NOVO CORONAVÍRUS

Bolsonaro diz que ameaça do novo coronavírus está 'superdimensionada'

Bolsonaro está em viagem, nos Estados Unidos

Agência Brasil
Agência Brasil
Publicado em 09/03/2020 às 21:43
Notícia
ANTÔNIO CRUZ/AGÊNCIA BRASIL
O presidente da República, Jair Bolsonaro (sem partido) - ANTÔNIO CRUZ/AGÊNCIA BRASIL
Leitura:

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) minimizou nesta segunda-feira o risco do novo coronavírus, que já matou mais de 4 mil pessoas em 100 países e derrubou as Bolsas em todo o mundo, ao avaliar, em Miami, que o poder destrutivo da nova epidemia foi "superdimensionado".

>> Brasil tem 30 casos confirmados de coronavírus

>> Kits para detecção do novo coronavírus chegam a Pernambuco

>> Governo passará a testar coronavírus mesmo em quem não esteve fora do País

>> Sobe para 12 o número de casos suspeitos de coronavírus em Pernambuco

A queda nas Bolsas em todo o mundo "tem a ver com os preços do petróleo" e com "a questão do coronavírus", declarou Bolsonaro para cerca de 200 brasileiros reunidos em Miami.

"Os números estão demonstrando que o Brasil começou a arrumar sua economia. Obviamente os números de hoje [na Bolsa do Brasil e do mundo todo] têm a ver com os preços do petróleo, basicamente, que despencou quase 30%, e na questão do coronavírus também, que no meu entender está sendo superdimensionado o poder destruidor desse vírus".

"Talvez isso esteja sendo potencializado até por questões econômicas. Mas acredito que o Brasil não é que vai dar certo: já deu certo", afirmou o presidente.

Em Genebra, o diretor da Organização Mundial de Saúde (OMS), Tedros Adhanom Ghebreyesus, avaliou nesta segunda-feira que a "ameaça de uma pandemia se tornou muito real" agora que o coronavírus "se estendeu a muitos países".

A Bolsa de São Paulo recuou nesta segunda-feira mais de 12%, a maior perda desde 1998, com as ações da Petrobras mergulhando quase 30%.

Trata-se da maior queda percentual da principal Bolsa latino-americana desde 10 de setembro de 1998, quando recuou 15,83% devido à moratória da dívida russa.

As ações da Petrobras lideraram as perdas: os papéis preferenciais da estatal caíram 29,70% e as ações ordinárias, 29,68%.

Bolsonaro faz uma viagem pela Flórida com o objetivo de recuperar a confiança dos investidores na maior economia da América Latina.

Veja o mapa que retrata como o novo coronavírus se espalha pelo mundo

Confira o passo a passo de como lavar as mãos de forma adequada

Comentários

Newsletters

Ver todas

Fique por dentro de tudo que acontece. Assine grátis as nossas Newsletters.

Últimas notícias