DISCURSO

"Cumprimento-o pela coragem", diz Bolsonaro a Nelson Teich, ministro da Saúde

Novo ministro da Saúde, Nelson Teich, tomou posse na manhã desta sexta-feira (17)

Katarina Moraes Agência Estado
Katarina Moraes
Agência Estado
Publicado em 17/04/2020 às 11:57
Notícia
MARCELLO CASAL JR./AGÊNCIA BRASIL
Teich (direita) entrou no lugar de Mandetta... e já saiu. - FOTO: MARCELLO CASAL JR./AGÊNCIA BRASIL
Leitura:

Durante a cerimônia de posse do novo ministro da Saúde, Nelson Teich, na manhã desta sexta-feira (17), o presidente Jair Bolsonaro agradeceu ao médico oncologista por ter aceitado comandar a pasta durante pandemia do novo coronavírus e mencionou, honrosamente, o ex-ministro Luiz Henrique Mandetta.

"Prezado Nelson, meus parabéns pela coragem e pelo tempo que você dedicará em buscar solução. Com toda certeza vai sofrer um pouco sua família. Peço compreensão a sua esposa e sua família, mas seu trabalho, assim como Mandetta, é muito dignificante pra todos nós", disse.

O presidente explicou, ainda, o por que do desligamento de Mandetta. "A minha visão é um pouco diferente da do ministro, que está focado no seu ministério. Minha visão tem que ser mais ampla, [porque] os riscos maiores, logicamente, estão sob minha responsabilidade. Eu tenho o dever de decidir. Eu não posso me omitir. Tenho que buscar aquilo que, segundo o povo que acreditou em mim, deve ser feito. A visão do Mandetta, que era muito boa, era da saúde e da vida. A minha, além da saúde e da vida, entrava Paulo Guedes, entrava a economia, entrava o emprego".

"Tanto na saúde, quanto na economia"

Durante discurso, Nelson Teich defendeu a integração de medidas econômicas com ações do ministério da Saúde no combate ao novo coronavírus. "Levar o Brasil para uma situação melhor tanto na saúde, quanto na economia", disse.

"Agradeço ao presidente pela oportunidade de ajudar o Brasil em um momento como esse e que, além disso e depois disso, a gente consiga trabalhar a saúde como um todo, em todas as áreas, juntando a saúde pública à saúde suplementar. Pessoas do empresariado que querem ajudar, a ideia da gente é trazer todo mundo junto, em um grande guarda-chuva, em um grande planejamento, em um grande time, para que a gente realmente consiga levar o Brasil para uma situação melhor, tanto na saúde quanto na economia".

O ministro falou, também, como a falta de informação pode prejudicar a luta contra a covid-19. “A pobreza de informação sobre a doença é que nos leva a um nível de medo e incerteza sobre esse surto. A gente vê pessoas de máscaras nas ruas. Aeroportos vazios”, disse. “É uma coisa que parece filme e isso leva ao medo. Podemos trabalhar mostrando que por meio de planejamento e conhecimento, construir uma plano de saúde pública”, completou.

"Tudo o que a gente vai fazer é nas pessoas. Por mais que você fale em saúde, por mais que você fale em economia, não importa o que você fala. No final, é sempre gente. E é isso que a gente veio fazer aqui: trazer uma vida melhor para a sociedade, para as pessoas do Brasil".

Na cerimônia, estiveram presentes o presidente Jair Bolsonaro, o vice-presidente Hamilton Mourão, o ex-ministro da Saúde Luiz Henrique Mandetta, o Chefe da Casa Civil Walter Souza Braga Netto, o procurador-geral da República Augusto Aras e a primeira-dama Michele Bolsonaro.

Quem é Nelson Teich?

Nelson Luiz Sperle Teich é médico oncologista, formado em Medicina pela Universidade Estadual do Rio de Janeiro (UERJ) e especialista em oncologia pelo Instituto Nacional do Câncer. Fundou e presidiu o Grupo Clínicas Oncológicas Integradas (COI) entre 1990 e 2018.

