Decreto

Pernambuco prorroga restrições de comércio e atividades econômicas

Medidas vão vigorar até 23 de maio, quando se encerra o prazo do novo decreto

Adriana Guarda Giovanna Torreão
Adriana Guarda
Giovanna Torreão
Publicado em 06/05/2021 às 17:16
Notícia
FELIPE RIBEIRO/JC IMAGEM
Comércio do Bairro de São José, no Recife - FOTO: FELIPE RIBEIRO/JC IMAGEM
Leitura:

O Governo de Pernambuco anunciou, em coletiva de imprensa na tarde desta quinta-feira (06), a prorrogação das restrições de como fica o funcionamento de comércio e atividades econômicas no estado. O atual decreto valia até o próximo domingo (09), Dia das Mães, mas será estendido por mais 15 dias. Dessa forma, as medidas determinadas pelo decreto estadual vão vigorar até o dia 23 de maio. 

A secretária executiva de Desenvolvimento Econômico de Pernambuco, Ana Paula Valença, diz que o governo tem um plano de convivência de combate à covid-19 e que a tomada de decisões é baseada nos números. Questionada sobre o avanço da pandemia no Estado e o esgotamento de vagas das UTIs, a secretária foi questionada pela imprensa se as medidas adotadas pelo governo não estariam sendo brandas.

"As medidas não estão sendo brandas, elas são proporcionais à situação das regiões, dos municípios e dos setores. Os números da saúde são acompanhados dia a dia e o plano de convivência pode ser alterado de acordo com os dados", afirma Ana Paula. A pergunta sobre medidas brandas faz referência à ampliação do horário de funcionamento do comércio para o Dia das Mães.

"Esta semana, por meio de uma portaria, foi autorizada a extensão do horário para o Dia das Mães, como uma forma de diluir a presença das pessoas nos shoppings e no comércio em geral. Neste sábado (8) os estabelecimentos poderão funcionar das 8h às 20h e no domingo (9) das 8h às 18h para diluir o fluxo e evitar aglomeração. Mas as medidas sanitárias para os comércio estão mantidas e a carga permitida é de uma pessoa a casa 10 metros nas áreas em comum e de uma a cada 5 metros no interior das lojas. Além disso, a fiscalização será ampliada neste período", destaca a secretária.

Preocupação com as UTIs 

Durante a coletiva, a secretária destacou que um dos motivos para manter as restrições econômicas por mais 15 dias, é a taxa de ocupação das UTIs, que está em 97%. Embora o governo do Estado esteja sempre anunciando ampliação de leitos, o número ainda é insuficiente para dar conta da demanda. O secretário de Saúde, André Longo lembra que em maio do ano passado, durante o pico da primeira onda da covid-19, o número de leitos de UTIs era de 1.089 e que agora já são 1.654. Ele anunciou a abertura de 24 novos leitos infantis no Imip, além de 29 leitos gerais de UTI pedriátrica em Ouricuri e Araripina, no Sertão e 34 leitos UPAE de Goiana. 

Recorde de casos

O boletim epidemiológico divulgado pela Secretaria Estadual de Saúde (SES) nesta quinta-feira (6) registrou 3.074 novos casos da Covid-19 em 24h, número recorde desde o início da pandemia em Pernambuco.

Do total, 144 (4,5%) são casos de Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG) e 2.930 (95,5%) são leves. Agora, Pernambuco totaliza 418.003 casos confirmados da doença, sendo 41.127 graves e 376.876 leves.

Também foram confirmados 52 óbitos, ocorridos entre 14 de novembro de 2020 e 05 de maio de 2021. Com isso, o Estado totaliza 14.385 mortes pela Covid-19.

Média móvel

Apesar do alto número de confirmações, a média móvel de casos do novo coronavírus em Pernambuco apresenta tendência de estabilidade. O indicativo - considerado o melhor jeito de medir o comportamento da pandemia - calcula a média dos últimos sete dias (contando com hoje) e compara com a de duas semanas atrás. Variações acima de 15%, seja para mais ou menos, indicam tendência de alta ou queda, respectivamente. Já abaixo disso, indica estabilidade.

Com as mais 3.074 confirmações desta quinta, a média móvel de casos ficou em 1.905, 3% de variação em relação a de 14 dias atrás.

Já a de mortes apresentou tendência de estabilidade nesta quinta pela primeira vez em sete dias. O indicativo está em 60, uma variação de -1% em relação a duas semanas atrás.

 

Comentários

Últimas notícias