covid-19

Veja campanha política de Bolsonaro para tirar povo de casa na crise do coronavírus: 'Brasil não pode parar"

Governo Federal lançou campanha para incentivar brasileiros a deixarem isolamento social

Maria Lígia Barros
Maria Lígia Barros
Publicado em 27/03/2020 às 11:22
Notícia
REPRODUÇÃO
A campanha 'O Brasil não pode parar' é a favor do fim do isolamento social - FOTO: REPRODUÇÃO
Leitura:

Reforçando o discurso que o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) tem adotado em defesa do isolamento vertical, o Governo Federal lançou uma campanha publicitária chamando a população para voltar a trabalhar. As peças custaram R$ 4,8 milhões à União e foram produzidas sem lançamento de licitação, segundo publicação no Diário Oficial dessa quinta-feira (26). A empresa responsável é a iComunicação.

O discurso do Planalto vem sendo duramente criticado por Estados e municípios que impuseram restrições ao funcionamento de comércio e serviços durante avanço da pandemia do coronavírus. O governador Paulo Câmara (PSB) afirmou, em entrevista à Rádio Jornal nesta sexta-feira (27), que Bolsonaro "olha para o próprio umbigo e não olha para o povo". "População, tenha paciência, não é fácil, mas é um esforço em prol da vida. Peço que Governo Federal aja, veja os mais vulneráveis. Quero esforço mútuo, não fazer disputa."

>> O que é isolamento vertical, sugestão de Bolsonaro para conter coronavírus?

>> Opinião: Propaganda mandando pessoas irem trabalhar é dinheiro público investido contra a Saúde e ajuda o inimigo coronavírus

Uma publicação no Instagram da Secretaria de Comunicação (Secom) da quarta-feira (25) defende que são raros os casos de vítimas fatais pelo coronavírus.

"Portanto, é preciso proteger estas pessoas e todos os integrantes dos grupos de risco, com todo cuidado, carinho e respeito. Para estes, o isolamento. Para todos os demais, distanciamento, atenção redobrada e muita responsabilidade. Vamos, com cuidado e consciência, voltar à normalidade", fala.

O filho do presidente, Flávio Bolsonaro, publicou na noite dessa quinta-feira (26) um vídeo da campanha que reitera a mensagem.

Veja:

"Para os quase 40 milhões de trabalhadores autônomos, o Brasil não pode parar.

Para os ambulantes, engenheiros, feirantes, arquitetos, pedreiros, advogados, professores particulares e prestadores de serviço em geral, o Brasil não pode parar.

Para os comerciantes do bairro, para os lojistas do centro, para os empregados domésticos, para milhões de brasileiros, o Brasil não pode parar.

Para todas as empresas que estão paradas e que acabarão tendo que fechar as portas ou demitir funcionários, o Brasil não pode parar.

Para dezenas de milhões de brasileiros assalariados e suas famílias, seus filhos e seus netos, seus pais e seus avós, o Brasil não pode parar.

Para os milhões de pacientes das mais diversas doenças e os heroicos profissionais de saúde que deles cuidam, para os brasileiros contaminados com o coronavírus,para todos que dependem de atendimento e da chegada de remédios e equipamento, o Brasil não pode parar.

Para quem defende a vida dos brasileiros e as condições para que todos vivam com qualidade, saúde e dignidade, o Brasil definitivamente não pode parar"

 Governadores criticam posicionamento de Bolsonaro

 Em consonância com as normativas da Organização Mundial de Saúde (OMS) e do próprio Ministério da Saúde (MS), os Estados têm usado a quarentena como medida de combate à disseminação do vírus.

Por conta do posicionamento contrário às recomendações das entidades de saúde, Bolsonaro está recebendo críticas de governadores, inclusive de antigos aliados. 

O governador de Goiás, Ronaldo Caiado (DEM), por exemplo, rompeu com o presidente publicamente na quarta-feira (25). "Na política e na vida, ignorância não é uma virtude", citou a frase do ex-presidente dos Estados Unidos Barack Obama. 

Os governadores João Doria (PSDB) e Wilson Witzel (PSC), de São Paulo e Rio de Janeiro, têm protagonizado atritos diretos com o presidente. Em videoconferência com Bolsonaro, também na quarta, os dois se manifestaram contra a atitude de Bolsonaro de minimizar a crise. 

Nesta sexta, Paulo Câmara, de Pernambuco, pontuou que o Governo Federal não apresentou estratégia para o enfrentamento do problema.

"Politização é ruim. Estamos ouvindo quem entende e faz as recomendações para ficar em casa. Governo Federal não cuidou, não distribui equipamentos, não tem estratégia nacional. Qual o plano de verticalização? Não tem!", declarou.  Olha pro próprio umbigo e não olha para o povo. Peço que Governo Federal aja, veja os mais vulneráveis. Quero esforço mútuo, não fazer disputa", declarou.

"O Governo (Federal) precisa de uma coordenação. A preocupação é o que faz com que a população fique inquieta e a gente tem que buscar formas para que a população fique em casa com garantia que não lhe faltar nada", disparou.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Comentários

Últimas notícias