POLÍCIA

Denúncia: jovem tem costela fraturada após recusar vizinho casado no Grande Recife

O caso teria acontecido na última sexta-feira (13) na frente da casa da vítima, em Ponte dos Carvalhos, após meses de investidas do homem contra ela

Katarina Moraes
Cadastrado por
Katarina Moraes
Publicado em 16/05/2022 às 17:48 | Atualizado em 17/05/2022 às 12:08
WILSON SILVA/JC IMAGEM
Exames de imagens feitos pela vítima comprovam as fraturas - FOTO: WILSON SILVA/JC IMAGEM
Leitura:

Com informações da repórter Dyandhra Monteiro, da TV Jornal

A dona de casa Andreza Gabriele Gomes, de 22 anos, procurou a Delegacia da Mulher do Cabo de Santo Agostinho, no Grande Recife, nesta segunda-feira (16) para denunciar o vizinho. Ela contou ter tido a costela fraturada pelo suspeito após ter recusado a se relacionar com ele, que é casado.

O caso teria acontecido na última sexta-feira (13) na frente de casa da vítima, em Ponte dos Carvalhos. Após meses de investida do homem, Andreza chamou a esposa dele para conversar e expor o que estava acontecendo. "Expliquei tudo para ela e ela concordou, disse que ele não prestava", contou a vítima.

Segundo o relato dela, ambas entraram em casa e a esposa do homem teria contado a ele a conversa que teve com Andreza — o que o revoltou.

"Do terraço dele, ele já começou a me esculhambar, a dizer que eu queria acabar com o casamento dele. Eu comecei a debater e fui ao encontro dele. Nunca passou pela minha cabeça que ele iria bater em mim", contou.

Ela explica que, ao virar as costas para pedir para o filho entrar em casa, o homem puxou o seu cabelo, levando-a ao chão e desferindo chutes em suas costas. A cunhada da vítima, então, interferiu na briga. 

"Eu o empurrei e ele veio para cima de mim, só não me bateu por causa da vizinha que ajudou. Ele dizia que ia matar nós duas. Não conseguimos dormir com medo das ameaças", disse a parente, que preferiu não se identificar. 

Andreza foi levada para a Unidade de Pronto Atendimento (UPA) de Barra de Jangada, e em seguida transferida para o Hospital da Restauração (HR), na área central da capital pernambucana. Exames de imagem levados à delegacia comprovam as fraturas.

WILSON SILVA/JC IMAGEM
Exames de imagens feitos pela vítima comprovam as fraturas - WILSON SILVA/JC IMAGEM

"Eu espero que aconteça justiça, porque tem muitas mulheres que se calam nessa situação. Quero que ele pague pelo que ele fez com minha irmã, porque isso não se faz nem com um animal", disse a irmã da vítima, a cabeleireira Ana Gomes.

Inicialmente, o boletim de ocorrência foi registrado pela polícia como ameaça e lesão corporal, mas os advogados acreditam que a jovem foi vítima de uma tentativa de feminicídio. Amedrontada, a vitima também solicitou uma medida protetiva.

"Esperamos que o poder judiciário enxergue o que conseguimos enxergar, principalmente através dos exames, e que as medidas legais sejam cumpridas para que sirva de exemplo para outros homens covardes iguais a ele não se valham dessa impunidade e as estatísticas passem a diminuir", disse a advogada de Andreza, Bárbara Alexa.

WILSON SILVA/JC IMAGEM
Caso foi registrado na 14ª Delegacia Especializada de Atendimento à Mulher, no Cabo de Santo Agostinho - WILSON SILVA/JC IMAGEM

Aumento nos casos de feminicídio

A Polícia Civil de Pernambuco registrou 86 crimes de feminicídio em 2021, um aumento de 14,6% em relação a 2020, conforme trouxe a coluna Ronda JC. Praticado pelo menosprezo ou discriminação à condição de mulher, o crime é provocado, em geral, por maridos, namorados ou ex-companheiros.

Comentários

Últimas notícias