SAÚDE

Veja diferenças entre a nova quarentena em Pernambuco e a de 2020 em cidades do Grande Recife

O decreto com regras detalhadas da quarentena só será publicado nesta terça-feira (16), mas, durante coletiva de imprensa nesta segunda (15), a gestão estadual esclareceu dúvidas sobre as novas restrições

JC
Cadastrado por
JC
Publicado em 15/03/2021 às 18:39 | Atualizado em 15/03/2021 às 18:59
JAILTON JR./JC IMAGEM
Desta vez, não está proibida a circulação de pessoas e veículos em nenhuma cidade de Pernambuco - FOTO: JAILTON JR./JC IMAGEM
Leitura:

Com o intuito de reduzir índices de contaminação pela covid-19, a partir do dia 18 de março, nesta quinta-feira, começam a valer restrições mais severas em Pernambuco. A medida foi anunciada pelo governo do estado nesta segunda-feira (15), e relembra o que todos achavam que seria o pior momento da pandemia no Estado: por volta de maio de 2020, quando cinco municípios do Grande Recife tiveram a circulação proibida.

O decreto com regras detalhadas da quarentena só será publicado nesta terça-feira (16), mas, durante coletiva de imprensa nesta segunda, a gestão estadual esclareceu algumas dúvidas sobre as novas restrições. Confira as diferenças entre as proibições do ano passado, no Recife, Olinda, Jaboatão dos Guararapes, Camaragibe e São Lourenço, para as de 2021:

Rodízio de carros

Entre os dias 16 e 31 de maio, os moradores dos cinco municípios tiveram que passar por um rodízio de veículos, com circulação separada para as placas finalizadas em números pares e ímpares, com exceção para os profissionais de saúde, segurança, Defesa Civil e uso oficial.

No entanto, o decreto válido entre os dias 18 e 28 de março, não instituirá a medida, segundo o procurador-geral do Estado, Ernani Medicis. "Não há, nesse novo decreto, qualquer restrição em relação à circulação de pessoas e veículos. Então, diferentemente do que houve na quarentena do ano passado, que vigorou em maio, neste decreto, não há qualquer vedação ou proibição de pessoas e veículos. Então, as pessoas podem circular e não precisam portar nenhum documento que autorize esse tipo de circulação", afirmou.

Controle de circulação

No lockdown das cinco cidades, houve controle da circulação de pessoas, com fiscais exigindo a apresentação de documento de identificação e justificativa do destino. Na quarentena recém anunciada, isso não acontecerá. "Não há vedação à circulação de ir e vir, inclusive a atividade individual nas vias públicas", disse Medicis.

Serviços essenciais

Em ambas as quarentenas, apenas os serviços essenciais poderão funcionar, ficando proibido o funcionamento de atividades sociais e econômicas não essenciais em todos os horários, durante toda a semana. Desta forma, estarão fechados o comércio não essencial, bares e restaurantes, praias e parques, escolas, lojas de conveniência entre outros. O objetivo é conter o aumento de casos e não colapsar o sistema de saúde.

Ficarão proibidos de funcionar os serviços de:

  • Bares e restaurantes;
  • Shoppings e galerias comerciais;
  • Óticas;
  • Salas de cinema e teatros;
  • Academias;
  • Salão de beleza e similares;
  • Comércio varejista de vestuário, calçados, eletroeletrônicos e linha branca, cama, mesa e banho e produtos de armarinho;
  • Escolas e universidades (públicas e privadas);
  • Clubes sociais , esportivos e agremiações;
  • Práticas e competições esportivas;
  • Praias, parques e praças;
  • Ciclofaixas de lazer, eventos culturais e de lazer, além dos sociais. Igrejas e demais templos religiosos poderão abrir para atividades administrativas e para preparação e realização de celebrações via internet.

Podem funcionar os seguintes serviços considerados essenciais:

  • Supermercados;
  • Padarias;
  • Farmácias;
  • Postos de combustíveis;
  • Petshops;
  • Clínicas, ambulatórios e similares; bancos e lotéricas;
  • Transporte público;
  • Indústrias, atacado e termoelétricas;
  • Construção civil;
  • Material de construção;
  • Materiais e equipamentos de informática;
  • Lojas de materiais e equipamentos agrícolas, oficinas e assistências técnicas e lojas de veículos.

 

Comentários

Últimas notícias