perseguição ao PT

Zambelli diz que Moro tinha 'predileção' em investigar o PT e protegia o PSDB

Deputada federal pelo PSL informou que "a única pessoa que Moro prendeu fora do PT, foi o Eduardo Cunha. A gente não teve prisões do mensalão tucano"

JC
JC
Publicado em 25/05/2020 às 15:06
Notícia
Filipe Jordão/JC Imagem
Carla Zambelli (PSL-SP) teve conversa com o ex-ministro na última quinta-feira (23) - FOTO: Filipe Jordão/JC Imagem
Leitura:

Em entrevista concedida nesta segunda-feira (25) ao programa Timelime, da Rádio Gaucha, do Rio Grande do Sul, a deputada federal Carla Zambelli (PSL-SP) afirmou que o ex-ministro da Justiça e Segurança Pública Sergio Moro tinha "predileção" por investigar o PT e protegia judicialmente o PSDB. Moro foi padrinho de casamento da deputada, mas a relação foi quebrada após ele divulgar mensagens que trocou com ela ao Jornal Nacional.

» Em entrevista, Moro afirma que Bolsonaro não apoiou combate à corrupção

"No período em que o Sergio Moro foi juiz, a única pessoa que ele prendeu fora do PT e que era de grande escala foi o Eduardo Cunha. A gente não teve prisões do Mensalão tucano, e nem de vários mensaleiros tucanos que já estavam sem foro privilegiado", afirmou.

Perguntada se estava dizendo que Moro protegia o PSDB, a deputada confirmou que Moro "tinha predileção em investigar e condenar o PT". "Era uma percepção interna (entre os delegados da PF) de que não se falava no PSDB (dentro da Lava Jato)", finalizou.

» Bolsonaro diz só querer entregar 'esse Brasil melhor' para quem sucedê-lo

Moro chegou a apresentar as mensagens trocadas com o presidente da República e com a deputada ao Jornal Nacional, no dia 24 de abril, quando pediu demissão do Ministério alegando a intenção da possível interferência de Bolsonaro na PF.

» Em mensagem para Moro antes da reunião ministerial, Bolsonaro avisa que vai mudar comando da PF

Na conversa com Zambelli, ela afirmou que iria fazer o presidente "o JB (Jair Bolsonaro) prometer" indicá-lo ao cargo de ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) no segundo semestre de 2020, caso ele permanecesse no governo. Na ocasião, o ex-ministro respondeu que não estava "à venda".

No início da tarde desta segunda, a deputada republicou no seu Twitter uma postagem que falava sobre a exposição feita por ela. "Moro bateu cachorro morto (PT) achando que ajudaria o PSDB". A publicação também afirma que o PT e PSDB pertencem à esquerda.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Comentários

Últimas notícias