ORÇAMENTO PARALELO

Raul Henry defende que o governo deve salvar empresas e empregos da crise causada pela pandemia de coronavírus

O deputado federal afirmou que taxar fortunas para alimentar o orçamento paralelo é cogitado

Carolina Fonsêca
Carolina Fonsêca
Publicado em 26/03/2020 às 18:04
Notícia
Foto: Diego Nigro / JC Imagem
Raul Henry (MDB-PE) defendeu a proposta do "coronavoucher" e a criação do orçamento paralelo para contornar as consequências da crise - FOTO: Foto: Diego Nigro / JC Imagem
Leitura:

Em meio a crise gerada pela pandemia de coronavírus, o Brasil estuda maneiras de amparar as pessoas que trabalham na informalidade, os pequenos e microempreendedores e também as grandes empresas, já que o impacto se estende por toda a cadeia econômica. Durante entrevista à Rádio Jornal, concedida na tarde desta quinta-feira (26), o deputado federal Raul Henry (MDB-PE) elogiou a proposta do “coronavoucher” e o “orçamento de guerra” e afirmou que é preciso salvar as empresas e os empregos.

>> Rodrigo Maia defende coronavoucher de R$ 500 a informais

>> Dinheiro prometido não chega, e empresas aceleram demissões

>> Com 77 mortes, Brasil tem 2.915 casos de coronavírus

Levando em consideração que o orçamento destinado para contornar os problemas gerados pela crise será um montante à parte, Raul Henry afirmou ainda que “conseguir este dinheiro não é um problema”, acrescentando que é possível diminuir salários dos servidores e taxar grandes fortunas.

“Temos que salvar as empresas e, sobretudo, os empregos dessas empresas. A ação do governo federal tem que ser no sentido de oferecer amparo às pessoas e às empresas. Ouvi comentários de economistas respeitados e tem que ir nessa direção. O Estado subsidia as folhas das empresas para que elas não demitam os trabalhadores”, disse. Henry citou ainda que o país pode se espelhar no exemplo da Alemanha pós-guerra, onde o governo ajudava empresas financeiramente para manter os empregados.

Fazer o orçamento paralelo, na opinião do deputado, não é difícil. “As receitas devem vir de outras iniciativas. Estão sendo propostas a redução de jornada e salários dos servidores, a começar pela Câmara dos Deputados, fala-se também em taxar grandes fortunas para que os mais ricos também participem disso. O problema maior não é como gerar esse orçamento, mas sim fazer esse dinheiro chegar na mão de quem precisa”, argumentou.

Coronavoucher

Também na tarde desta quinta-feira, o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM) defendeu o pagamento de R$ 500 a trabalhadores informais ( sem carteira assinada ou empreendedores sem registro), auxílio apelidado pelo Governo Federal de "coronavoucher", durante a pandemia, durante entrevista coletiva.

Endossando o discurso de Maia, Henry disse que a proposta foi “muito correta” e que o orçamento paralelo “não contamina o orçamento fiscal do país”. “Não é nada além do razoável para enfrentar uma calamidade”, destacou.

O deputado também fez críticas à equipe econômica do presidente Jair Bolsonaro (sem partido), afirmando que o Ministério da Economia demorou para reagir à crise resultante da pandemia e enfatizou que os deputados estão de plantão esperando as propostas do Executivo para votá-las o quanto antes.

Assine a nova newsletter do JC e fique bem informado sobre o coronavírus

Todos os dias, de domingo a domingo, sempre às 20h, o Jornal do Commercio divulga uma nova newsletter diretamente para o seu email sobre os assuntos mais atualizados do coronavírus em Pernambuco, no Brasil e no mundo. E como faço para receber? É simples. Os interessados podem assinar esta e outras newsletters através do link jc.com.br/newsletter ou no box localizado no final das matérias.

O que é coronavírus?

Coronavírus é uma família de vírus que causam infecções respiratórias. O novo agente do coronavírus foi descoberto em 31/12/19 após casos registrados na China.Os primeiros coronavírus humanos foram isolados pela primeira vez em 1937. No entanto, foi em 1965 que o vírus foi descrito como coronavírus, em decorrência do perfil na microscopia, parecendo uma coroa.

A maioria das pessoas se infecta com os coronavírus comuns ao longo da vida, sendo as crianças pequenas mais propensas a se infectarem com o tipo mais comum do vírus. Os coronavírus mais comuns que infectam humanos são o alpha coronavírus 229E e NL63 e beta coronavírus OC43, HKU1.

Como prevenir o coronavírus?

O Ministério da Saúde orienta cuidados básicos para reduzir o risco geral de contrair ou transmitir infecções respiratórias agudas, incluindo o coronavírus. Entre as medidas estão:

  • Lavar as mãos frequentemente com água e sabonete por pelo menos 20 segundos, respeitando os 5 momentos de higienização. Se não houver água e sabonete, usar um desinfetante para as mãos à base de álcool.
  • Evitar tocar nos olhos, nariz e boca com as mãos não lavadas.
  • Evitar contato próximo com pessoas doentes.
  • Ficar em casa quando estiver doente.
  • Cobrir boca e nariz ao tossir ou espirrar com um lenço de papel e jogar no lixo.
  • Limpar e desinfetar objetos e superfícies tocados com freqüência.
  • Profissionais de saúde devem utilizar medidas de precaução padrão, de contato e de gotículas (mascára cirúrgica, luvas, avental não estéril e óculos de proteção).

Para a realização de procedimentos que gerem aerossolização de secreções respiratórias como intubação, aspiração de vias aéreas ou indução de escarro, deverá ser utilizado precaução por aerossóis, com uso de máscara N95.

Confira o passo a passo de como lavar as mãos de forma adequada

 

Comentários

Últimas notícias