Na campanha de Bolsonaro à Presidência em 2018, atuou como consultor da área da saúde. Chegou a ser cotado ao Ministério da Saúde à época. Atualmente é sócio da Teich Health Care, uma consultoria de serviços médicos.

Na entrevista que marcou sua despedida da pasta, Mandetta definiu o sucessor como um bom pesquisador, embora não conheça o SUS. Teich tem o apoio da classe médica e mantém boa relação com empresários do setor da saúde.

Demissão de Mandetta

Teich assumiu o cargo do lugar de Mandetta após sucessivos desentendimentos entre Bolsonaro e o ex-ministro sobre as diretrizes das políticas públicas de combate à pandemia do novo coronavírus. Mandetta é a favor de medidas de isolamento social, como recomenda a Organização Mundial de Saúde (OMS). Já o presidente defende flexibilizar as medidas de distanciamento para a retomada da atividade econômica.

O ex-ministro também pedia cautela no uso da cloroquina para tratar a covid-19, com o argumento de que não há pesquisas científicas sobre a comprovação da eficácia contra o vírus. Bolsonaro aposta no medicamento, usado no tratamento contra a malária, como um tipo de cura para a doença.

Nessa quinta, após o anúncio da demissão de Mandetta, Teich afirmou em pronunciamento que não fará mudanças "bruscas" na pasta. O novo ministro disse ainda que existe um "alinhamento completo" dele com o presidente. "Saúde e economia: as duas coisas não competem entre si. Quando polariza, começa a tratar pessoas versus dinheiro, o bem versus mal, emprego versus pessoas doentes", afirmou Teich.


Assine a nova newsletter do JC e fique bem informado sobre o coronavírus

Todos os dias, de domingo a domingo, sempre às 20h, o Jornal do Commercio divulga uma nova newsletter diretamente para o seu email sobre os assuntos mais atualizados do coronavírus em Pernambuco, no Brasil e no mundo. E como faço para receber? É simples. Os interessados podem assinar esta e outras newsletters através do link jc.com.br/newsletter ou no box localizado no final das matérias.

O que é coronavírus?

Coronavírus é uma família de vírus que causam infecções respiratórias. O novo agente do coronavírus foi descoberto em 31/12/19 após casos registrados na China.Os primeiros coronavírus humanos foram isolados pela primeira vez em 1937. No entanto, foi em 1965 que o vírus foi descrito como coronavírus, em decorrência do perfil na microscopia, parecendo uma coroa.

A maioria das pessoas se infecta com os coronavírus comuns ao longo da vida, sendo as crianças pequenas mais propensas a se infectarem com o tipo mais comum do vírus. Os coronavírus mais comuns que infectam humanos são o alpha coronavírus 229E e NL63 e beta coronavírus OC43, HKU1.

Como prevenir o coronavírus?

O Ministério da Saúde orienta cuidados básicos para reduzir o risco geral de contrair ou transmitir infecções respiratórias agudas, incluindo o coronavírus. Entre as medidas estão:

  • Lavar as mãos frequentemente com água e sabonete por pelo menos 20 segundos, respeitando os 5 momentos de higienização. Se não houver água e sabonete, usar um desinfetante para as mãos à base de álcool.
  • Evitar tocar nos olhos, nariz e boca com as mãos não lavadas.
  • Evitar contato próximo com pessoas doentes.
  • Ficar em casa quando estiver doente.
  • Cobrir boca e nariz ao tossir ou espirrar com um lenço de papel e jogar no lixo.
  • Limpar e desinfetar objetos e superfícies tocados com freqüência.
  • Profissionais de saúde devem utilizar medidas de precaução padrão, de contato e de gotículas (mascára cirúrgica, luvas, avental não estéril e óculos de proteção).

Para a realização de procedimentos que gerem aerossolização de secreções respiratórias como intubação, aspiração de vias aéreas ou indução de escarro, deverá ser utilizado precaução por aerossóis, com uso de máscara N95.

Confira o passo a passo de como lavar as mãos de forma adequada

 

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Comentários

Últimas notícias