Sem Polêmicas

Nelson Teich: Não vou julgar o que foi feito por Mandetta

O novo ministro da Saúde evitou criticar frontalmente a estratégia de isolamento social amplo para conter o avanço da covid-19 no Brasil

Estadão Conteúdo
Estadão Conteúdo
Publicado em 16/04/2020 às 22:01
Notícia
REPRODUÇÃO/YOUTUBE
Desafio para o novo chefe da Saúde. Brasil tem um dos menores níveis de testagens da população para o novo coronavírus entre os países mais afetados pela doença - FOTO: REPRODUÇÃO/YOUTUBE
Leitura:

Embora tenha sido escolhido por causa da insatisfação do presidente Jair Bolsonaro com Luiz Henrique Mandetta, o novo ministro da Saúde, Nelson Teich, afirmou que não julgará a atuação nem as medidas adotadas pelo antecessor. Em entrevista à Record TV na noite desta quinta-feira, 16, disse que agradecerá tudo o que puder aproveitar em sua gestão.

>> 'Quem vai convencer os governadores vai ser o povo fazendo manifestações', diz Bolsonaro sobre reabertura do comércio

>> Nelson Teich fala em "alinhamento completo" com Bolsonaro, mas diz que não haverá "movimento brusco"

>> 'A ciência é a luz', diz Mandetta ao se despedir do Ministério da Saúde

 

"Não vou comentar sobre o ministro Mandetta. Respeito o ministro Mandetta. É muito difícil julgar uma pessoa depois que aquilo já passou", afirmou. "Uma coisa tem que ficar muito clara: eu não vou julgar o que foi feito antes de eu entrar. Vou julgar o que tenho que fazer daqui para frente. Sou daqui para frente. Vou respeitar o para trás e vou agradecer tudo o que a gente puder aproveitar para o que a gente for fazer daqui pra frente".

Teich também evitou criticar frontalmente a estratégia de isolamento social amplo para conter o avanço da covid-19 no Brasil. Para o médico, qualquer modalidade de isolamento, ainda que apenas de pessoas de grupos de risco, deve levar em conta uma série de questões complementares. Na avaliação do novo ministro, o debate entre uma e outra estava sendo "superficial"

>> 'O Brasil tem que voltar a trabalhar', diz Bolsonaro ao lado do novo ministro da Saúde

>> Bolsonaro é alvo de panelaço no Recife durante pronunciamento sobre saída de Mandetta

>> Bolsonaro estuda enviar projeto de lei ao Congresso determinando quais são as atividades essenciais no isolamento social do coronavírus

"O que tenho colocado é que discussões genéricas, tipo o vertical, o horizontal, são muito superficiais. O fundamental seria que você tentasse entender, por exemplo, quantos por cento da população estão infectados, quantos estão imunizados, quanto é a transmissibilidade dessa doença. Se não tem isso, a discussão sobre o tipo de isolamento é mais uma discussão emocional, é uma discussão de opiniões", disse.

Questionado sobre o que mudará de imediato ao ser oficializado ministro, respondeu que ainda precisa se ambientar. "Tenho que entender o que está acontecendo, tenho que entender o que foi feito, entender o que já existe hoje tanto na Saúde quanto fora da Saúde, nos ministérios. A partir daí vou fazer um diagnóstico e a partir daí vou definir políticas e ações", frisou.

Perfil

Nelson Luiz Sperle Teich é médico oncologista, formado em Medicina pela Universidade Estadual do Rio de Janeiro (UERJ) e especialista em oncologia pelo Instituto Nacional do Câncer. Fundou e presidiu o Grupo Clínicas Oncológicas Integradas (COI) entre 1990 e 2018.

Na campanha de Bolsonaro à Presidência em 2018, atuou como consultor da área da saúde. Chegou a ser cotado ao Ministério da Saúde à época. Atualmente é sócio da Teich Health Care, uma consultoria de serviços médicos.

Na entrevista que marcou sua despedida da pasta, Mandetta definiu o sucessor como um bom pesquisador, embora não conheça o SUS. Teich tem o apoio da classe médica e mantém boa relação com empresários do setor da saúde.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Comentários

Últimas notícias