AÇÃO

'Maior doadora de leite do Brasil' ganha processo contra Danilo Gentili

A pernambucana foi ridicularizada em um programa de televisão em 2013

Rute Arruda
Rute Arruda
Publicado em 30/01/2021 às 0:10
Notícia
CORTESIA
Michele tem quatro filhos e sempre doou leite materno - FOTO: CORTESIA
Leitura:

A técnica em enfermagem pernambucana Michele Rafaela Maximino, conhecida como a 'maior doadora de leite do Brasil' ganhou o processo que moveu contra o apresentador Danilo Gentili por danos morais após ser ridicularizada no programa Agora é Tarde, da Rede Bandeirantes, em 2013.  A ação transitou em julgado no dia 16 de dezembro de 2020 e a decisão foi publicada no Superior Tribunal de Justiça (STJ) nessa quinta-feira (28). Isso significa que não cabe mais recurso.

O valor da reparação foi fixado em R$ 80 mil, que, com juros e correções monetárias, deve chegar a R$ 187 mil. Também foram condenados o comediante Marcelo Mansfield e a Bandeirantes.

>> STJ nega recurso de Danilo Gentili e mantém indenização à doadora de leite

>> Decisão final do STJ mantém indenização de R$ 80 mil à ‘maior doadora de leite do Brasil’

>> Danilo Gentili é condenado a indenizar pernambucana doadora de leite

>> 'Maior doadora de leite do Brasil' ajuda filho de grávida vítima de coronavírus no Recife

Em setembro de 2020, a defesa do apresentador havia apresentado recurso, no entanto, o STJ negou. Com o fim de um processo que iria completar oito anos em outubro de 2021, a família agora respira aliviada. "O sentimento é o melhor possível. De que a justiça foi feita. Foram oito anos na luta. Essa vitória também foi da doação, da amamentação. Eu estou muito feliz com isso e quero sempre incentivar as outras mães a doarem", disse Michele. 

"A gente vinha esperando que isso chegasse ao fim há muito tempo, e chegou um momento que a estupidez não conseguiu vencer a solidariedade", relatou o marido de Michele, Ederval Trajano. Segundo ele, a família sempre esperou que o apresentador se retratasse, mas isso nunca aconteceu. "A gente até pensou que ele pudesse se retratar, que ele pudesse entender que fez um desserviço, mas ele nunca pediu desculpas", contou. 

>> Mesmo com pandemia do coronavírus, 'maior doadora de leite materno do Brasil' mantém ritmo de solidariedade

>> 'Maior doadora de leite do Brasil' vai doar seis litros para maternidade de Caruaru no Dia Internacional da Amamentação

Com a visibilidade que ganhou com a situação, Michele conta que tem o desejo que ajudar a construir um banco de doação de leite. De acordo com a pernambucana, quando começou, de fato, a doar leite, era preciso viajar para que o leite fosse armazenado. 

"Se não fosse o meu marido, eu não teria feito essas doações. No começo, ele que levava o leite. Aqui em Quipapá não tem banco de leite e precisava ir até Caruaru. Nós levávamos todos litros de leite com recursos próprios. Com o João, nós conseguimos que viessem buscar. Em Quipapá tem muita gente que amamenta, que tem filho e também doa. E um banco de leite seria muito bom", disse. Michele tem quatro filhos, um de 21 anos, 8, 10 e outro de 11 meses. Ela conta que desde o início ajudou outros bebês que precisavam de leite materno. No entanto, como não pretende ter mais filhos, o intuito é incentivar outras mães. 

Relembre a história

Michele orgulhou a cidade de Quipapá, no Agreste de Pernambuco, em 2013 após chegar ao marco de aproximadamente 480 litros de leite materno doados. A solidariedade, porém, deslanchou em um triste episódio: a técnica em enfermagem foi ridicularizada pelo então apresentador do programa ‘Agora é Tarde’, Danilo Gentili, que a chamou de ‘vaca’ em rede nacional e a fez parar com as doações à época. Sua família veio morar no Recife após sofrer ofensas no município da Mata Sul de Pernambuco, devido à exposição em rede nacional. Michele chegou a deletar todas as suas redes sociais porque, segundo ela, os fãs de Gentili mandavam "pornografia e mensagens rudes" para ela.

Processo

Ao requerer os danos morais, a técnica de enfermagem alegou que, após o episódio, passou a ser alvo de constrangimentos na cidade onde morava e teve suas relações familiares e de trabalho prejudicadas. Relatou ainda que o abalo psicológico afetou sua produção de leite, prejudicando crianças que dependiam dela para se alimentar.

O processo começou na 2ª Vara Cível da Comarca de Olinda, passou para o Tribunal de Justiça de Pernambuco (TJPE) e chegou ao Superior Tribunal de Justiça (STJ). Em 2016, os réus foram condenados pelo Tribunal de Justiça de Pernambuco (TJPE) a pagar uma multa de R$ 200 mil. O apresentador recorreu da decisão na 5º Câmara Civil do Tribunal de Justiça de Pernambuco, onde teve a multa reduzida para R$ 80 mil.

 

 

Comentários

Últimas notícias