defendeu.

Questões administrativas serão decididas internamente, por cada instituição. O mesmo vale para reposição das aulas, e se os dias de paralisação vão ser descontados do período predefinido de férias.

Das unidades presentes, apenas o Instituto Federal do Sertão Pernambucano (IF Sertão) não apresentou veredito sobre a suspensão. Representantes da instituição afirmaram que ainda haverá reunião nesta quarta-feira (18) para decidir sobre a continuidade ou paralisação das aulas.

Além dos reitores das instituições, também estiveram presentes na reunião, para dar contribuições e opiniões sobre os efeitos do coronavírus, o secretário de Saúde do Recife, Jailson Correia, Ricarda Samara da Silva, secretária Executiva de Gestão do Trabalho, Educação e Saúde de Pernambuco, Demetrius Montenegro, médico infectologista e chefe do setor de Infectologia do Hospital Universitário Oswaldo Cruz e o diretor do Instituto para Redução de Riscos e Desastres de Pernambuco, Jonas de Albuquerque.

Particulares

Particulares Universidade e faculdades particulares também vêm enviando comunicados aos alunos informando de alterações no calendário escolar. Veja lista de instituições que se pronunciaram:

  • UNINASSAU – aulas suspensas de segunda-feira (16) até o dia 31 de março
  • Uninabuco - aulas suspensas de segunda-feira (16) até o dia 31 de março
  • FPS - aulas suspensas a partir da quarta-feira (18)
  • Fafire - aulas suspensas de segunda-feira (16) até o dia 31 de março
  • Aeso - aulas suspensas de segunda-feira (16) até o sábado (21)
  • FBV - aulas suspensas a partir da segunda-feira
  • Facol - aulas suspensas de segunda-feira (16) até o dia 31 de março

Como se prevenir do coronavírus

O Ministério da Saúde orienta cuidados básicos para reduzir o risco geral de contrair ou transmitir infecções respiratórias agudas, incluindo o coronavírus. Entre as medidas estão:

  • Lavar as mãos frequentemente com água e sabonete por pelo menos 20 segundos, respeitando os 5 momentos de higienização. Se não houver água e sabonete, usar um desinfetante para as mãos à base de álcool.
  • Evitar tocar nos olhos, nariz e boca com as mãos não lavadas.
  • Evitar contato próximo com pessoas doentes.
  • Ficar em casa quando estiver doente.
  • Cobrir boca e nariz ao tossir ou espirrar com um lenço de papel e jogar no lixo.
  • Limpar e desinfetar objetos e superfícies tocados com freqüência.
  • Profissionais de saúde devem utilizar medidas de precaução padrão, de contato e de gotículas (mascára cirúrgica, luvas, avental não estéril e óculos de proteção).

Para a realização de procedimentos que gerem aerossolização de secreções respiratórias como intubação, aspiração de vias aéreas ou indução de escarro, deverá ser utilizado precaução por aerossóis, com uso de máscara N95.

O que é coronavírus?

Coronavírus é uma família de vírus que causam infecções respiratórias. O novo agente do coronavírus foi descoberto em 31/12/19 após casos registrados na China.Os primeiros coronavírus humanos foram isolados pela primeira vez em 1937. No entanto, foi em 1965 que o vírus foi descrito como coronavírus, em decorrência do perfil na microscopia, parecendo uma coroa.

A maioria das pessoas se infecta com os coronavírus comuns ao longo da vida, sendo as crianças pequenas mais propensas a se infectarem com o tipo mais comum do vírus. Os coronavírus mais comuns que infectam humanos são o alpha coronavírus 229E e NL63 e beta coronavírus OC43, HKU1.

Mapa do coronavírus pelo mundo

Pandemia

Na últma quarta-feira (11), a Organização Mundial da Saúde (OMS) declarou o novo coronavírus (covid-19) como uma pandemia. Uma doença infecciosa é considerada uma pandemia quando sua disseminação sai do controle e se espalha por uma região geográfica ou mesmo por todo o planeta, afetando uma grande quantidade de pessoas. Mais de 118 mil pessoas foram infectadas em 114 países. Ao todo, mais de 4.300 mortes foram registradas.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Comentários

Últimas notícias