Eleições 2020

Murilo Cavalcanti volta a defender permanência do MDB na Frente Popular

Partido anuncia qual posição vai adotar na eleição do Recife nesta terça-feira (11)

Luisa Farias
Luisa Farias
Publicado em 10/08/2020 às 10:34
Notícia

Foto: Divulgação
"Como é que a gente gente vai passar quase oito anos na gestão do prefeito Geraldo Julio, ai de uma hora para outra, não presta mais essa gestão?", questiona Murilo - FOTO: Foto: Divulgação
Leitura:

Atualizada às 11h05

Um dia antes do MDB de Pernambuco anunciar qual será a posição vai adotar na eleição do Recife, o secretário de Segurança Urbana do Recife, Murilo Cavalcanti, rechaçou qualquer possibilidade da sigla se desvincular da Frente Popular, grupo liderado pelo PSB em Pernambuco. Murilo é aliado de primeira hora do senador Jarbas Vasconcelos e do deputado federal Raul Henry, principais lideranças do MDB no estado. 

"Como é que a gente gente vai passar quase oito anos na gestão do prefeito Geraldo Julio, ai de uma hora para outra, não presta mais essa gestão? De uma hora para outra a gente vai se opor a um projeto que está avançando com a cidade do Recife? De maneira nenhuma. Eu tenho conversado com Dr. Jarbas sobre isso, da importância da gente continuar junto na Frente Popular, de continuar nesse projeto que está avançando com a cidade do Recife", ressaltou o secretário, em entrevista concedida ao programa Passando a Limpo da Rádio Jornal na manhã desta segunda-feira (10). 

>> Às vésperas da definição do MDB no Recife, João Campos vai ao encontro de Jarbas Vasconcelos

>> "Desafio maior". João Campos fala pela primeira vez como pré-candidato à Prefeitura do Recife

A candidatura de Raul Henry para disputar o comando da Prefeitura do Recife já foi defendida publicamente pelo líder do governo Bolsonaro no Senado federal, Fernando Bezerra Coelho (MDB). Em 2018, ele foi protagonista de uma briga pelo comando do partido em Pernambuco contra Jarbas e Raul, mas ao final não conseguiu levar a sigla para a oposição. 

"Dr Raul Henry em momento nenhum disse claramente para a população da cidade do recife que queria ser candidato a prefeito, eu não vi nenhuma entrevista de Raul nesse sentido de um projeto. Acho que Raul está muito bem como deputado federal em Brasília, então não tem motivo nenhum da gente sair desse palanque", afirmou Murilo.

O nome do próprio Murilo já chegou a ser cogitado para ocupar a vaga de vice na chapa majoritária encabeçada pelo deputado federal João Campos (PSB) no Recife. Na última quinta-feira (6), João visitou Jarbas Vasconcelos, mas os dois afirmaram que as questões locais não foram objeto da conversa. O encontro foi visto como uma sinalização com o objetivo de manter a aliança entre os dois partidos, em um cenário onde o PSB já perdeu o apoio, ao menos oficial, do PT e do PDT, devido as pré-candidaturas de Marília Arraes (PT), Túlio Gadêlha (PDT) e Isabella de Roldão (PDT). 

PT

Na entrevista, Murilo também criticou a gestão de João da Costa, entre os anos de 2009 e 2012, que antecedeu a do prefeito Geraldo Julio (PSB). Apesar de ter Marília Arraes como pré-candidata, uma ala do PT sempre defendeu a permanência do partido na Frente Popular e mesmo acatando a decisão do Diretório Nacional em lançar Marília, defende que não haja ataques à gestão do PSB durante a campanha. 

"Qual seria o motivo para a gente romper com a Frente Popular do prefeito Geraldo Julio, do governador Paulo Câmara, se a gente está aliado politicamente com a gestão que cuida das pessoas, uma gestão que tirou Recife do baixo astral que estava quando foi empurrado com aquela gestão de João da Costa para o buraco há oito anos atrás.

O PT aindamantém quadros nas gestões do PSB em Recife e no governo estadual, a exemplo de Dilson Peixoto como secretário estadual de Desenvolvimento Agrário e Oscar Barreto como secretário municipal de Saneamento.

Defesa da gestão

Murilo Cavalcanti ainda rebateu mais uma vez as críticas do vereador do Recife Fred Ferreira (PSC) à Prefeitura do Recife na última sexta-feira (7). O oposicionista acusou a gestão de omitir o fato das obras do Compaz Miguel Arraes, localizado na Avenida Caxangá, Zona Oeste do Recife, terem sido financiadas com dinheiro do governo federal, no valor de R$ 3,5 milhões.O prefeito Geraldo Julio é um opositor ferrenho ao presidente Jair Bolsonaro (sem partido), que tem Família Ferreira como apoiadora em Pernambuco. 

>> Blog de Jamildo: Fred Ferreira condena ‘omissão’ da PCR em relação a recursos federais e quer citação de Bolsonaro

"Estou trazendo esse fato para esta tribuna virtual para mostrar que a Prefeitura do Recife omite esse tipo de informação por questões políticas. O prefeito quer ter o discurso de que o Governo Federal não ajuda a gestão municipal, sobretudo neste que é um ano eleitoral", disse o vereador oposicionista, durante sessão remota da Câmara Municipal do Recife. 

Segundo Murilo, Geraldo Julio nunca escondeu a origem dos recursos. Ele explicou que, na verdade, eles vieram de um projeto chamado "Praça da Juventude" viabilizado ainda no governo da presidente Dilma Roussef (PT). "Eu disse ao ministro Osmar Terra (ministro da Cidadania do governo Bolsonaro) que a Praça da Juventude deveria ser um Compaz e não houve objeção nenhuma. Ele só pediu que fosse feito uma placa para ser colocada lá no Compaz dizendo que era dinheiro do governo federal, que o ministro era ele. Não teve problema nenhum com a gente com isso daí", disse Murilo.

Ainda de acordo com o secretário, o descerramento da placa deve ser realizado em breve, na presença do novo ministro da Cidadania, Onyz Lorenzoni, quando as atividades do Compaz, paralisadas por conta da pandemia da covid-19, forem retomadas.

>> Secretário do Compaz chama Fred Ferreira de oportunista

O secretário acusou Fred Ferreira de politizar a questão sem necessidade "no lugar de se preocupar com essa pandemia que já matou mais de 100 mil brasileiros e muitos pernambucanos", disparou. Ele repetiu o que havia dito ao Blog de Jamildo na semana passada, de que o vereador faz uso político da religião. 

"Eu não estou aqui atingindo as religiões, tenho muito respeito por católicos, protestantes e evangélicos. Mas o Fred, é tanto que o nome dele não é Fred Ferreira, o nome dele é outro e por oportunismo eleitoral. Nem o nome dele Ferreira tem, mas por uma esperteza, a família ferreira tem representatividade eleitoral no estado de Pernambuco, o cara usa o sobrenome Ferreira para ter resultado eleitoral", argumentou Murilo. 

O jornalismo profissional precisa do seu suporte.

Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Comentários

Últimas notícias